Dianabol: como age e efeitos colaterais do anabolizante

Atualizado em 01 de outubro de 2019

|

Metandienona, conhecida pelo nome comercial de Dianabol, é uma das substâncias anabolizantes mais populares e utilizadas no mundo todo. Apesar de ter sido inicialmente criada com finalidades terapêuticas, atualmente se tornou um meio para ganhar massa muscular rapidamente.

Seu uso, no entanto, é contraindicado para finalidades estéticas por órgãos de saúde e, no caso das competições esportivas, a detecção de sua presença no organismo é fator determinante de doping.

Apesar disso, ela ainda é comercializada de forma ilegal e seu uso, principalmente se feito de forma indiscriminada, pode trazer sérios prejuízos à saúde.

O que é Dianabol

Dianabol, também conhecido pelos nomes metandrostenolona e metandienona, é uma droga desenvolvida em 1956 pela farmacêutica Ciba. Trata-se de um Esteroide Anabólico Androgênico (EAA), popularmente conhecido como anabolizante, que é derivado sintético ou natural do hormônio sexual masculino testosterona.

Os EAA são utilizados pela Medicina há décadas com finalidades terapêuticas relacionadas à deficiência do metabolismo proteico e a quadros de hipogonadismo (produção de hormônio sexual insuficiente em homens). O Dianabol, no entanto, é atualmente pouco utilizado com finalidades terapêuticas.

Uso estético ou esportivo

Após sua criação, a metandrostenolona rapidamente teve seu uso popularizado entre atletas, em uma época na qual exames antidoping eram raros.

“Em 1964, nas Olimpíadas de Tóquio, os EAA foram largamente utilizados em diversas modalidades. Durante a competição “Mister America”, em 1972, John Grimek estimou que 99% dos atletas estreantes fizeram ou faziam uso de esteroides”, descreve estudo publicado na Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas.

Atualmente, o Conselho Federal de Medicina e o Ministério da Saúde consideram proibido o uso dos EAA para fins estéticos ou desportivos, assim como diversos órgãos mundiais de saúde e desportivos.

Ação no corpo

No organismo, os EAA “imitam” a testosterona, causando tanto efeitos androgênicos – relacionados à manifestação de características típicas do sexo masculino, como pelos no corpo e voz grossa – quanto anabólicos – marcados pela otimização na síntese de proteína e na recuperação celular, bem como pelo ganho de massa muscular.

Venda de Dianabol

A Anvisa permite a venda apenas sob controle especial, ou seja, com prescrição médica e retenção da receita. A venda só é legal, portanto, em farmácias. A compra pela internet ou lojas de suplementos é ilegal.

Efeitos colaterais

No homem, os principais efeitos adversos de dianabol são:

  • Atrofia do tecido testicular e, consequentemente, infertilidade e impotência;
  • Tumores de próstata;
  • Ginecomastia (aumento das mamas);
  • Dificuldade ou dor para urinar e hipertrofia prostática.

Na mulher, pode haver:

  • Masculinização;
  • Voz grossa;
  • Crescimento de pelos no corpo;
  • Irregularidade menstrual;
  • Aumento do clitóris.

Em ambos:

  • Acne
  • Calvície
  • Aumento do LDL (colesterol “ruim”)
  • Diminuição do HDL (colesterol “bom”)
  • Aumento da libido
  • Tumores e lesões no fígado
  • Alterações na coagulação
  • Trombose
  • Aumento da pressão arterial
  • Dependência da droga

Contraindicação

A metandienona é especialmente contraindicada caso haja doença hepática, cânceres dependentes de hormônio, como o de mama e o de próstata, distúrbios de coagulação, hipertensão arterial, dislipidemias (como colesterol alto) e doença renal, pulmonar ou cardíaca.

 

Fontes

CUNHA, Tatiana Sousa Cunha et al. Esteróides anabólicos androgênicos e sua relação com a prática desportiva. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas

Conselho Federal de Medicina. Medicamentos e Suplementos nos Exercícios e Esportes, Disponível em: http://portal.cfm.org.br/images/PDF/medicina_esporte.pdf