Síndrome do coração partido: doença existe e gera sintomas semelhantes a infarto

25 de fevereiro de 2019

|

POR Gabriele Amorim

Sentir aperto no peito e profunda tristeza após situações traumáticas, como términos de relacionamentos, nem sempre é apenas psicológico. Pelo contrário, este pode ser um quadro de síndrome do coração partido. Saiba o que é a doença, causas, sintomas e o que fazer caso aconteça.

O que é síndrome do coração partido?

Cardiomiopatia de takotsubo, também chamada de cardiomiopatia induzida por estresse e mais conhecida por síndrome do coração partido, é uma doença de origem emocional. Leva o nome de “cardiomiopatia” pois um dos principais sintomas é a sensação de infarto.

Causas

A síndrome do coração partido normalmente é ocasionada por situações traumáticas e que geram grande estresse na vida de um indivíduo, como:

  • Luto;
  • Traição;
  • Separações;
  • Diagnóstico de uma doença;
  • Perda financeira;
  • Depressão.

Sinais e sintomas

Os seguintes sintomas podem surgir em caso de síndrome do coração partido:

  • Forte dor na região do coração, simulando infarto;
  • Falta de ar;
  • Tontura;
  • Dificuldade para dormir;
  • Cansaço constante;
  • Tristeza profunda;
  • Falta de autoestima;
  • Irritabilidade.

Fatores de risco

Qualquer indivíduo pode passar por uma situação difícil na vida e acabar por desenvolver síndrome do coração partido.

Contudo, pessoas com que já apresentam quadros de ansiedade, estresse ou depressão possuem maior chance de desenvolver a doença.

Pode ser perigoso?

Mesmo que não apresente riscos à saúde física, por ser uma doença que não compromete a função cardíaca de fato, a síndrome do coração partido pode ser bastante prejudicial para a saúde mental de quem a sofre.

A doença prejudica diretamente o convívio social e profissional do indivíduo, ou seja, o dia a dia se torna cada vez mais difícil e, por isso, é essencial buscar tratamento especializado.

Qual profissional devo procurar?

Em um primeiro momento, deve-se procurar um clínico geral ou um cardiologista em situação emergencial para que exames sejam feitos e qualquer possibilidade de um doença de origem fisiológica seja descartada.

Então, quando confirmada a Síndrome do Coração Partido, deve-se receber o encaminhamento para um psicólogo e/ou psiquiatra. Estes profissionais poderão analisar caso a caso, entender as causas e, assim, desenvolver o melhor tratamento para o paciente.

Tratamento para síndrome do coração partido

Em geral, a psicoterapia é o método principal. Ela visa fazer o paciente lidar melhor com a situação que desencadeou os sintomas e, deste modo, aliviá-los.

Além disso, outras medidas podem ajudar muito no tratamento da doença, como:

Prevenção

Não há uma maneira em si de prevenir esse tipo de situação, pois a síndrome do coração partido aparece, em geral, de surpresa.

Por isso, é importante criar meios e fontes de tranquilidade, quaisquer que sejam, a fim de minimizar as consequências de acontecimentos inesperados e ruins.

Fontes

Psicóloga Edyclaudia Gomes de Sousa – CRP 50196
Psicóloga Sirlene Ferreira – CRP 64773