Veja como reconhecer os sintomas de apendicite

Atualizado em 15 de junho de 2018

|

POR Lucas Coelho

A apendicite é uma inflamação bastante comum tanto em adultos quanto crianças e adolescentes. Quase todo mundo conhece alguém — ou é esse alguém — que já precisou fazer a cirurgia para remover o apêndice. Apesar de não ser um problema de saúde considerado grave, os sintomas de apendicite exigem atenção.

Geralmente, quando surgem, os sinais de apendicite já indicam que a cirurgia será necessária. Ao mesmo tempo, porém, eles também costumam ser confundidos com sintomas de outros problemas. Fique atento aos sinais mais comuns da apendicite e saiba quando procurar ajuda médica.

Sintomas de apendicite

1. Dor abdominal

A apendicite, como o sufixo “ite” já indica, é uma infecção que acomete o apêndice — um órgão que fica localizado no lado direito do abdômen. Como toda infecção, a apendicite provoca dor. E este geralmente é o primeiro sinal de apendicite.

Essa dor costuma ser descrita como dor abdominal. Ela começa mais leve na região central da barriga, próxima ao umbigo, e vai se alastrando aos poucos até a parte inferior direita do abdômen. Em questão de horas, ela costuma ficar bem mais intensa e localizada nesta região.

Segundo Teresa Navarro, chefe da emergência do Hospital São Lucas de Copacabana, no Rio de Janeiro, a dor da apendicite não se manifesta de uma única forma. “Este sintoma pode se apresentar como cólica ou pontadas na barriga, depende muito da pessoa”, garante ela.

Como diferenciar a dor da apendicite de uma simples dor abdominal?

Ainda de acordo com a especialista, com exceção do diagnóstico médico, não há uma fórmula para determinar se a dor que a pessoa sente é provocada por apendicite ou por outra razão. Porém, um jeito bastante simples de eliminar outras possíveis causas é verificar a localização da dor.

Quando a infecção já está em estágio mais avançado, um simples toque sobre o ponto dolorido no abdômen pode tornar a sensação insuportável. Neste caso, portanto, já é fundamental procurar um médico com urgência.

É importante destacar que a dor que se sente em uma crise de apendicite é bastante específica. A pessoa de fato sente uma dor abdominal, mas ela é capaz de perceber que não é uma dor abdominal como todas as outras. Há algo de diferente.

Por isso, a dor provocada por uma infecção no apêndice acabou ficando famosa como a dor de apendicite. Se não for tratada conforme a necessidade, a apendicite pode evoluir para um quadro de infecção generalizada.

Mas o único sintoma da infecção é a dor abdominal? Não. Existem outros sinais em que é importante ficar atento também.

2. Perda de apetite

A inflamação do apêndice afeta todo o sistema digestivo, por isso não sentir fome é bastante comum entre pessoas que estão com o problema.

Evidentemente, somente a falta de apetite não é sinal de apendicite. Mas quando ela vem acompanhada de outros sintomas que estamos listando aqui, pode ser um sinal que vale a pena ser monitorado e relatado a um profissional.

Em geral, é um sintoma bastante comum no início da infecção.

3. Prisão de ventre

A constipação também é um sinal bastante comum em quem está com apendicite, desde que acompanhado dos outros sintomas descritos nesta matéria.

Geralmente, uma prisão de ventre é identificada quando você pressiona a barriga e nota que ela está endurecida — a conhecida barriga inchada. Se você não vai ao banheiro evacuar há um tempo, isso também pode ser sinal de constipação.

Por fim, ela também pode vir acompanhada de enjoos e até vômitos. Dependendo do caso, em geral os mais graves, o intestino pode até mesmo parar de funcionar, paralisando a digestão de alimentos.

4. Febre moderada

Como todo processo infecciosa, a pessoa também pode apresentar febre moderada e persistente — ou seja, entre 37,5° e 38° C.

“Devido ao processo infeccioso local, o paciente apresenta sinais como dor abdominal, evoluindo para febre e, em alguns casos, infecção generalizada”, diz a especialista.

Os sintomas variam entre adultos e crianças?

Os sintomas não variam entre crianças e adultos, mas é importante ficar de olho nos mais jovens, pois, como já dissemos, a evolução do quadro infeccioso pode ser rápida, havendo uma piora significativa de um dia para o outro.

Sem tratamento, a infecção pode se espalhar pelo corpo e se tornar generalizada. Isso é bastante provável de acontecer se um médico não for procurado com rapidez.