Icterícia neonatal: o que é, causas e como tratar o amarelão em bebê

12 de setembro de 2018

|

POR Ligia Lotério

A icterícia neonatal é uma condição caracterizada pelo amarelamento da pele, mucosas e/ou olhos de recém-nascidos. O problema ocorre pelo excesso de bilirrubina na corrente sanguínea, que é um pigmento produzido como resultado da deterioração das hemácias, células que transportam oxigênio pelo organismo.

Quem é afetado?

A icterícia neonatal afeta principalmente bebês cujo nascimento ocorreu antes de 38 semanas de gestação, embora haja exceções, fase em que o fígado não está suficientemente desenvolvido para eliminar a bilirrubina excedente do sangue.

Dura quanto tempo?

Geralmente, até 3 semanas, mas há casos que persistem por mais tempo.

Sintomas de icterícia neonatal

 

Bebê com icterícia.

GOLFX/Shutterstock

O principal sintoma de icterícia neonatal é justamente a mudança de coloração na pele, mucosas e branco dos olhos, a qual costuma surgir de dois a quatro dias após o nascimento.

Contudo, nem sempre o amarelão em bebê é tão forte a ponto de ser notado facilmente. Neste caso, um teste simples consiste em pressionar suavemente a testa ou nariz do pequeno: se o local ficou amarelo, pode ser um quadro leve do problema.

Quando buscar um médico?

Embora a maior parte dos hospitais faça testes para analisar se há icterícia neonatal antes de liberar o pequeno para casa, é indicado que os responsáveis contatem um médico se perceberem:

  • Bebê com pele amarelada
  • Bebê com olhos amarelados
  • Apatia ou cansaço excessivo
  • Irritabilidade anormal

Causas

hiperbilirrubinemia neonatal é mais comum do que o problema em adultos devido à imaturidade do fígado em remover o pigmento amarelo do sangue.

Se não for o caso de icterícia fisiológica, o acometimento pode ser fruto de doenças subjacentes, como:

  • Hemorragia
  • Sepse
  • Infecções por vírus ou bactérias
  • Incompatibilidade sanguínea entre mãe e bebê
  • Mau funcionamento do fígado
  • Doença que altera o fluxo de quebra dos glóbulos vermelhos

Fatores de risco

Os grupos com mais chance de ter icterícia são:

  • Bebês prematuros
  • Bebês que sofreram hematomas no parto
  • Bebês com tipo sanguíneo diferente do da mãe
  • Bebês com dificuldade em mamar

Diagnóstico

O diagnóstico de icterícia em recém-nascido geralmente é determinado pela aparência do bebê e pela medição do nível de bilirrubina no sangue. Em alguns casos, pode ser necessário fazer um teste que mede o reflexo de uma luz através da pele.

Complicações

Icterícia neonatal em sua forma severa pode gerar as seguintes complicações, caso não haja tratamento adequado:

Encefalopatia aguda da bilirrubina: condição causada pela presença do pigmento amarelo no cérebro, a qual pode gerar danos significativos como choro estridente, dificuldade de alimentação, febre e apatia.

Kernicterus: ocorre quando a encefalopatia aguda por bilirrubina gera danos permanentes ao cérebro, resultando em movimentos involuntários e/ou perda de audição.

Tratamento de ictericia neonatal

 

Bebê fazendo fototerapia.

Petr Bonek/Shutterstock

A icterícia neonatal costuma ter remissão espontânea em até três semanas, mas há casos mais preocupantes que exigem internação e tratamentos, tais como:

Fototerapia

Visa expor o bebê nu à lâmpada que emite luz azul-esverdeada, a qual altera as moléculas de bilirrubina de forma com que possam ser eliminadas pela urina e pelas fezes.

Imunoglobulina intravenosa

Se o problema for causado por diferenças entre o tipo sanguíneo da mãe e do filho, pode ser necessário submeter o pequeno a uma transfusão intravenosa de imunoglobulina — capaz de reduzir os anticorpos da mãe presentes no sangue do bebê.

Transfusão

Em casos raros, pode ser necessário submeter o recém-nascido com icterícia neonatal a transfusões completas de sangue.

Mudanças alimentares

Aumentar a quantidade de mamadas resulta em mais evacuações, o que ajuda a eliminar o amarelão em bebê. Além disso, se houver problemas de desenvolvimento, o médico pode recomendar suplementos alimentares.

Prevenção

A alimentação adequada é a melhor maneira de evitar icterícia neonatal, ou seja, manter uma boa quantidade de mamadas, além de acompanhamento médico.