Prednisolona: para que serve, como tomar, riscos e mais

18 de abril de 2019

|

POR Dr Entrega

Prednisolona é um medicamento anti-inflamatório facilmente ser encontrado em farmácias no formato de comprimidos, suspensão oral ou gotas. É indicado principalmente para o tratamento de doenças que envolvem inflamação e dor aguda.

O que é

Prednisolona é um fármaco que pertence ao grupo dos anti-inflamatórios esteroides. Esse medicamento é um metabólito ativo da prednisona – sendo um pró-fármaco que é metabolizado pelo fígado e se convertendo a forma esteroidal ativa.

Além de ter como agente o anti-inflamatório, ele também possui um sistema imunossupressor em patologias cujos mecanismo fisiopatológicos envolvam processos inflamatórios ou autoimunes – para o tratamento de condições endócrinas ou composição de esquemas terapêuticos em algumas neoplasias.

Lembre-se, o medicamento em destaque deve ser administrado junto a um médico – pois ele irá ditar a redução ou aumento da dosagem de acordo com o tratamento.

Como muitos remédios, a prednisolona requer apresentação de receita médica.

Para que serve prednisolona

A prednisolona é um anti-inflamatório esteroide muito indicado para tratar problemas como distúrbios endócrinos, distúrbios reumáticos, doenças dermatológicas, colagenoses, estados alérgicos, doenças oftálmicas, doenças respiratórias, doenças hematológicas, doenças neoplásicas, doenças edematosas, doenças neurológicas e doenças gastrointestinais.

Além de atuar em diversos tipos de tratamentos e contra muitas doenças, a prednisolona também pode ser usada no tratamento do câncer.

Nomes comerciais

Este medicamento pode ser visto sob a forma genérica ou por meio dos nomes comerciais a seguir:

  • Predsigma
  • Predsim
  • Pred-Gran
  • Prelone comprimido

Interações medicamentosas

Álcool: risco de ulceração gastrintestinal ou hemorragia aumentada quando essa substância é utilizada simultaneamente com glicocorticoides.

Drogas anti-inflamatórias não-esteroidais – como diclofenaco e cetoprofeno: risco de ulceração gastrintestinal ou hemorragia aumentada quando estas substâncias são utilizadas ao mesmo tempo com glicocorticoides, entretanto o uso simultâneo de anti-inflamatórios não-esteroidais no tratamento de artrite deve promover benefício terapêutico aditivo e permitir redução de dosagem de glicocorticoide.

Agentes antidiabéticos – como metformina e glimepirida –, sulfonilureia ou insulina: os glicocorticóides podem aumentar as concentrações de glicose no sangue. Ajuste de dose de um ou ambos agentes pode ser necessário quando a terapia com glicocorticoide é descontinuada.

Agentes antitireoidianos ou hormônios da tireoide: alterações na condição da tireoide do paciente podem ocorrer como um resultado de administração, alteração na dosagem ou descontinuação de hormônios da tireoide ou agentes antitireoidianos, podendo necessitar de ajuste de dosagem de corticosteroide, uma vez que a depuração metabólica de corticosteroides diminui em pacientes com hipotireoidismo e aumenta em pacientes com hipertireoidismo. Os ajustes de dose devem ser baseados em resultados de testes de função da tireoide.

Estrogênios ou contraceptivos orais contendo estrogênios: estrogênios podem alterar o metabolismo, levando à diminuição da depuração, aumentando a meia-vida de eliminação e aumentando os efeitos terapêuticos e toxicidade dos glicocorticoides. O ajuste de dose dos glicocorticoides pode ser requerido durante e após o uso concomitante.

Glicosídeos digitálicos: efeitos da interação: o uso concomitante de glicocorticoides pode aumentar a possibilidade de arritmias ou toxicidade digitálica associada com hipocalemia.

Glicocorticoides, especialmente prednisolona, podem aumentar o metabolismo hepático ou a excreção de isoniazida, levando à diminuição das concentrações plasmáticas e eficácia da isoniazida, especialmente em pacientes que sofrem acetilação rápida. O ajuste de dose de isoniazida pode ser necessário durante e após o uso concomitante.

Interação come exames laboratoriais

Digoxina: o medicamento em destaque pode resultar em falso aumento dos níveis de digoxina.

Os corticosteróides podem alterar o teste de “Nitroblue tetrazolium” para infecções bacterianas e produzir resultados falso-negativos. Os corticoides podem suprimir as reações de testes cutâneos.

Como tomar prednisolona?

A posologia do medicamento mencionado no artigo depende da idade e do peso do paciente:

Comprimidos

  • Adultos: recomenda-se uma dose inicial de 5 a 60mg por dia, o que seria equivalente a 1 comprimido de 5mg ou 3 comprimidos de 20mg. Tome o medicamento após uma refeição leve.
  • Crianças: recomenda-se uma dose inicial de 5 a 20mg por dia, o que seria equivalente a 1 comprimido de 5mg ou 1 comprimido de 20mg. Tome o medicamento após uma refeição leve.

Lembre-se, as dosagens devem ser reduzidas gradualmente quando o médico receitar. Esses comprimidos devem ser engolidos inteiros, sem partir ou mastigar, pois pode interferir na eficácia de suas substâncias.

Xarope

  • Adultos: recomenda-se uma dose inicial de 5 a 60mg por dia.
  • Crianças e bebês: recomenda-se uma dose inicial de 0,15 a 2mg para cada 1kg do peso do paciente. Essa dosagem deve ser feita por dia, dividida em até 4 administrações diárias.

Lembre-se, o volume a se medir depende da concentração da solução oral, já que existem duas apresentações diferentes. A dosagem pode ser reduzida gradualmente quando solicitado pelo médico.

Gotas

  • Adultos: recomenda-se uma dose inicial de 5 a 60mg por dia, o que seria o equivalente a 9 gotas ou 109 por dia.
  • Crianças: recomenda-se uma dose inicial de 0,15 a 2mk para cada 1kg do peso do paciente. Deve ser administrado até 4 vezes ao dia.

Cada gota de prednisolona é equivalente a 0,55mg. Essa dosagem pode ser reduzida gradualmente conforme a vontade do médico quanto ao tratamento indicado.

Efeitos colaterais

Os efeitos mais comuns da prednisolona variam entre má digestão, fadiga, aumento do apetite, insônia, nervosismo, úlcera péptica, pancreatite e esofagite ulcerativa. O tratamento com doses elevadas de qualquer tipo de corticosteróide pode induzir o aumento dos triglicérides no sangue.

Também há casos onde pode ocorrer: reações alérgicas, distúrbios nos olhos (catarata, glaucoma, exoftalmia e infecção por fungos ou vírus), manifestação de diabetes mellitus, redução de tolerância aos carboidratos e aumento das necessidades de insulina ou hipoglicemiantes orais – apenas em pacientes que já sofrem com diabetes.

Contraindicações

A prednisolona não deve ser usada por mulheres grávidas ou que estejam amamentando – a não ser eu seja recomendada por um médico. Analise os benefícios e riscos antes de tomar qualquer decisão sobre.

É um medicamento contraindicado para indivíduos com infecções fúngicas sistêmicas ou infecções não controladas; e pacientes com alergia às substâncias e componentes da fórmula do remédio.