Paralisia do sono: saiba o que é e como se livrar deste problema

15 de fevereiro de 2018

|

POR Bruno Botelho dos Santos

Você já ouviu falar na paralisia do sono? Dizem por aí que é uma das experiências mais assustadoras que uma pessoa pode ter. Imagine só acordar à noite, não conseguir movimentar seu corpo e ainda por cima começar a ter diversas alucinações. Bizarro, não é?

Pois é exatamente nisso que consiste a paralisia do sono, um dos distúrbios do sono mais comuns do mundo. Apesar de a premissa já ser aterrorizante o suficiente, existem muitos mitos a respeito do problema.

Por exemplo: você sabe o que pode provocar essa paralisia noturna? E os fatores que podem desencadear um episódio? Você sabia também que é possível evitá-la? Se você está curioso para saber mais, abaixo nós separamos as informações mais importantes sobre o distúrbio para desvendar mais sobre ele. Confira!

O que é a paralisia do sono?

Por ser um acontecimento bem aterrorizante para quem sofre, as pessoas costumam relacionar a paralisia do sono com algo místico e sobrenatural.

Isso fez com que o problema ganhasse muita força na cultura popular, geralmente associado com o terror, e inclusive ganhou o documentário The Nightmare (2015) , dirigido por Rodney Ascher, que sofreu com o problema e explora os horrores deste distúrbio do sono. 

Apesar dos detalhes da doença rondarem o imaginário popular e deixarem o problema ainda mais aterrorizante,  ela é uma questão física (biológica) e não espiritual (sobrenatural). A ciência, inclusive, já buscou e encontrou indícios que explicam por que a paralisia do sono ocorre.

Uma das primeiras descobertas da medicina, por exemplo, é que a doença nada mais é do que a falta de sincronia entre cérebro e corpo. Ou seja, a pessoa pode até estar desperta, mas o cérebro entende como se ela estivesse dormindo.

Por isso, a paralisia do sono é mais comum quando a pessoa está prestes a pegar no sono e em momentos antes de acordar.

A sensação é exatamente essa: você está consciente, mas não consegue se movimentar ou falar, pois os músculos do seu corpo não respondem aos comandos do cérebro. Ele age como se a pessoa ainda estivesse dormindo, misturando a realidade com os sonhos.

Possíveis causas e fatores de risco

Vários especialistas afirmam que a maioria das pessoas vai ter essa experiência pelo menos uma ou duas vezes ao longo da vida. Por isso, é bom ficar de olho em alguns fatores que podem aumentar as chances de a paralisia do sono acontecer. São eles:

  • Indução consciente da paralisia. Sim, isso é possível e é uma técnica comum, já que a paralisia acaba sendo porta de entrada para experiências extracorporais e sonhos lúcidos. Então, cuidado! O ideal é evitar situações assim;
  • Horários de sono e descanso irregulares;
  • Estresse e cansaço elevados;
  • Mudanças repentinas na vida da pessoa e/ou durante a rotina;
  • Sono induzido por medicamentos;
  • Uso de drogas em excesso;
  • Baixos índices de melatonina e triptofano podem desencadear um episódio de paralisia do sono.

Nota: a melatonina é o hormônio produzido naturalmente pelo corpo que tem a função básica de induzir ao sono e regular o metabolismo ao longo do dia e também da noite. Já o triptofano é um aminoácido essencial e utilizado pelo cérebro nos processos bioquímicos do sono e do humor.

Sintomas da paralisia do sono

Por ser um acontecimento bem peculiar e marcante, a paralisia do sono é bem fácil de ser identificada. Como já mencionado, os episódios deste distúrbio envolvem a incapacidade de se mover e falar ao pegar no sono ou acordar.

A paralisia costuma durar cerca de um a dois minutos, mas é comum ela também vir acompanhada de ansiedade e alucinações, que costumam estar relacionadas com uma pressão sobre o peito e asfixia.

Como são essas alucinações?

As alucinações podem ser:

  • Auditivas, caracterizadas por estalos, ruídos e pelo escutar de passos pelo local;
  • Visuais, com a percepção de objetos ou luz;
  • Cinestésica, com sensações de queda ou flutuação.

As alucinações podem gerar ansiedade e um subsequente episódio de insônia, além de outros distúrbios do sono, como narcolepsia.

O corpo inteiro fica paralisado?

Não, mas os únicos músculos que permanecem ativos num episódio de paralisia do sono são os músculos oculares e respiratórios.

Quando a paralisia do sono acontece?

A paralisia do sono pode ocorrer em dois estágios: a paralisia hipnopômpica, quando a pessoa retoma a consciência antes de sair do estágio REM (Movimento Rápido dos Olhos) ou paralisia hipnagógica, na qual a pessoa fica paralisada um pouco antes de dormir. Saiba mais sobre esses dois tipos:

Assim que começa a dormir

Na hora de dormir, o corpo e a mente relaxam lentamente e começamos a nos tornar inconscientes ao ambiente que está ao nosso redor até pegarmos no sono. Na paralisia do sono, porém, que acontece um pouco antes de a pessoa entrar completamente no sono, ela não fica tão inconsciente e não consegue se mover ou falar.

O corpo já está em relaxamento muscular máximo, mas a mente ainda está em transição para o sono. Por isso, com as atividades cerebrais de produção dos sonhos já funcionando, acabamos vivenciando um episódio de confusão mental, em que fragmentos de sonhos acabam se confundindo com visões enquanto estamos acordados.

Assim que acorda

No final do sono, quando já estamos começando a acordar, estamos saindo da fase de sono REM. Os músculos estão imóveis e o corpo relaxado. Assim, quando a pessoa está prestes a retomar a consciência, ela pode sofrer um episódio de paralisia do sono antes do corpo terminar de sair dessa fase.

A pessoa já está despertando, mas os olhos se movem rapidamente por causa do estado REM e os sonhos acontecem normalmente, enquanto que o resto do corpo permanece imóvel.

Como evitar e possíveis tratamentos

Para evitar que episódios de paralisia do sono aconteçam com frequência, é importante tomar algumas medidas e cuidados especiais. Confira:

Melhore a qualidade e a saúde do sono

Os hábitos de sono são fundamentais para ter qualidade de vida, então a primeira e talvez a mais importante dica de todas consiste justamente nisso: organize seus horário para que possa ter horas suficientes de sono e descanso.

Dormir em horários mais regulares (ir para a cama sempre no mesmo horário todas as noites, por exemplo) e por mais tempo, ter um ambiente de sono confortável e tranquilo, evitar a cafeína e deixar de assistir televisão antes de dormir são outras dicas importantes.

Os cochilos podem ser muito prejudiciais, então é importante manter sonos mais constantes e preferencialmente durante a noite.

Mude seus hábitos

Algumas mudanças em seus hábitos podem ajudar muito. Se você é sedentário, comece a praticar exercícios físicos para fortalecer o corpo. Se você não costuma se alimentar corretamente, adote uma dieta saudável e balanceada.

Tudo isso influencia para que você tenha mais qualidade de sono.

Evite o estresse

O estresse afeta muito a saúde, e pode prejudicar muito a qualidade do sono também. Por isso, quanto mais ele for evitado, melhor para você.

Como é praticamente impossível não se estressar, procure formas de lidar melhor com as pressões do dia a dia. Uma terapia, yoga e meditação são técnicas que ajudam muito.

Evite dormir de barriga para baixo

Alguns médicos aconselham a não dormir de barriga para baixo se você costuma ter paralisia do sono quando está deitado nesta posição. Experimente outras posições para evitar novos episódios do distúrbio.

Use os medicamentos recomendados pelo médico

Alguns medicamentos podem ser utilizados principalmente para regular o ciclo do sono da pessoa. Em casos mais leves, os medicamentos para dormir já são suficientes para ajudar a estabilizar o quadro.

Mas em casos mais graves pode ser necessário o uso de antidepressivos, que ajudam muito em transtornos de ansiedade.

A utilização de medicamentos deve ser feita apenas sob prescrição médica. Aliás, consultar um especialista do sono é fundamental em todos os casos, principalmente se as paralisias forem frequentes.

Cuide de sua saúde mental

Tratar de problemas de saúde mental, que podem contribuir para a paralisia do sono e outros distúrbios do sono, como a narcolepsia e cãibras nas pernas é fundamental.

Grande parte das pessoas não precisa de tratamento, que geralmente só são necessários quando os transtornos afetam muito a sua qualidade de vida, deixando-a mais ansiosa e prejudicando a qualidade do sono.

É importante ressaltar, porém, que paralisia do sono tem tratamento e é controlável, mas não tem cura.