Dormir pouco faz mal e pode prejudicar o coração

04 de março de 2014

|

POR Redação

Com a correria e o estresse do dia a dia, os momentos de descanso são cada vez mais escassos. E, de acordo com especialistas,  as poucas horas de sono podem afetar não só a saúde mental e emocional da pessoa, mas também pode fazer mal ao coração.

Sim, dormir pouco faz mal e pode deixar você doente. É o que afirma a pneumologista Thaís Bittencourt, do Serviço de Medicina do Sono do Hospital do Coração (HCor).

“Para que um indivíduo viva de maneira saudável é preciso que ele tenha, no mínimo, de seis a oito horas de soneca por dia”, garante a especialista.

“Dormir menos que isso pode ocasionar prejuízo cardiovascular com o passar do tempo. Isso favorece o surgimento de doenças como a hipertensão, diabetes e obesidade, além de aumentar o risco de infartos e acidentes vasculares cerebrais (AVC)”.

Por que dormir pouco faz mal?

Bittencourt explica que o sono é um período importante para recarregar as baterias do organismo, além de ser vital para os processos fisiológicos do corpo. Uma boa soneca pode, inclusive, ajudar na produção de anticorpos, que fortalecem nosso sistema imunológico.

“Quando dormimos, há um momento de repouso do nosso sistema cardiovascular, no qual tanto a frequência cardíaca quanto a pressão arterial são reduzidas”, explica ela.

“Esse processo é muito importante para a saúde do coração. Por essa razão é que diversos estudos mostraram que a privação de descanso aumenta o risco de hipertensão arterial”, completa.

Outro malefício causado pela falta de descanso está relacionado à regulação do apetite. Segundo a especialista, a redução no tempo de sono, devido a fatores hormonais e gasto de energia menor, também contribui para o ganho de peso.

Apesar de sua importância para o restabelecimento do corpo, o sono em quantidade adequada pode não ser suficiente para algumas pessoas começarem o dia mais ligadas e descansadas.

Elas podem sofrer de apneia obstrutiva do sono, um transtorno comum, que tem ligação com o ronco. A relação entre esse distúrbio e a privação de repouso pode ser perigosa, já que ambas são sinais de maiores riscos cardiovasculares.

“Por isso, pessoas que têm ou já tiveram algum tipo de doença cardíaca como hipertensão, infarto ou AVC precisam redobrar a atenção com doenças relacionadas ao sono e procurar tratamento o quanto antes”, afirma.

“Vale lembrar que dormir bem é imprescindível para que todos tenha um dia repleto de saúde, maior capacidade de concentração e, inclusive, menor risco de acidentes no trânsito”, acrescenta a pneumologista do HCor.

Embora existam pesquisas que dizem ser improvável a reposição do sono perdido, a pneumologista afirma ser, sim, possível. Para ela, uma dica é estabelecer uma meta e procurar aumentar o tempo de soneca aos poucos, de 15 a 30 minutos por noite, a cada semana.

Dessa forma o problema pode ser combatido e, gradualmente, a saúde e a disposição recuperadas.

“Resgatar o tempo de sono perdido é fundamental, pois se deixarmos de dormir apenas duas horas por dia, durante um período prolongado de tempo, podemos desenvolver problemas crônicos de saúde e, dependendo do caso, por em risco o coração”, alerta ela.