Ginecomastia: o que causa e como tratar o aumento da mama em homens?

16 de janeiro de 2019

|

POR Mariana Amorim

A ginecomastia é caracterizada pelo crescimento anormal de mamas em homens. Trata-se de uma condição mais comum do que se imagina, já que afeta 30% a 40% de toda população masculina, segundo o cirurgião plástico Wendell Uguetto, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

O especialista complementa que a incidência da ginecomastia pode chegar a 65% em adolescentes e 50% em idosos.

A seguir, saiba as causas da condição e como tratá-la.

O que é ginecomastia?

Ginecomastia acontece quando há aumento nas glândulas mamárias masculinas, as quais só deveriam apresentar uma fina camada de gordura.

A condição pode acontecer em uma ou ambas as mamas.

Causas

A ginecomastia é fruto de um desequilíbrio hormonal no organismo masculino que acontece devido ao aumento anormal de estrógeno, considerado um hormônio predominantemente feminino.

Embora o crescimento não cause problemas sérios de saúde, como câncer de mama, pode resultar em déficit na autoestima dos homens.

Causas fisiológicas

A ginecomastia fisiológica pode aparecer em três períodos da vida do homem:

  • Após o nascimento
  • Na adolescência
  • Na andropausa (após 55 anos)

Na primeira e segunda fase, há grande movimentação hormonal, a qual eleva a chance de a ginecomastia aparecer. Já no caso da andropausa, após os 55 anos, a explicação se dá pelos testículos sintetizarem menos hormônios masculinos e darem espaço para os femininos.

Além disso, há um componente genético que predispõe o surgimento da condição.

Causas patológicas

A ginecomastia também pode ser consequência de algumas doenças, como tumores testiculares, de pulmão e fígado. As causas não tumorais incluem gordura no fígado (esteatose hepática), hipertireoidismo e hipogonadismo.

Além disso, alguns antibióticos e inúmeros medicamentos para tratar hipertensão e gastrite podem afetar o crescimento das mamas em homens, além de anabolizantes e suplementos para alcançar hipertrofia muscular.

Causa idiopática

Cerca de 90% dos casos de ginecomastia são de causa idiopática, ou seja, não têm evidências do que realmente causou a doença.

Falsa ginecomastia

Lipomastia, pseudoginecomastia ou “falsa ginecomastia”, não acontece por desordem hormonal, mas por causa de sobrepeso. Neste caso, não existem glândulas mamárias junto à gordura e, por isso, medicamentos hormonais não são indicados para o tratamento.

Fatores de risco

  • Uso de medicamentos anabolizantes
  • Fator genético
  • Doenças como esteatose hepática, hipertireoidismo e hipogonadismo.
  • Tumores

 Sinais e sintomas

Homem com mama aumentada.
PRASAN MAKSAEN/Shutterstock

Inicialmente pode aparecer como um nódulo endurecido e pequeno na mama que, gradativamente, vai crescendo. Nesta fase é possível que o indivíduo sinta desconforto ao tocar no local.

Após, em média, um mês dos primeiros sintomas, a dor tende a diminuir e a mama passa a crescer ao decorrer de alguns meses.

Diagnóstico

O diagnóstico é obtido por meio de exame clínico. No entanto, exames de imagem, como a mamografia e ultrassonografia de mamas, podem ser úteis para uma análise mais precisa.

Qual profissional procurar?

Mastologista, endocrinologista ou cirurgião plástico.

Complicações

O desenvolvimento de mama nos homens não tem consequências severas para a saúde, porém quase sempre resulta em prejuízo à autoestima que, por sua vez, pode ser o estopim para casos de ansiedade e depressão.

As alterações psicológicas podem ser desencadeadas por bullying, inibição ao praticar esportes ou frequentar a praia e vergonha em mostrar o corpo durante relações sexuais.

Tem cura?

A ginecomastia pode ser passageira, já que na puberdade ela é normalmente transitória, e também pode ser corrigida por meio do tratamento adequado.

Tratamentos

Remédios

O tratamento medicamentoso é indicado quando a hipertrofia mamária causa dor incapacitante, em casos de desordem hormonal e, principalmente, quando há problemas psicológicos envolvidos com a condição.

É importante que o tratamento seja iniciado rapidamente, pois se passado mais de um ano e meio do início dos sintomas a resposta aos medicamentos pode ser baixa e a cirurgia será a única opção.

Tamoxifeno

O tamoxifeno é um antiestrogênico que tem bons resultados no tratamento da ginecomastia, principalmente em fases iniciais. “Alguns estudos mostram ótimos resultados com essa droga, principalmente durante a puberdade e até 78% em outras faixas etárias”, diz Wendell Uguetto.

Cirurgia de ginecomastia

A cirurgia é considerada em casos de 12 a 18 meses de progressão e que não tiveram resultados satisfatórios apenas com medicamentos.

Além disso, o tratamento cirúrgico só deve ser indicado após a resolução de outros aspectos importantes, como perda de peso – caso haja necessidade –, tratamento de tumores e suspensão de certos medicamentos.

Como é feita?

A cirurgia pode ser realizada com anestesia local e sedação ou anestesia geral. Ela tem duração média de 1 a 3 horas, de acordo com a complexidade do caso.

Quando o volume mamário é de natureza gordurosa, é comum que seja realizada apenas uma lipoaspiração tradicional ou a laser.

Já o tratamento da ginecomastia proveniente de glândulas dependerá do grau de hipertrofia e de pele presente. Na maioria dos casos é feita lipoaspiração juntamente com retirada das glândulas por corte feito na parte de baixo da aréola.

Uma vez feita a cirurgia de ginecomastia, é improvável que o problema volte a acontecer.

Fontes

Cirurgião Plástico Wendell Uguetto, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e parte do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein / CRM 112.145

NHS. What is gynaecomastia? Disponível em: www.nhs.uk/common-health-questions/mens-health/what-is-gynaecomastia