Sintomas da chikungunya: atenção para as articulações!

12 de março de 2018

|

POR Lucas Coelho

Os sintomas da febre chikungunya são muito parecidos com os da dengue e da infecção por zika vírus, principalmente no início, mas se diferenciam após certo período de incubação. Difundida em mais de 100 países, a doença é transmitida pela picada de mosquitos, como o Aedes aegypti, e merece atenção devido às trágicas complicações.

Diante deste cenário, é importante ter informações sobre como prevenir, identificar e tratar os sintomas da chikungunya. Entenda:

O que é a febre chikungunya?

A febre chikungunya é uma doença infecciosa provocada pelo vírus CHIKV e transmitida por picada de mosquito, como o Aedes aegypti e o Aedes albopictus.

Ela foi identificada pela primeira vez em 1952 na Tanzânia, país da África Oriental. Apesar disso, o vírus é relativamente novo em solo brasileiro. Começou a se espalhar pelo norte e pelo nordeste do Brasil somente em 2014 e ganhou o noticiário ao lado do zika vírus.

Hoje, todos os estados brasileiros já sofreram com surtos concentrados de febre chikungunya.

Sinais e sintomas da chikungunya

Os sintomas de chikungunya geralmente surgem de 3 a 7 dias depois de o indivíduo ser picado por um mosquito infectado.

As manifestações mais comuns incluem:

  • Febre alta, acima dos 39°
  • Dores nas articulações
  • Dores musculares (mialgia)
  • Dor de cabeça
  • Inchaço (edemas) nas articulações
  • Inchaço de nódulos do pescoço
  • Manchas vermelhas pelo corpo
  • Alteração no número dos glóbulos brancos (leucócitos)
  • Dores nos olhos
  • Possível conjuntivite

Atenção para as articulações

De acordo com o infectologista Jessé Alves, integrante do corpo clínico do laboratório Lâmina, a infecção pelo vírus CHIKV costuma provocar sintomas muito parecidos com os da dengue e do zika, por exemplo. “Em geral, os pacientes se queixam de febre, mal-estar e dor de cabeça”, explica ele.

No entanto, apesar da semelhança com outras viroses, a febre chikungunya vem acompanhada de um sintoma bastante característico: inflamação nas articulações.

Evolução dos sintomas

Em pouco tempo, os sintomas da chikungunya se tornam ainda mais pronunciados por meio da exacerbação das dores e aumento da vermelhidão e inchaço nas articulações de joelhos, cotovelos e ombros.

“Uma característica marcante da chikungunya é a tendência de ocorrer ‘cronificação’ dos sintomas, ou seja, a persistência destas dores por semanas e até meses”, completa o especialista.

Ele explica também que este é outro fator que diferencia a febre de outras doenças provocadas por vírus e transmitidas por insetos. Em outros casos, os sintomas não permanecem por tanto tempo.

Da mesma forma que a maioria das infecções por vírus, os sintomas da chikungunya atingem um ápice. Essa fase aguda é muito intensa e as dores articulares podem até ser incapacitantes.

Após algumas semanas, há melhora dos sintomas, que podem se resolver totalmente ou evoluírem para a forma crônica da doença, cuja artrite um problema recorrente.

Pode ser fatal?

O desenvolvimento da doença é diferente de pessoa para pessoa.

Além dos grupos de risco habituais – pacientes que já lidam com problemas que afetem o sistema imunológico, idosos e crianças – indivíduos com alguma lesão articular prévia, como artrose, estão mais propensos a desenvolver os sintomas da chikungunya de forma crônica.

É importante salientar que, mesmo afetando os glóbulos brancos, a doença não evolui para uma forma hemorrágica, como ocorre com a dengue. “Existem relatos de óbitos associados ao problema, mas em geral isso acontece com pessoas que tinham outras doenças ou que já estavam em idade avançada”, diz o especialista.

Transmissão

A melhor maneira de se evitar a febre chikungunya basicamente segue o mesmo protocolo de prevenção contra a dengue, que muitos de nós já conhece.

O cuidado primordial é minimizar a reprodução do Aedes aegypti e do Aedes albopictus, principais transmissores do vírus CHIKV.

Entre as ações estão:

  • Eliminar focos de proliferação do mosquito, como água parada em vasos, calhas, pneus etc;
  • Fazer uso de repelentes específicos e eficientes contra o mosquito causador;
  • Criar barreiras físicas para o mosquito, como colocar telas nas janelas e portas;
  • Vestir roupas compridas (claras, pois as escuras atraem o mosquito).

Por fim, Jessé Alves alerta que, assim como outras infecções transmitidas por insetos, a febre chikungunya também pode ser transmitida por meio de transfusão de sangue, mesmo quando o doador ainda não está manifestando sintomas.

Diagnóstico e tratamento

Pelos sintomas da chikungunya serem característicos, o diagnóstico pode ser feito primeiramente com uma avaliação clínica mais detalhada. Obviamente, a presença do vírus só será confirmada por exames laboratoriais, geralmente com a análise de amostras do sangue.

Já o tratamento é sintomático, ou seja, foca na melhora dos sintomas. Nas formas agudas, deve ser feito basicamente um controle da dor e de outros incômodos que o paciente se queixar.

Caso o paciente desenvolva um problema crônico, o acompanhamento precisará ser feito por um reumatologista para lidar com as dores nas articulações.

 

Fontes

Infectologista Jessé Alves, integrante do corpo clínico do laboratório Lâmina, no Rio de Janeiro. / CRM 71991/SP