Escabiose: o que é, sintomas e tratamento da sarna humana

29 de agosto de 2018

|

POR Manuela Sampaio

Facilmente transmitida, a sarna em humanos — também chamada de escabiose  é uma infecção que acomete a pele e gera sintomas intensos. O principal deles é a coceira, que pode levar a lesões e abrir portas para outros micro-organismos.

Apesar de muitas pessoas acharem que se trata de uma doença adquirida por meio do contato com animais, a sarna que atinge os bichos é bem diferente da variedade que acomete seres humanos. Isto é explicado pelo fato de cada espécie de ácaro causador de escabiose tem afinidade por um hospedeiro diferente, o que significa que a parasitose que se espalha entre cães, por exemplo, não contamina pessoas.

Saiba mais sobre esse quadro a seguir:

Causas da sarna humana

 

causa da sarna humana

Toxinmaster/Shutterstock

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, a sarna humana é causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei, variedade hominis.

Logo após a fecundação, que ocorre na superfície da pele, o macho morre e a fêmea inicia a penetração, que dura cerca de 30 dias e finda com o depósito de seus ovos.

As larvas do Sarcoptes scabiei então iniciam o trajeto de volta à superfície da pele, de onde podem passar para mais partes do corpo ou contaminar outras pessoas.

Como se pega?

A escabiose em humanos é transmitida por meio do contato direto com pessoas doentes ou com objetos usados por elas, como roupas, além de relações sexuais, informa o Ministério da Saúde.

No caso das relações sexuais, o contágio não ocorre devido à troca de fluidos, mas pelo contato aumentado entre peles e a afinidade do parasita por áreas genitais.

Segundo a Fiocruz, a sarna humana só deixa de ser transmitida depois de o tratamento destruir todos os ácaros e ovos presentes no corpo.

Fatores de risco da escabiose

A doença é altamente contagiosa, por isso se tornou um problema comum em casas norte-americanas de repouso e de cuidado com idosos, segundo a American Academy of Dermatology, órgão de dermatologia dos Estados Unidos.

Nesses lugares, há muito contato entre equipe e pacientes para auxiliar tarefas do dia a dia de pessoas mais velhas, como andar e se alimentar, e, por isso, a parasitose se alastra rapidamente. Além disso, a imunidade reduzida naturalmente na terceira idade facilita a transmissão.

O mesmo processo pode acontecer em salas de aula infantis, famílias e prisões, mas de maneira mais branda, uma vez que a imunidade dos indivíduos não necessariamente está comprometida nestes locais.

O sistema imunológico enfraquecido por si só — por exemplo, por doenças como Aids, leucemia e linfoma — já é suficiente para tornar as pessoas mais suscetíveis à sarna humana e aumentar chances de complicações.

Sintomas de sarna humana

 

sintomas de escabiose

Mykola Samoilenko/Shutterstock

Os sintomas da escabiose humana se dão principalmente pela movimentação dos ácaros nos túneis que formam na pele. O principal deles é a coceira, que muitas vezes se intensifica à noite e chega a atrapalhar o sono.

A penetração do Sarcoptes scabiei na pele deixa ainda lesões em formato de sulco com pequenas vesículas em suas extremidades e vermelhidão. Se o paciente coçá-las pode haver formação de feridas.

Existe um tipo mais grave da doença, a escabiose crostosa (ou norueguesa) que forma lesões um pouco diferentes, com crostas, e acontece devido a uma hiperinfestação, ou seja, milhões de ácaros atingem a cútis.

Quais áreas afeta?

As partes do corpo mais acometidas pela escabiose em humanos são:

  • Área entre os dedos
  • Face anterior de punhos e cotovelos
  • Axilas
  • Área ao redor dos seios
  • Joelhos
  • Região ao redor do umbigo
  • Linha entre os glúteos
  • Pênis

Em crianças e idosos, também pode afetar:

  • Couro cabeludo
  • Palmas das mãos
  • Planta dos pés

Escabiose em bebês e crianças

Bebês e crianças estão mais suscetíveis à escabiose humana por causa do contato com cuidadores e outras meninas e meninos em creches e escolas infantis, nas quais o manuseio e toque interpessoal costuma ser frequente.

Eles costumam manifestar a parasitose de maneira generalizada, cobrindo a maior parte do corpo, incluindo solas dos pés, palmas das mãos e couro cabeludo, segundo a Academia Americana de Dermatologia.

O incômodo causado pela coceira torna bebês e crianças com sarna humana muito irritados e, como o sintoma surge especialmente à noite, o sono pode ser extremamente prejudicado.

Qual profissional devo procurar?

Quando sentir os sintomas da escabiose, procure imediatamente um médico, preferencialmente um dermatologista ou infectologista.

Lembre-se de levar algumas informações ao especialista, como se houve contato com alguém com sarna ou uso de roupas novas sem lavar, além de início dos sintomas e período do dia em que a coceira se intensifica.

Diagnóstico

A Mayo Clinic, importante instituição de saúde norte-americana, explica que, durante a consulta, o médico determina o diagnóstico por meio da queixa de coceira e do exame clínico, o qual consiste na observação das lesões, caracterizadas pela presença de túneis e vesículas na pele.

Em alguns casos, o especialista pode colher uma amostra da lesão da pele para análise em microscópio e confirmação da presença de ácaros e larvas. Essa opção é usada principalmente para idosos ou indivíduos tratados anteriormente com corticoides, casos em que o diagnóstico pode ser mais difícil pois o processo inflamatório acontece de forma diferente da usual.

Tem cura?

A sarna humana tem cura para a maioria das pessoas, basta seguir o tratamento médico recomendado e manter cuidados rigorosos para evitar reinfecção pelo parasita.

Tratamento da sarna humana

 

tratamento para sarna humana

evrymmnt/Shutterstock

A pessoa diagnosticada com escabiose deve usar medicamentos prescritos por um médico, assim como todos os que viverem com ela ou manterem contato próximo.

O cuidado se deve principalmente à prevenção da reinfecção: como a doença é altamente contagiosa, é possível que o indivíduo infectado tenha passado o parasita para as pessoas que o cercam e, caso elas não sejam tratadas também, são grandes as chances de que o micro-organismo volte para quem primeiro manifestou a doença.

A limpeza do ambiente também é fundamental para evitar a recidiva: lave roupas, toalhas, roupa de cama, colchão e considere passar aspirador na casa toda para se livrar do parasita.

Medicamentos

A medicação tópica deve ser passada em todo o corpo: do pescoço para baixo em adultos e também na face e couro cabeludo em crianças e bebês. A American Academy of Dermatology recomenda usar o medicamentos antes de dormir e retirar ao amanhecer com um banho.

Podem ser prescritos remédios para matar os ácaros e aliviar a coceira. Em casos mais graves, geralmente de sarna crostosa, pode ser necessário uso de medicamentos tomados por via oral, como a ivermectina, um antiparasita mais forte.

Tratamento caseiro

Evite usar métodos caseiros para tratar a doença ou aliviar os sintomas, exceto quando forem inofensivos, como tomar um banho para amenizar a coceira, ou recomendados por um médico.

Via de regra, siga à risca o tratamento orientado pelo profissional, limpe bem a casa e evite passar produtos caseiros, cosméticos ou alimentos sobre as lesões.

Prognóstico

Apesar de matar rapidamente o Sarcoptes scabiei, o tratamento não alivia com a mesma agilidade a coceira, que pode permanecer por cerca de quatro semanas. Portanto, não se esqueça de pedir ao médico remédios tópicos para aliviá-la.

Passado esse período, o paciente volta à “vida normal”, mas deve se manter atento a reinfecções, observando sempre o possível surgimento de lesões nas regiões do corpo mais suscetíveis à escabiose.

Complicações da escabiose

Uma das principais complicações da sarna humana é causada pelo ato de coçar intensamente, o que pode causar feridas e abrir portas para novas infestações, como impetigo, uma infecção bacteriana que atinge as camadas superficiais da pele.

Outra grave consequência é a sarna crostosa ou sarna norueguesa. Mais comum em pessoas com sistema imunológico comprometido, como aquelas que têm HIV, é caracterizada por um número elevado de ácaros e pela formação de crostas na pele. Enquanto alguém com a escabiose típica tem de 10 a 15 micro-organismos vivendo na pele, a pessoa com a variedade crostosa chega a ser infestada por milhões. Por isso, o tratamento pode ser mais difícil.

Prevenção

O principal cuidado para prevenir a sarna humana consiste em evitar contato com pessoas com a parasitose ou objetos contaminados pelo ácaro. Por isso, lave peças de roupa novas e outros objetos de uso pessoal antes de usar pela primeira vez.

 

 

Fontes

Sociedade Brasileira de Dermatologia

Fio Cruz

Mayo Clinic

Dermatologia na Atenção Básica de Saúde – Ministério da Saúde

American Academy of Dermatology