Vacina da poliomielite: quando tomar, reações adversas e mais

05 de julho de 2018 ● POR

A poliomielite, também conhecida como paralisia infantil ou simplesmente pólio, é uma doença grave que é provocada por um vírus que afeta o sistema nervoso e pode levar à imobilidade irreversível dos membros. A principal maneira de evitá-la é por meio da vacina contra a poliomielite.

Embora a imunização esteja disponível gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS), o Ministério da Saúde alertou em nota que mais de 300 municípios brasileiros estão com cobertura vacinal abaixo do esperado, o que é um sinal vermelho para o risco de volta da doença, erradicada desde 1994 no País.

Neste ano, a Campanha Nacional de Vacinação da Poliomielite acontece de 6 a 31 de agosto, porém as doses ficam disponível durante todo o ano em postos de saúde e na rede privada.

Saiba mais sobre ela a seguir:

Tipos e composição da vacina da poliomielite

Existem dois tipos de vacina da poliomielite:

Injeção

vacina injetável poliomielite

A Vacina Inativada da Poliomielite (VIP) – Salk – é injetável e constituída pelo vírus inativado (morto) dos três tipos (1, 2 e 3), ou seja, produz anticorpos contra todos eles.

É também chamada de tipo Salk em homenagem à Jonas Salk, seu criador.

A injeção é aplicada em três doses, sendo a primeira partir dos dois meses de idade, a segunda com quatro meses e a terceira com seis meses.. Já o reforço é realizado com um ano e três meses de idade de idade e aos 4 e 6 anos.

Cada dose de 0,5 ml da vacina contém 40 unidades de antígeno UD (Unidade de Antígeno-D) de poliovírus tipo 1, 8 unidades de poliovírus tipo 2 e 32 unidades de poliovírus tipo 3.

Gotinha

 

vacina oral poliomielite

A Vacina Oral Poliomielite (VOP) – Sabin – é produzida com vírus vivos atenuados – sem capacidade de causar a doença – e é trivalente, assim como a VIP. Também é chamada de tipo Sabin em homenagem a Albert Sabin, responsável por sua criação.

Ela contém os poliovírus 1, 2 e 3, que são muito eficazes na produção de anticorpos contra o acometimento. Cada dose é constituída de 106 unidades de vírus do tipo 1, 105 do tipo 2 e 600 mil do tipo 3.

Sua aplicação é por via oral.

Para que serve a vacina poliomielite

A vacina combate a paralisia infantil, doença que afeta o sistema nervoso e pode levar à imobilidade irreversível dos membros.

Indicação

A imunização de rotina é recomendada a partir dos dois meses de idade, contudo situações epidemiológicas especiais podem antecipar a indicação.

Em campanhas maciças, a imunização é administrada em crianças com menos de cinco anos de idade, independente do estado vacinal prévio.

A vacina contra paralisia infantil ainda é recomendada para pessoas que vão viajar para lugares em que a doença é endêmica, ou seja, onde há o risco de transmissão.

Pacientes imunodeficientes (com doenças autoimunes ou Aids, por exemplo), que fazem uso de drogas imunossupressoras ou que passam por radioterapia devem receber a vacina injetável.

Crianças que têm contato com pacientes imunodeficientes não devem receber a gotinha, mas a injeção.

Assim como elas, adultos devem ter a dose aplicada por agulha.

Como é aplicada?

Há duas versões: uma oral e outra injetável.

Ação esperada

A vacina da poliomielite age no organismo estimulando a produção dos próprios anticorpos contra a doença.

Possíveis reações adversas

Embora os riscos de eventos adversos sejam raros, a imunização pode provocar algumas reações no organismo:

A Vacina Inativada da Poliomielite pode causar sintomas como:

  • Febre baixa;
  • Coceira ou erupções na pele;
  • Endurecimento;
  • Vermelhidão da pele;
  • Aumento da sensibilidade;
  • Anafilaxia – reação alérgica grave e que pode ser fatal;
  • Inchaço e dor no local da injeção.

Já a vacina da paralisia infantil contém vírus vivos (mesmo que enfraquecidos) e, portanto, pode causar:

  • Poliomielite paralítica, a qual ocorre em uma a cada 1 milhão de doses aplicadas;
  • Meningite asséptica e encefalite. É rara e o risco é maior em crianças imunodeficientes;
  • Reações alérgicas devido aos componentes da vacina;
  • Poliovírus derivado da vacina (VDPV), por causa de instabilidade genética ou pela combinação do material do vírus com outros vírus que vivem no intestino. É raríssimo, com nenhum caso identificado no Brasil.

Caso as complicações sejam presenciadas, é fundamental procurar um médico.

Contraindicações da vacina da poliomielite

 

grávidas

Shutterstock

Existem alguns casos em que deve ser administrada a vacina de poliomielite:

  • Pessoas que tenham apresentado reação de hipersensibilidade a algum de seus componentes;
  • Pessoas que foram submetidas recentemente a transplante de medula óssea.

Gestantes podem tomar?

Grávidas não devem ser vacinadas, ao menos que estejam em áreas de risco com imunização incompleta.

Onde pode ser encontrada?

VOP

A gotinha contra poliomielite pode ser encontrada em Unidades Básicas de Saúde (UBS). Confira a mais próxima de sua casa acessando o site do Ministério do Planejamento (PAC)

VIP

Este tipo está disponível em UBS apenas para as três primeiras doses do esquema infantil de rotina.

Nas clínicas privadas, está disponível apenas em apresentações combinadas com outras vacinas: DTPa-VIP/Hib e DTPa-VIP-HB/Hib (para crianças com menos de 7 anos) e dTpa-VIP (para crianças a partir de 3 anos, adolescentes e adultos).

É possível conferir as clínicas privadas por meio do site da Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm).

Nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (Cries) ela está disponível para crianças e adultos imunodeprimidos ou que tenham contato com eles, situações em que a VOP é contraindicada.

Preço

A vacina da poliomielite é gratuita se aplicada em campanhas nacionais promovidas pelo Ministério da Saúde anualmente ou em Unidades Básicas de Saúde.

Em clínicas privadas, o preço médio é de R$ 250 a R$ 280*.

*Valores checados em julho de 2018.