Sintomas da dengue podem ser confundidos com os da gripe

14 de novembro de 2017 ● POR Lucas Coelho

Entre os sintomas da dengue mais comuns estão a febre alta, dores pelo corpo, erupções cutâneas na pele, náuseas e vômitos, entre outros. Mas você sabe como diferenciar os sinais na hora de procurar um médico?

Essa pergunta é importante porque, como o clima está esquentando, os casos de dengue no Brasil tendem a aumentar. Com a intensificação das chuvas no verão, os focos do mosquito Aedes aegypti costumam ser mais frequentes do que em épocas do ano com menor precipitação.

O Ministério da Saúde, inclusive, lançou recentemente o Mapa da Dengue de 2017, em que coloca 357 municípios brasileiros em situação de risco e outros 1.139 em alerta para um possível surto não só de dengue, mas também de zika e febre chikungunya.

Surtos de febre amarela, outra doença provocada pelo mosquito, também foram notificados em alguns estados brasileiros.

Como estamos todos sujeitos à dengue, é fundamental sabermos identificar os principais sintomas da doença, além de conhecer os procedimentos de diagnóstico e realizar o tratamento da dengue sempre conforme a indicação médica.

Aqui, vamos falar especificamente da forma como a dengue se manifesta no nosso organismo.

Sintomas da dengue

A primeira coisa que você deve saber é que após a picada do mosquito há o período de incubação do vírus da dengue dentro do organismo, que costuma durar de 5 a 7 dias, mas que pode chegar a até duas semanas.

Isso significa que você não manifestará os sintomas da dengue até que o tempo de incubação termine. Da mesma forma, nenhum exame de sangue poderá acusar a presença do vírus enquanto os primeiros sinais da doença não aparecerem.

Quando procurar um médico?

Você já deve ter visto muito pelos noticiários que a melhor forma de combater a dengue com eficiência é realizar o diagnóstico rapidamente. Então, logo que aparecerem os sintomas iniciais, procure atendimento médico de imediato.

É preciso ficar atento, porque muitos sintomas da dengue podem ser facilmente confundidos com os de uma gripe forte, por exemplo. Mas há algumas diferenças fundamentais entre as duas doenças que você deve levar em conta.

O primeiro alerta da dengue é a febre alta, que pode chegar aos 39° e dura cerca de 48 horas. Junto dela costumam vir:

  • Dores de cabeça, especialmente na região atrás dos olhos;
  • Dores musculares e nos ossos, conhecida popularmente como “quebradeira”;
  • Dores de barriga e náuseas, podendo ocorrer vômitos e diarreia;
  • Surgimento de manchas vermelhas espalhadas pela pele;
  • Possíveis desmaios;
  • Dificuldade na ingestão de líquidos.

Em casos mais graves, a doença também pode evoluir para um quadro de hemorragia — a chamada dengue hemorrágica.

Isso acontece porque a dengue causa inflamação generalizada dos vasos sanguíneos, tornando-os mais permeáveis à saída de sangue, e ocorre também uma queda abrupta no número de plaquetas, que têm função importante de coagulação.

Numa pessoa saudável, por exemplo, a quantidade de plaquetas deve estar acima das 150 mil. Já num quadro de dengue hemorrágica, este número pode cair para menos de 20 mil.

Se houver qualquer sinal de sangramento, já passou da hora de procurar auxílio médico, pois o tipo hemorrágico da dengue pode levar à morte.