Dor no pé da barriga: o que pode ser o sintoma e quando se preocupar?

27 de fevereiro de 2019

|

POR Manuela Sampaio

Queixa muito comum, a dor no “pé da barriga” está relacionada ao incômodo sentido na parte inferior do abdômen. Ela pode ser causada por diferentes doenças e acometimentos, alguns são simples de tratar, como a cistite, já outros, como a gravidez ectópica, oferecem até risco de vida.

A seguir, entenda o que pode estar por trás do incômodo.

O que pode ser dor no pé da barriga?

Cólicas menstruais

Cólicas podem causar dor no pé da barriga e estão relacionadas com uma substância inflamatória que é liberada na descamação do endométrio (parte interna do útero), que resulta na menstruação.

O médico ginecologista deve avaliar se a cólica é fruto do ciclo menstrual normal ou se está ligada a outras patologias que causam dor, como endometriose e doença inflamatória pélvica.

Cistos nos ovários e ovulação

A dor da ovulação ocorre devido à pequena quantidade de sangue que flui em direção à cavidade pélvica no momento da liberação do óvulo. Cistos volumosos também podem gerar dor pélvica.

Infecções e doença inflamatória pélvica

Infecções urinárias e doença inflamatória pélvica são processos inflamatórios que liberam substâncias que causam dor, espasmos e cólicas.

Endometriose

A endometriose, doença em que o endométrio cresce fora do útero, pode gerar forte dor na parte baixa da barriga.

Apendicite

A apendicite é uma infecção do apêndice cecal, uma pequena extensão do intestino, que pode causar dor na pé da barriga.

Diverticulite

Outra doença que gera dor na região é a diverticulite. Trata-se da infecção dos divertículos, ou seja, pequenas bolsas localizadas no intestino grosso.

Enterites infecciosas

As enterites são infecções virais ou bacterianas do intestino que causam dor na barriga. Muitos a conhecem como intoxicação alimentar e ela pode, de fato, ser evitada com a adequada higiene dos alimentos.

Pedras nos rins

A formação de cálculos renais pode gerar fortes cólicas sentidas, inclusive, na parte baixa da barriga, mas também nas costas e nos flancos

Pode ser gravidez?

No início da gestação é comum haver dor no pé da barriga fraca e passageira, que geralmente é aliviada com uso de analgésicos.

Já no final da gravidez, a dor pélvica pode ficar mais intensa devido ao aumento do útero e à compressão de órgãos adjacentes, como a bexiga e o intestino.

Dores musculares também podem surgir devido à distensão dos músculos do abdômen e quando se tem as contrações preparatórias de Braxton Hicks, que surgem a partir de 32 semanas.

Gravidez nas trompas

A gravidez ectópica, que ocorre principalmente quando o óvulo fecundado implanta-se nas trompas, gera forte dor no baixo ventre pelo crescimento do feto em local inadequado.

Sintomas associados

Os sintomas associados são variados, já que há diferentes causas por trás do desconforto.

Em casos de bactérias ou fungos na região íntima pode haver associação entre dor no pé da barriga e corrimento, por exemplo.

Dor no pé da barriga e nas costas pode ser um indicativo de cólica causada por cálculos renais. Já a dor no pé da barriga do lado esquerdo pode estar associada à ovulação.

Quando se preocupar?

Em casos de dor forte e que não melhora com analgésicos, sintomas de hipotensão, sudorese ou pele fria, deve-se buscar ajuda médica imediata.

O gastroenterologista ressalta que toda dor deve ser investigada, principalmente quando associada a queda do estado geral, febre e/ou falta de resposta com analgesia simples.

Tratamentos e como aliviar a dor

Os tratamentos variam de acordo com as causas.

Em muitos casos, pode envolver o uso de antibióticos (caso haja infecções, como enterite), contraceptivos e até cirurgias (na gravidez ectópica e na apendicite, por exemplo).

Via de regra, analgésicos podem aliviar as dores. Além disso, compressas quentes e até exercícios físicos podem ser necessários

Possíveis complicações

As complicações referem-se também a cada uma das doenças que podem estar por trás dos sintomas.

Vale destacar a gravidez ectópica, que pode resultar em hemorragia e risco de vida. Já a diverticulite pode causar perfurações intestinais e disseminar infecções pelo corpo, enquanto a apendicite tem risco de rompimento do órgão.

Prevenção

Consultar-se com frequência com médicos a fim de manter os sistemas ginecológico e gastrointestinal saudáveis é uma ótima maneira de prevenir a dor no pé da barriga. Além disso, manter uma alimentação saudável e praticar exercícios físicos é fundamental para evitar o incômodo ou tratá-lo o quanto antes.

Fontes

Gastroenterologista Rafael Cauê Katayama, do Centro Médico Consulta Aqui. CRM 133873/SP

Ginecologista e obstetra Maria Elisa Noriler. CRM 99557/SP