Fibromialgia: doença provoca dor crônica e é difícil de identificar

29 de novembro de 2017

|

POR Bruno Botelho dos Santos

A fibromialgia é uma doença cujos sintomas se confundem facilmente com os de diversos problemas de saúde, o que  torna o diagnóstico bem difícil logo de início. Por isso, não é raro ver pessoas que sofrem da doença e não sabem disso.

Mas apesar de ser umas das síndromes reumatológicas mais frequentes, muita gente não sabe ao certo o que é fibromialgia, quais as suas causas, principais sintomas e possíveis tratamentos.

O que é fibromialgia?

A fibromialgia é uma doença reumatológica crônica que provoca dores em diversas partes do corpo e por longos períodos de tempo. Geralmente, o problema também leva à sensibilidade nas articulações, dores musculares e está associado a outras complicações de saúde, como depressão e distúrbios do sono.

Sintomas mais comuns

Geralmente, a doença se manifesta por meio de alguns sintomas bastante comuns e que, por isso mesmo, são difíceis de serem diretamente relacionados à fibromialgia. Eles são:

  • Dor generalizada;
  • Cansaço (fadiga);
  • Distúrbios do sono, como insônia;
  • Problemas (déficit) de memória;
  • Ansiedade;
  • Sintomas de depressão;

O que causa a fibromialgia?

As possíveis causas da fibromialgia ainda não são totalmente conhecidas, mas a medicina já conhece alguns fatores que podem facilitar o surgimento da doença. Veja quais são:

  • Fator genético: a fibromialgia é bem comum em membros de uma mesma família, o que sugere que possam existir mutações genéticas capazes de causar a síndrome;
  • Gênero: mulheres têm de 8 a 10 vezes mais chances de desenvolver a doença;
  • Doenças autoimunes, além de algumas infecções por vírus;
  • Acidentes ou traumas psicológicos;
  • Distúrbios do sono;
  • Sedentarismo;
  • Ansiedade;
  • Depressão;
  • Outras doenças reumáticas

Possíveis tratamentos

Assim como não existe uma causa específica para a fibromialgia, também não existe um tratamento específico. Por ser uma doença crônica, os tratamentos consistem basicamente em minimizar os sintomas, auxiliando na saúde geral do corpo. As formas de tratamento podem ser por meio de medicamentos ou de terapias alternativas.

Medicamentos

  • Analgésicos: aliviam as dores provocadas pela doença;
  • Relaxantes musculares: reduzem a tensão muscular, ajudando a aliviar o desconforto muscular e a dor;
  • Anti-inflamatórios não esteroides: aliviam a dor, diminuem a inflamação e reduzem a febre;
  • Antidepressivos: quando for extremamente necessário e não houver outra solução, podem ser prescritos antidepressivos para aliviar dores físicas que têm como ponto de partida um transtorno psicológico, como a depressão. Entretanto, geralmente são administradas doses inferiores à indicada para tratar a depressão em si;
  • Tratamento para dor neuropática: a dor neuropática é consequência de lesões nos nervos, geralmente no cérebro ou na medula.

Acupuntura

A acupuntura é uma terapia que consiste na aplicação de agulhas em pontos específicos do corpo para tratar doenças e para promover saúde. Ela trabalha bastante a energia corporal, ajudando a reduzir a dor.

Um estudo publicado pela Agência USP de Notícias mostrou que um tratamento complementar de acupuntura a cada três meses, aliado a outras modalidades terapêuticas, tem potencial para melhorar a saúde de pacientes com fibromialgia.

Outros métodos de tratamento para fibromialgia

  • Massagens: ajudam a melhorar a circulação sanguínea e a oxigenação celular e tecidual, reduzindo as dores e relaxando a musculatura do corpo;
  • Terapia cognitivo-comportamental: é uma psicoterapia que ajuda a reduzir os danos provocados por distúrbios ou traumas psicológicos que eventualmente possam ter desencadeado a doença;
  • Grupos de apoio: encontrar-se com outras pessoas que sofrem do mesmo problema que você ajuda a trocar experiências e dicas para aliviar os sintomas;
  • Hidroterapia: é um tipo de terapia que consiste no uso de água para aliviar as dores. Ela também ajuda a memória, o humor, o equilíbrio, a disposição física e mental e fortalece até mesmo o sistema imunológico;
  • Tratamento quiroprático: é essencial para o ajuste da coluna vertebral quando a reparação é necessária. Ele restaura a mecânica de movimentação do corpo e alivia as dores na região das costas;
  • Alongamento: melhora a flexibilidade do corpo e a condição física do paciente como um todo;
  • Prática de exercícios físicos: melhoram a saúde cardiovascular e melhoram a sensação de bem-estar.

Tratamento psicológico

Mitas vezes a fibromialgia é tratada como se fosse uma doença psicológica, mas isso não é verdade.

A associação com o fator psicológico aparece somente quando há a piora no quadro, e isso é ainda mais preocupante quando levamos em conta que cerca de 25 a 50% das pessoas diagnosticadas com a síndrome sofrem também de distúrbios psiquiátricos.

Este cenário ajuda em nada no tratamento da doença — pelo contrário, dificulta ainda mais. Isso porque, apesar da dor ser um sintoma físico, ela também pode ser bem subjetivo, porque afeta as pessoas de maneiras diferentes — e o psicológico influencia diretamente na percepção que um paciente tem de uma dor, principalmente quando é crônica.

Um estudo feito em 2008, na França, apresentou evidências que comprovam que a fibromialgia é, sim, uma doença física e não uma síndrome invisível. Essa comprovação foi obtida após pesquisadores terem analisado o cérebro de 20 mulheres que sofriam da doença.

Foi constatado que elas apresentavam um fluxo maior de sangue nas regiões em que afirmavam sentir dores, e conforme faziam o tratamento que alivia os sintomas, observou-se que o fluxo de sangue diminuía.

Dor crônica

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que em média 30% da população mundial apresenta dores crônicas. Aqui no Brasil, isso equivaleria a 60 milhões de pessoas. Segundo a Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED), por volta de 50% dos que sofrem deste tipo de problema apresentam têm a rotina comprometida de alguma forma, como dificuldades no trabalho ou até mesmo na realização de tarefas simples do dia a dia.

Casos famosos de fibromialgia

Um dos casos mais famosos de celebridades que sofrem da doença é o de Lady Gaga, cantora pop norte-americana que revelou o diagnóstico de fibromialgia no documentário Gaga: Five Foot Two (Netflix, 2017). A artista, inclusive, teve que cancelar sua participação no Rock in Rio 2017 por causa das dores.

Além dela, a atriz brasileira Dani Valente, que obteve destaque no seriado brasileiro Confissões de Adolescente e na quarta temporada do seriado Malhação, também foi diagnosticada com o transtorno.

Em entrevistas, ela já afirmou sentir dores pelo corpo todo, uma sensação de cansaço muito forte e sintomas de depressão também.

A cantora Sinead O’Connor, famosa pela canção Nothing Compares 2 U, também sofre de fibromialgia. Ela inclusive teve que dar uma pausa na carreira há algum tempo.

Por fim, o ator Morgan Freeman também já admitiu publicamente ter sido diagnosticado com a doença. Ele sofreu um acidente de carro em 2008, em que teve o braço esmagado e parte dos nervos destruídos, e desde então passou a sentir dores muito fortes no braço afetado.