Hérnia inguinal: o que é, sintomas, tratamento, cirurgia e mais

26 de março de 2019

|

POR Manuela Sampaio

Hérnia inguinal acontece quando gordura ou órgãos da cavidade abdominal – como parte do intestino – extravasam de seu lugar normal até uma região subcutânea próxima à virilha. O sintoma principal é o aumento do volume na região, mas podem haver outros se não for devidamente tratada. Saiba tudo sobre hérnia inguinal a seguir.

O que é hérnia inguinal?

Toda herniação é a saída de um órgão ou tecido de sua posição normal para um outro espaço, seja por meio de uma abertura natural ou adquirida.

Hérnia abdominal, por exemplo é todo defeito na parede do abdômen que permite que o conteúdo intracavitário (órgãos e gordura) se insinue embaixo da pele.

Já no caso da hérnia inguinal, tal defeito ocorre na região da virilha e envolve um canal natural do nosso organismo: o canal inguinal – passagem que abriga o cordão espermático nos homens e os ligamentos do útero nas mulheres.

Tipos

Existem dois tipos principais, os quais podem afetar um ou ambos os lados do corpo (hérnia inguinal bilateral):

Indireta

Ocorre por um alargamento do anel inguinal profundo, permitindo que o conteúdo intracavitário se insinue por meio do próprio canal inguinal.

Direta

Já a hérnia inguinal direta ocorre diretamente por uma falha da musculatura da região, levando os órgãos e gordura intra-abdominais a se pronunciarem por meio dela.

Causas

O que causa a hérnia inguinal são basicamente dois fatores: aumento da pressão abdominal ou menor resistência da musculatura.

Ambos estão relacionados a uma série de fatores de risco, que veremos a seguir.

Fatores de risco

Alguns hábitos e características são capazes de enfraquecer a musculatura e/ou aumentar a pressão abdominal, propiciando a formação de hérnias, tais como:

  • Desnutrição
  • Obesidade
  • Tabagismo
  • Tosse crônica
  • Profissões braçais, como aquelas da construção civil ou halterofilistas

Homens também têm mais chances de ter hérnia inguinal em comparação com mulheres.

Sinais e sintomas de hérnia inguinal

As queixas dos pacientes se dão quase sempre em torno do abaulamento na região da virilha, que pode aumentar conforme esforço. Contudo, algumas vezes, há dor no local.

Se surgirem complicações, pode haver inflamação local e parada de evacuação, configurando caso de resolução urgente.

Diagnóstico

O diagnóstico muitas vezes é feito apenas com uma conversa com o paciente, em que ele conta o histórico do acometimento, bem como sintomas, e realiza exame físico.

Quando necessário, pede-se ultrassom de regiões inguinais para auxílio e confirmação do quadro.

Qual profissional procurar?

O profissional habilitado para lidar com essa doença é o cirurgião, podendo ser cirurgião geral ou gastrocirurgião.

Tem cura?

Toda abordagem cirúrgica das hérnias inguinais pode resultar em cura, mas sempre há um percentual de recidiva, ou seja, chance de o problema retornar. Porém, esse risco pode ser minorizado por meio de rigor técnico e mudando alguns hábitos do paciente.

Tratamento

Cirurgia de hérnia inguinal

De acordo com o cirurgião Iuri Tamasauskas, existe uma “máxima” em cirurgia geral de que hérnia diagnosticada é hérnia operada. A explicação é que a cirurgia eletiva é extremamente segura e rápida, frente ao risco que pode haver caso tenha de ser abordada a doença na urgência.

Neste procedimento, o médico faz uma pequena incisão e retorna o tecido que extravasou de volta para a cavidade abdominal. Em seguida, ele reforça a região com sutura e malha cirúrgica para “segurar” a herniação.

A cirurgia de hérnia inguinal também pode ser feita por laparoscopia, técnica que usa cortes mínimos e microcâmeras para realizar a correção e é, portanto, menos invasiva.

Medicamentos

Como a hérnia inguinal costuma ser tratada com cirurgia, as medicações entram como coadjuvantes para lidar melhor com possíveis sintomas, como dor e inflamação.

Funda para hérnia inguinal vale a pena?

Homem usando funda para hérnia inguinal.
Yunava1/Shutterstock

Um suporte, como a cinta funda, pode ajudar a lidar com desconforto causado pela hérnia inguinal, mas apenas a cirurgia poderá corrigir o problema de forma definitiva.

Prognóstico

Após a cirurgia, as chances de volta da hérnia inguinal são baixas, desde que haja correção de hábitos e características que predispõem a herniação.

Complicações

Pressão em tecidos próximos

A hérnia na virilha pode aumentar de tamanho com o tempo e, se não corrigida, atingir áreas próximas, como o saco escrotal. Em consequência, haverá dor e inchaço.

Hérnia encarcerada

Em alguns casos, o conteúdo da porção do intestino que está herniada pode ficar preso e gerar um bloqueio no órgão. Em consequência, o movimento intestinal natural não acontecerá e surgirão dor, náusea e vômito.

Estrangulamento

A hérnia inguinal encarcerada pode evoluir com a perda da irrigação sanguínea e, então, morte tecidual de parte do órgão. Essa complicação oferece risco de vida e pede cirurgia imediata.

Prevenção

A prevenção se dá por meio de cuidados que impeçam o aumento da pressão intra-abdominal, como levantamento de peso, assim como a perda da resistência muscular.

Dessa forma, recomendam-se bons hábitos, como alimentação adequada, combate ao sedentarismo, não fumar e combater a obesidade.

Fontes

Iuri Tamasauskas – Cirurgião Geral do Centro Médico Consulta Aqui – CRM 119741

Rafael Cauê Katayama – Cirurgião do Centro Médico Consulta Aqui – CRM 133873