Lábio leporino e fenda palatina: tudo sobre fissura na boca do bebê

25 de junho de 2019

|

POR Manuela Sampaio

Fissura labial (ou lábio leporino) e fenda palatina são malformações que acontecem na fase embrionária e determinam uma “abertura” no lábio e/ou céu da boca. Bebês que nascem com o acometimento geralmente precisam de cuidados especiais com alimentação e, mais tarde, dentição e fala. Entenda a seguir quais são os cuidados necessários e os tratamentos disponíveis.

O que é

Lábio leporino e fenda palatina são malformações congênitas que podem ocorrer de forma isolada ou estarem associadas com alterações adicionais ou síndromes genéticas. “São as malformações mais frequentes que acometem a cabeça e pescoço em pediatria”, explica o pediatra Werther Brunow de Carvalho, coordenador de pediatria do Hospital Santa Catarina.

A fissura labial (ou lábio leporino) é caracterizada por uma “abertura” no lábio superior, dividindo-o em dois, que pode se estender até gengiva, maxilar superior e nariz.

No caso da fenda palatina, a abertura acomete o céu da boca (palato) e a base do nariz, casos em que pode haver comunicação entre as duas estruturas.

Há ainda casos em que ocorre fissura labiopalatal, ou seja, a fenda se estende do lábio ao céu da boca. Todas as aberturas podem ser uni ou bilaterais.

O lábio leporino acomete mais frequentemente meninos, já a fenda palatina é mais comum em meninas.

Causas

Embora possam ocorrer de forma isolada – em aproximadamente 60% dos casos –, frequentemente lábio leporino e fenda palatina estão associados com outras alterações congênitas ou síndromes genéticas.

Relação com ácido fólico

Níveis suficientes de ácido fólico durante a gravidez são importantes para prevenir malformações no feto, como a fissura labial e parietal. Por isso, recomenda-se a suplementação da substância dois meses antes e durante a gestação.

Fatores de risco

Existe um forte componente genético para o desenvolvimento das fendas orofaciais, entretanto vários fatores ambientais também apresentam risco, como fumo, diabetes gestacional, uso de álcool e alguns anticonvulsivantes.

Algumas deficiências nutricionais ainda podem contribuir com a formação inadequada, incluindo as vitaminas B6 e B12 e a quantidade inadequada de ácido fólico.

Diagnóstico

É fundamental o acompanhamento obstétrico e a avaliação pelo ultrassom morfológico, objetivando o diagnóstico precoce da malformação.

Logo após o diagnóstico, deve haver encaminhamento para pré-natal com uma equipe especializada, que irá orientar, além de reafirmar o tipo e a qualidade dos cuidados necessários.

Complicações

A presença do lábio leporino e/ou fenda palatina pode ocasionar problemas alimentares e respiratórios, perda auditiva, alterações ortodônticas ou má oclusão dentária, obstrução da via aérea e alterações de comunicação e linguagem.

Bebê pode ser alimentado normalmente?

Muitas crianças apresentam dificuldades em mamar no peito ou na mamadeira devido à incoordenação da sucção e deglutição. Caso não sejam notados progressos com a alimentação por essas vias, será necessária a indicação de outras opções de alimentação empregando diferentes possibilidades de bicos e recipientes para ofertar os alimentos.

Recomenda-se incluir um nutricionista na equipe multiprofissional que acompanha o bebê com lábio leporino ou fenda palatina, assim como um fonoaudiólogo. Deve-se acompanhar o ganho de peso e o crescimento da criança preferencialmente com avaliação a cada sete dias.

Pode haver problemas de dentição?

A fissura pode afetar número, formato e posição dos dentes. Por isso, o cuidado ortodôntico, bem como a correção precoce, são fundamentais. Deve-se ainda ter uma atenção especial à higiene bucal.

Pode haver dificuldade para falar?

Crianças com fenda labial e/ou fissura palatina apresentam risco elevado de atraso ou alteração da fala e linguagem oral por conta da alteração anatômica de estruturas fundamentais para a fonação.

É necessária intervenção terapêutica precoce com fonoaudiólogo que por meio de exercícios e estímulos específicos pode ajudar a desenvolver a fala e a linguagem.

Tratamento de lábio leporino e fenda palatina

Terapias

O tratamento de fissura labial envolve equipe multidisciplinar composta por pediatra, cirurgião, otorrino, geneticista, dentista, psicólogo, nutricionista, fonoaudiólogo e fisioterapeuta, entre outros profissionais que atuam para minimizar impactos na vida, seja na fala, na dentição, na alimentação ou até mesmo na socialização, já que a criança com fenda labiopalatal pode sentir dificuldades emocionais e de interação.

Cirurgia

O procedimento cirúrgico para fechamento do lábio leporino ou fenda palatina é definido caso a caso e dividido em diversas operações, já que as correções devem acompanhar o desenvolvimento craniofacial da criança. É determinado também cuidadosamente o momento de realizá-los com objetivo de não interferir precocemente em uma estrutura ainda em formação, mas também não prejudicar início de processos como a fonação.

Em geral, espera-se até a criança completar três meses de idade para iniciar os procedimentos que podem ser realizados no correr de anos.

Prognóstico

Com o tratamento adequado, pacientes podem evoluir com adequação de várias funções e ter inclusão social.

Há como prevenir?

É possível prevenir a alteração evitando os fatores de risco – tabagismo, diabetes gestacional, uso de álcool, anticonvulsivantes, deficiências vitamínicas – e realizando a suplementação com ácido fólico.

Fontes

Médico pediatra Werther Brunow de Carvalho (CRM SP 29863)