Proteína C reativa: o que é, para que serve, resultados e mais sobre o exame

19 de junho de 2019

|

POR Manuela Sampaio

Embora o exame de proteína C reativa (PCR) seja simples de ser feito, seus resultados são preciosos. Trata-se de uma forma de identificar infecções e inflamações que estão em curso no organismo – como uma infecção urinária, por exemplo –, mas também de saber qual é o risco de sofrer infarto ou até mesmo acidente vascular cerebral (AVC), tornando-se uma ferramenta poderosa para evitar que esses eventos de fato aconteçam.

Entenda melhor o exame a seguir.

O que é proteína c reativa?

Proteína C reativa é uma substância produzida no fígado que pode apresentar elevação importante durante inflamação ou infecção crônica ou aguda.

Outra utilização da PCR é na avaliação do risco cardiovascular.

Para que serve o exame?

A proteína C reativa é um biomarcador para avaliação de processos inflamatórios. A dosagem de PCR é medida por meio de uma amostra de sangue, sendo útil para detecção e avaliação de doenças inflamatórias agudas (como infecção e sepse) e crônicas (como lúpus e outras doenças reumáticas, por exemplo).

Atualmente, a grande utilidade do exame é na avaliação do risco cardiovascular. Uma pequena elevação da concentração de PCR, mesmo dentro do intervalo referencial, está associada ao aumento de risco para futuros eventos de doença coronariana em homens e mulheres.

Como é feito?

Preparo

Não é necessário nenhum preparo específico, como jejum por exemplo, para a realização do exame de proteína C reativa.

Procedimento

Trata-se de um exame de sangue comum, que deve ser feito em laboratório com a utilização de uma agulha.

Para que a PCR possa ser utilizada como marcador de risco cardiovascular, a dosagem deve ser realizada utilizando métodos denominados “ultrassensíveis”.

Dói?

Por ser feita a retirada do sangue com agulha e seringa, pode haver a dor da picada. Pessoas com aflição ou medo de agulha podem sentir desconforto durante a realização do exame.

Resultados possíveis do exame de proteína C reativa

Os resultados do exame PCR podem ser interpretados de duas formas distintas, conforme a finalidade para a qual foi solicitado: como indicador de risco cardiovascular ou como indicador de processos infecciosos e inflamatórios.

Resultado do exame de proteína C reativa para risco cardiovascular

Para a avaliação de risco doença aterosclerótica – tais como infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC) e morte súbita por motivo cardiovascular –, os valores de referência sugeridos são:

  • Menor que 0,1 mg/dL: risco baixo;
  • De 0,1 a 0,3 mg/dL: risco médio;
  • Maior que 0,3 mg/dL: risco alto.

Resultado do exame de proteína C reativa para infecção ou inflamação

Os valores de referência sugeridos para avaliação de processos infecciosos e inflamatórios são:

  • De 1,0 a 5,0 mg/dL: infecções virais e processos inflamatórios leves;
  • De 5,1 a 20,0 mg/dL: infecções bacterianas e processos inflamatórios sistêmicos;
  • Acima de 20,0 mg/dL: infecções graves, grandes queimaduras e politraumatismo.

Tem alguma contraindicação?

Não existe contraindicação para realização do exame. No entanto, para fins de avaliação do risco cardiovascular, o exame deve ser repetido de três a seis semanas quando for observado valor acima de 0,3 mg/dL, para afastar a existência de processo inflamatório ou infeccioso agudo.

O que pode interferir no exame?

O exame é solicitado principalmente em caso de suspeita de inflamação ou infecção, principalmente para diferenciar infecção viral de bacteriana. Quando o paciente se encontra numa destas situações, não se deve dosar o PCR para fins de avaliação do risco cardiovascular.

Amostras com elevado grau de lipemia (gordura) podem interferir no teste. Nessa situação, há necessidade de repetir o exame, particularmente se a análise for realizada para avaliação do risco cardiovascular.

Média de preço para ser realizado

O exame para detectar os níveis de proteína C reativa é barato. A depender do laboratório, custa em média de R$10 a R$ 30 reais.

Fonte

Nairo Sumita, assessor médico em Bioquímica Clínica do Fleury Medicina e Saúde – CRM 61649 SP.