Hérnia ventral: o que é, tipos e como evitar

24 de junho de 2019

|

POR Gabriele Amorim

A hérnia ventral consiste em um tecido que atravessa a parede abdominal em consequência de fraqueza ou enfraquecimento. A condição pode ser decorrente de problemas congênitos ou excesso de esforço físico.

Existem diferentes tipos de hérnia ventral, sendo importante o diagnóstico correto para adoção da conduta mais propícia para o caso. A seguir, saiba como identificar e evitar o surgimento da doença:

Quais os tipos de hérnia ventral?

O escape parcial dos órgãos internos do abdômen no caso da hérnia ventral costuma ocorrer na frente do abdômen. Elas podem ser de três tipos:

Hérnia cirúrgica: decorrente de uma incisão cirúrgica prévia;
Hérnia epigástrica: o escape surge na parede abdominal superior, logo abaixo do tórax;
Hérnia de Spiegel: tipo mais raro de hérnia ventral e ocorre no lado da parede abdominal.

Ainda que nem todas as hérnias apresentem sintomas, o tratamento mais frequente da condição envolve a cirurgia para recolocação das estruturas e fechamento do local de abertura, reforçando o tecido que apresentou a fraqueza.

Como saber se tenho hérnia?

O diagnóstico da hérnia ventral normalmente ocorre por meio da associação do exame físico realizado pelo médico e da conversa para identificar os sintomas e histórico médico.

Além disso, o especialista pode solicitar exames complementares que permitam a visualização das estruturas internas, como ultrassonografia abdominal e tomografia computadorizada.

Entre os sintomas que podem indicar a presença de uma hérnia ventral destacam-se uma protuberância na região abdominal, desconforto e dor intensificada, principalmente ao tossir, evacuar ou realizar atividades físicas.

Em situações mais graves os sintomas podem incluir dor intensa, vermelhidão, náusea, vômito, sudorese, constipação e febre alta. Nesses casos, o médico deve ser procurado urgentemente.

Como evitar o aparecimento de hérnia ventral?

A hérnia ventral pode ocorrer por malformações congênitas, enfraquecimento dos tecidos abdominais ou após uma cirurgia prévia na região abdominal. Não se trata de uma doença hereditária, não sendo totalmente possível evitar o aparecimento.

Ainda assim, evitar alguns fatores de risco apresenta-se como uma opção para minimizar as chances de surgimento da condição. Entre eles destacam-se:

  • Levantar objetos pesados
  • Tossir demais
  • Fazer esforço para evacuar
  • Obesidade
  • Cirurgia abdominal prévia
  • Infecção na ferida cirúrgica

Muitas pessoas questionam se as mudanças nos hábitos alimentares podem prevenir a hérnia ventral. De fato, um dos problemas que podem desencadear a doença é o ressecamento intestinal, de forma que se a alimentação for favorável a uma evacuação sem necessidade de esforço ela será benéfica à saúde do paciente.

Como me exercitar sem causar uma hérnia?

Muitas pessoas acreditam que para prevenir uma hérnia ventral é necessário evitar ou minimizar os exercícios físicos. No entanto, o problema também pode ser prevenido ao fortalecer a musculatura adequadamente, de forma que as atividades físicas devem ser feitas.

O indicado é não realizar exercícios excessivos, principalmente acima da capacidade física. O fortalecimento deve ser feito aos poucos e, preferencialmente, com acompanhamento especializado.

Como tratar?

A hérnia ventral deve ser monitorada em casos que não apresentam prejuízos ao paciente. No caso de sintomas incômodos ou risco iminente, deve ser corrigida por meio de cirurgia.

É possível evitar?

Apesar de não ser totalmente possível evitá-la, conhecer os sintomas e procurar ajuda médica especializada são formas de evitar o agravamento da condição.

Fonte

Cirurgião geral prof. dr. Sergio Rol, da Hérnia Care – CRM 44231.