DTM: sintomas e tratamentos do problema na articulação da mandíbula

25 de fevereiro de 2019

|

POR Bruno Botelho dos Santos

Disfunção temporomandibular e dor orofacial, conhecida pela sigla DTM, é um problema que afeta a mandíbula e pode causar dor de cabeça, dificuldades de mastigação e até mesmo dor de ouvido.

O que é DTM e qual sua relação com ATM?

desenho de uma mandíbula
Comaniciu Dan/Shutterstock

A sigla ATM significa “articulação temporomandibular”. Ela é uma das articulações mais complexas do corpo humano, responsável por ligar a mandíbula ao osso temporal do crânio, que fica nas laterais da cabeça.

Por ser flexível, essa articulação permite mover a mandíbula para frente, para trás e para os lados. Mais do que isso, é por meio da sua movimentação que é possível falar e mastigar.

Já disfunção temporomandibular (DTM) é o nome dado a problemas na ATM, ou seja, alterações musculoesqueléticas e neuromusculares que envolvem tanto a articulação temporomandibular quanto os músculos mastigatórios e os demais tecidos associados.

O cirurgião-dentista Elias Roberto Nemi explica que as DTMs são a segunda queixa mais comum em consultórios odontológicos, atrás somente das dores de origem dentária ou periodontal. As disfunções podem gerar dor e alterações nos movimentos da mandíbula.

Como se caracterizam as DTMs?

As DTMs podem se caracterizar por disfunções musculares, articulares ou mistas. Veja cada um dos tipos:

Disfunções musculares

Esse tipo de disfunção acontece quando a musculatura do sistema mastigatório sofre excesso de tensão. Os tipos mais comuns são:

  • Mialgia local: nada mais é que dor muscular;
  • Dor miofascial com referência: mialgia associada à referência de dor além da região do músculo mastigatório palpado (orelhas, dentes e olhos, por exemplo);
  • Dor miofascial com espalhamento: se espalha além da localização da palpação, porém é limitada ao músculo mastigatório que é examinado. Pode estar relacionada a alteração dos movimentos da mandíbula.

Disfunções articulares

A disfunção articular pode acontecer tanto por sobrecarga da articulação quanto por traumas ou doenças degenerativas.

  • Deslocamento de disco com redução: quando se escuta algum estalo no movimento mandibular, principalmente o de abertura;
  • Deslocamento de disco sem redução: com limitação do movimento de abertura;
  • Processos degenerativos da articulação: como a osteoartrose e
    artrite reumatoide.

Disfunções mistas

Como diz o nome, as disfunções mistas se caracterizam como uma combinação de articular e muscular.

Incidência

As DTMS podem atingir desde pessoas com 18 anos até os com mais de 65 anos. Nas faixas etárias mais jovens, é mais comum manifestar estalidos e dor.

Já nas faixas etárias maiores, há maior incidência de crepitações – estalido provocado por ossos fraturados –, característicos de doenças degenerativas.

Portanto, existem diversas manifestações que caracterizam as DTMs. Cada caso vai exigir um tratamento, que só pode ser viabilizado após avaliação de um profissional.

Causas

A DTM pode ocorrer se o disco que absorve impacto sair do alinhamento correto, se a cartilagem mandibular estiver desgastada, se houver golpes, impactos ou tensão prolongada

Sinais e sintomas de DTM

mulher com dor na mandíbula (DTM)
BlurryMe/Shutterstock

Os sintomas mais frequentemente relatados pelos pacientes são:

  • Dores ou sensibilidade no rosto, na ATM e/ou músculos mastigatórios
  • Dores de cabeça e nas orelhas
  • Dificuldade ou dor ao mastigar
  • Bloqueio da articulação, que dificulta a abertura ou o fechamento da boca
  • Zumbido no ouvido
  • Plenitude auricular (sensação de ouvido cheio)
  • Vertigem

Quanto aos sinais, primariamente há sensibilidade da musculatura e da ATM à palpação, limitação e/ou incoordenação de movimentos mandibulares e ruídos articulares.

Diagnóstico

DTM pode ser difícil de diagnosticar, já que não existem testes padronizados para tal.

Caso existam sintomas característicos, será realizado exame físico para verificar dor à palpação dos músculos responsáveis pela mastigação, desvios na mandíbula ao abrir e fechar a boca, estalos ao movimentar a mandíbula, alterações nos dentes ou na mordida.

Outros exames adicionais também podem ser pedidos, como:

  • Raios-X odontológicos: para examinar dentes e mandíbula;
  • Tomografia computadorizada: para fornecer imagens detalhadas dos ossos na articulação;
  • Ressonância magnética: para revelar problemas com o disco da articulação ou tecido mole circundante;
  • Artroscopia da ATM: o médico insere um pequeno tubo fino no espaço da articulação e uma pequena câmera (artroscópio) para visualizar a área.

Qual profissional procurar?

Para o diagnóstico de disfunções temporomandibulares é possível se consultar com:

  • Cirurgião-dentista
  • Cirurgião buco-maxilar
  • Cirurgião crânio-maxilo-facial.

Tem cura?

As chances de cura para a DTM variam com sua causa.

Com tratamento adequado é possível reduzir ou até eliminar os sintomas, porém há casos nos quais as manifestações desaparecem sozinhas.

Tratamentos para DTM

“Existem diferentes tipos de disfunção da ATM e, por isso, cada DTM pode precisar de um tipo de tratamento. Não existe uma receita de bolo”, ressalta o cirurgião-dentista.

Em alguns casos, os sintomas dos distúrbios da ATM podem desaparecer sem tratamento. Se os sintomas persistirem, o médico poderá recomendar uma variedade de opções de tratamento, muitas vezes mais do que uma ao mesmo tempo.

Medicamentos

As medicações podem ajudar a aliviar a dor associada à DTM. Vale lembrar que só se pode tomar remédios com prescrição médica.

  • Analgésicos e anti-inflamatórios;
  • Antidepressivos tricíclicos: usados ​​principalmente para a depressão, mas, em doses baixas, podem ser usados ​​para alívio da dor, controle do bruxismo e da insônia;
  • Relaxantes musculares: para aliviar dor e espasmos musculares.

Terapias

Terapias e métodos não medicamentosos podem ser muito úteis, como é o caso da fisioterapia, que engloba exercícios para alongar e fortalecer os músculos da mandíbula.

Também é possível fazer terapia de aconselhamento, para reeducação de hábitos e comportamentos que podem piorar a dor, e até mesmo psicoterapia, para aliviar tensões que levam a apertar ou ranger dentes.

Procedimentos cirúrgicos

Quando outros métodos não ajudam, seu médico pode sugerir procedimentos como:

Artrocentese

Procedimento minimamente invasivo que envolve a inserção de pequenas agulhas na articulação para que fluidos possam ser irrigados, removendo assim detritos e subprodutos inflamatórios.

Corticosteroides e botox

Em algumas pessoas, injeções de corticosteroides na articulação podem ser úteis. Também há casos de injeção de toxina botulínica (botox) nos músculos da mandíbula usados ​​para mastigar.

Artroscopia

O médico insere um pequeno tubo fino no espaço da articulação e uma pequena câmera (artroscópio) para visualizar a área e aliviar pontos de pressão.

Condilotomia modificada

Aborda a ATM indiretamente, com cirurgia na mandíbula, mas não na própria articulação.

Cirurgia de articulação aberta

Se a dor no maxilar não se resolver com tratamentos conservadores e parecer ser causada por um problema estrutural, o médico pode sugerir cirurgia para reparar ou substituir a articulação. Ela apresenta mais riscos do que outros procedimentos e deve ser considerada com cuidado.

Como conviver com o problema?

Para conseguir conviver com DTM é importante ter consciência de que alguns hábitos são maléficos e, portanto, devem ser evitados. Veja dicas para reduzir seus sintomas:

  • Evite o uso excessivo dos músculos da mandíbula. Por isso, coma alimentos moles e corte-os em pequenos pedaços. Além de evitar alimentos pegajosos, como chiclete;
  • Aplique compressas quentes ou frias para ajudar a aliviar a dor;
  • Evite apertar a mandíbula, ranger os dentes ou mastigar lápis e canetas;
  • Alongamento e massagem: o especialista pode recomendar exercícios para estender e fortalecer os músculos da mandíbula, assim como para massageá-los;
  • Acupuntura: pode-se tratar a dor crônica com agulhas finas em locais específicos do corpo;
  • Técnicas de relaxamento: respirar profundamente pode relaxar os músculos tensos e reduzir a dor.

Prevenção

Para a prevenção da disfunção temporomandibular são necessários alguns hábitos:

Evite estresse

Assim ocorre menor tensão muscular e, então, redução dos sintomas e do desgaste na articulação.

Menos esforço

Não sobrecarregue ou faça esforço intenso na mandíbula, como mastigar alimentos duros ou apoiá-la com as mãos.

Postura correta

Com a coluna ereta é possível evitar sobrecarga na articulação por causa da má postura.

Fontes

Cirurgião-dentista Elias Roberto de Andrade Nemi, do Elias Nemi: Estética & Prótese oral – CRO 29268

Mayo Clinic. TMJ disorders. Disponível em: www.mayoclinic.org/diseases-conditions/tmj/symptoms-causes/syc-20350941

NHS. Temporomandibular disorder (TMD). Disponível em: www.nhs.uk/conditions/temporomandibular-disorder-tmd