Piolho: como se pega, sinais, remédios e mais sobre pediculose

30 de abril de 2019

|

POR Manuela Sampaio

Comumente associado a má higiene, o piolho dificilmente se torna assunto, a ponto de muitas das dúvidas permanecerem sem respostas e diversos mitos ganharem espaço.

Sabia que, ao contrário do que muitos pensam, a infestação não tem nada a ver com má higiene? Ou que adultos também podem ter? Essas e outras dúvidas respondemos a seguir.

O que é?

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, piolhos são parasitas que sugam sangue e se reproduzem na superfície da pele e nos pelos ou cabelos.

Apesar de a infestação por piolhos ser relativamente comum, pouca gente conhece o nome da doença causada por eles: pediculose. Nela, é comum notar a presença não apenas dos piolhos (pontinhos pretos), mas também das lêndeas, pontinhos brancos que são os ovos do piolho.

Além da pediculose na cabeça, pode haver a pediculose do corpo e do púbis.

Causas

A infestação por piolhos na cabeça é causada pelo contato com pessoas que os tenham. Isso é mais comum em aglomerações, como creches e escolinhas por exemplo, mas também pode acontecer ao pegar emprestado itens pessoais de outras pessoas, como fones de ouvidos e travesseiros, além de durante relações sexuais (no caso da pediculose do púbis).

Como se pega

O piolho passa mais facilmente quando há certa proximidade entre as pessoas, o que acontece mais comumente em aglomerações.

Pode pular de uma pessoa para outra?

Não, o piolho não pula. Ele é passado por contato direto, o que explica ser mais comum em crianças, ou é levado pelo vento e pode parar em outra cabeça.

Quem faz química capilar não pega piolho?

Há remédios adequados para eliminar todas as fases (lêndea ou piolho, por exemplo), mas químicas como tintura e escova progressiva não estão entre eles.

Fatores de risco

Os fatores de risco para a pediculose são estar constantemente em aglomerações e ter contato com pessoas ou objetos infectados. Ao contrário do que muitos pensam, os piolhos não têm nada a ver com má higiene.

Sintomas e sinais

khunkorn/Shutterstock

Na pediculose da cabeça, o principal sintoma é a coceira causada pela picada do piolho.

Em muitos casos, também é possível observar as lêndeas e os piolhos. No corpo, o piolho deixa lesões hemorrágicas e causa também coceira. Os mesmos sintomas ocorrem na pediculose púbica.

Diagnóstico

O diagnóstico de pediculose geralmente dispensa exames e pode ser feito apenas por avaliação médica.

Em muitos casos, o quadro nem chega a ser levado ao médico, sendo detectado pelos pais ou responsáveis e tratado com medicações que não pedem a prescrição médica.

Qual profissional procurar?

Procure um dermatologista, tricologista, infectologista ou clínico geral.

Como acabar com piolhos?

Remédios para piolho

De acordo com a Sociedade de Pediatria de São Paulo, os remédios para eliminar piolho podem ser tópicos ou orais.

Entre eles, estão a solução tópica Monossulfiram.

Já o Ivermectina é um antiparasitários tomado sob a forma de comprimidos cujo uso ainda não é recomendado pela Food and Drug Administration (FDA) – órgão norte-americano que regula medicações.

Os tratamentos devem ser repetidos após sete dias de seu início.

Shampoo para piolho

Deltametrina e Permetrina são soluções usadas sob a forma de shampoo para tratar a infestação por piolhos.

Remédio caseiro para piolho

A melhor forma de prevenir a pediculose é passando um pente fino nos cabelos todos os dias. A técnica seria especialmente eficaz para eliminar as lêndeas, que podem ser resistentes aos medicamentos.

É recomendável ainda embeber o cabelo em água com vinagre (misturados em partes iguais) para facilitar a remoção dos ovos.

Como matar piolho?

Caso você pegue um piolho vivo, não é recomendado esmagá-lo. Para matar piolho, coloque-o em um frasco contendo água e vinagre.

Também é recomendado lavar roupa de cama, toalhas, esterilizar pentes e passar aspirador nas áreas em que a pessoa infectada circulou ou circula.

Prognóstico

O prognóstico após pediculose é bastante positivo e, feito o tratamento, a infestação costuma melhorar em poucos dias.

O tratamento deve ser repetido em 7 dias e, caso persista, deve ser procurado um médico.

Complicações

As principais complicações são reinfestação – quando os piolhos voltam a se reproduzir de maneira acelerada mesmo com o tratamento – e infecções secundárias, já que a coçadura rompe a pele e a deixa mais suscetível à entrada de micro-organismos.

Prevenção

Evite utilizar objetos de outras pessoas (como pentes e toalhas) e mantenha-se longe de aglomerações de pessoas.

Fontes

Sociedade Brasileira de Dermatologia. Pediculose (piolho). Disponível em: www.sbd.org.br/dermatologia/cabelo/doencas-e-problemas/pediculose-piolho/16

Sociedade de Pediatria de São Paulo. PEDICULOSE: NOVAS ABORDAGENS PARA UMA ANTIGA DOENÇA. Disponível em: www.spsp.org.br/2011/09/29/pediculose_novas_abordagens_para_uma_antiga_doenca

Fiocruz. Piolho: pesquisador esclarece o que é a pediculose, doença provocada pelo inseto. Disponível em: portal.fiocruz.br/noticia/piolho-pesquisador-esclarece-o-que-e-pediculose-doenca-provocada-pelo-inseto