Intolerância à lactose: o que é e como evitá-la

09 de janeiro de 2018

|

POR Bruno Botelho dos Santos

A lactose é o açúcar natural do leite, que também está presente em seus derivados, como queijos e iogurtes. O organismo de algumas pessoas eventualmente podem ter reações adversas a essa substância, num quadro que é conhecido como intolerância à lactose.

Segundo dados do Ministério da Saúde , cerca de 70% dos adultos brasileiros apresentam algum grau de intolerância à lactose, podendo ele ser leve, moderado ou grave, tudo dependendo do tipo de reação que a pessoa apresenta.

O que é intolerância à lactose?

A intolerância à lactose, ou deficiência de lactase, é a incapacidade, parcial ou total, que o organismo tem de digerir a o açúcar do leite. Ela acontece quando o corpo não produz ou produz em quantidade insuficiente uma enzima digestiva chamada lactase, que é responsável pela quebra e decomposição da lactose.

Nestes casos, a substância acaba chegando até o intestino grosso sem qualquer alteração. Lá ela se acumula e é fermentada por bactérias que fabricam ácido lático e gases, o que causa maior retenção de água no organismo e o aparecimento de diarreias e cólicas, que caracterizam a intolerância à lactose.

Alergia versus intolerância

Muitas pessoas costumam confundir alergia alimentar e intolerância alimentar. Não raro, muitos também acreditam que se trata da mesma coisa. Mas ter alergia ao leite é diferente de ter um organismo que não reage bem à lactose.

A alergia é uma reação adversa do sistema imunológico às proteínas do leite e seus derivados que acontece após a ingestão. Nestes casos, o organismo envia células de defesa para combater a presença dessas proteínas no corpo, confundindo-as com invasores, a exemplo de vírus ou bactérias.

Essa reação acaba agredindo o próprio organismo, o que leva às chamadas reações alérgicas, que costumam variar de intensidade e se manifestar de diferentes formas — seja por meio de inchaços no corpo, coceiras, manchas, tosse, falta de ar, diarreia e até reações mais sérias que exigem ida imediata ao médico.

A intolerância à lactose, por outro lado, é um distúrbio digestivo relacionado com a baixa ou com a não produção de lactase pelo intestino.

Causas da intolerância à lactose

A intolerância à lactose só se manifesta quando nos alimentamos de leite ou de seus derivados e quando o organismo apresenta deficiência de lactase. Essa deficiência, por sua vez, pode ter três origens diferentes, que separam a intolerância à lactose em três tipos:

  • Primária: resultado do envelhecimento, ou seja, comum em pessoas de idade mais avançada;
  • Secundária: decorrente de alguma doença, cirurgia ou ferimento. Causam a deficiência: doença celíaca, Doença de Crohn, diarreias causadas por gastroenterite viral, giardíase, diabetes mellitus avançada, tratamento por quimioterapia (câncer) e estágio avançado da infecção por HIV (Aids).
  • Congênita: quando a pessoa já nasce com a intolerância.

Sintomas mais comuns

Os primeiros sinais e sintomas de intolerância à lactose começam a aparecer geralmente de 30 minutos a 2 horas após a pessoa ter ingerido alimentos ou bebidas que contenham lactose. Entre os sintomas mais comuns estão:

  • Indigestão;
  • Diarreia;
  • Náuseas e vômitos;
  • Presença de gordura nas fezes;
  • Dores abdominais (alguns quadros podem se agravar para abdômen distendido);
  • Inchaços em diversas partes do corpo;

É importante ressaltar que a intensidade dos sintomas varia de acordo com o caso e com o organismo de cada um, mas eles costumam ser amenos, ainda que provoquem incômodos.

Como sei que tenho intolerância à lactose?

Muitos acreditam que quem tem intolerância à lactose sabe logo de cara por causa dos sintomas. Mas não é bem assim. Por isso, antes de eliminar completamente o leite e seus derivados da dieta, é muito importante procurar um médico para ter certeza de que é este o problema.

A forma mais assertiva de diagnosticar a intolerância ao açúcar natural do leite é por meio da dosagem de lactase na mucosa duodenal, cuja amostrada é colhida durante a endoscopia.

Porém, por se tratar de um exame invasivo e razoavelmente incômodo e desconfortável, é possível medir indiretamente a capacidade do corpo de digerir a lactose, sem precisar de endoscopia.

No teste oral, como é chamado, o paciente ingere uma quantidade específica de lactose, e o profissional que conduz o procedimento mede o nível de glicemia no sangue antes e depois da ingestão.

Aqueles que são capazes de digerir o açúcar do leite, ou seja, quem não tem intolerância à lactose, é esperado que apresente um incremento de 20 mg/dL (unidade de referência na medição de índices glicêmicos).

Alimentos que contém lactose

A lactose é encontrada no leite e em seus derivados. O leite, por sua vez, apresenta níveis maiores de lactose em sua composição, ao passo em que os derivados têm um teor um pouco menor da substância.

Contém lactose

  • Leite de vaca (de todos os tipos);
  • Leite de cabra;
  • Queijo;
  • Sorvetes;
  • Iogurte;
  • Manteiga;

Alimentos que contenham alguma forma laticínios

Os alimentos que têm alguma forma de laticínios como ingrediente também podem apresentar lactose, como é o caso de:

  • Alimentos feitos com um molho leitoso;
  • Bolachas e biscoitos;
  • Chocolate e itens de confeitaria, como os doces e tortas;
  • Pães e assados;
  • Bolos;
  • Cereais do café da manhã;
  • Sopas e molhos instantâneos;
  • Carnes processadas;
  • Refeições prontas;
  • Molhos;
  • Sobremesas e cremes.

Para saber se um alimento contém produtos lácteos, basta checar no rótulo de cada produto.

Tratamento para intolerância à lactose

Ainda não existem tratamentos específicos para curar a intolerância à lactose. Por isso, o “tratamento” consiste basicamente nas modificações dos hábitos alimentares, evitando os produtos lácteos e consumindo alimentos sem lactose.

Também há disponíveis no mercado alguns suplementos de lactase para suprir a deficiência do organismo.

Reposição de cálcio

Um dos grandes problemas e que gera mais preocupação em quem sofre com intolerância à lactose é a reposição dos nutrientes essenciais presentes no leite, principalmente o cálcio.

Cerca de 70% do cálcio obtido pela alimentação vêm do leite e dos seus derivados, então é importante continuar a ingestão de uma certa quantidade de lactose, desde que ela seja tolerada pelo organismo e não provoque reações adversas nem complicações de saúde.

Consumir alimentos ricos em vitamina D também é fundamental, já que ela tem um grande papel na absorção de cálcio. Tomar sol também é uma ótima pedida para aumentar os níveis desta vitamina no nosso organismo.