Conheça o ciclo do vírus da gripe

Atualizado em 20 de outubro de 2017

|

Basta chegar o inverno que fica fácil observar muitas pessoas gripadas. Por ser uma doença corriqueira nas regiões do Brasil que esfriam entre junho e setembro, a gripe é muitas vezes confundida com enfermidades semelhantes e menos sérias, e geralmente não recebe a atenção necessária.

Gripe ou resfriado?

Antes de tudo, é preciso entender que gripe e resfriado não são a mesma coisa. Ambas são infecções virais respiratórias, mas causadas por vírus diferentes. Enquanto o resfriado é comumente associado à família do rinovírus, a gripe se deve exclusivamente ao vírus Influenza e suas variações.

Existem três tipos de Influenza: C, B e A. O tipo A é dividido em diversos outros subtipos e é também o mais temido, pois no grupo A encontra-se, por exemplo, o H1N1, causador da gripe suína.

Resfriado e gripe podem até ter sintomas parecidos, como uma febre de início, mas enquanto uma dessas doenças é bem mais branda, a outra é extremamente intensa.

Sintomas da gripe

Após a infecção, os sintomas demoram alguns dias para aparecerem. A febre gripal é mais alta e de maior duração – acima dos 38° -, acompanhada de tosse ou dor na garganta, dor de cabeça, dores musculares e/ou nas juntas. Enfim, dor no corpo inteiro, a famosa “quebradeira”.

Por afetar não somente a região da garganta, mas todo o sistema respiratório, as complicações podem ser sérias. “O agravamento pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular e prostração intensas”, alerta a Dra. Fernanda Miranda, diretora de comunicação da SBPT (Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia).

Apesar de ser incomum, uma pneumonia viral pode se desenvolver a partir da gripe. É importante acompanhar de perto, especialmente em pessoas com o sistema imunológico debilitado.

Quanto tempo dura?

Segundo a Dra. Fernanda, “a média de duração da gripe é de 7 a 10 dias”. Nas primeiras 72 horas, o infectado sofre com a febre. Depois, os sintomas respiratórios tornam-se mais evidentes, como a tosse seca, e devem perdurar por mais alguns dias.

É por causa do frio?

Não diretamente. A transmissão acontece pelo ar quando alguém infectado tosse ou espirra e outra pessoa inala as partículas secretadas, portanto não há aí qualquer relação com o frio. O problema é que no inverno as pessoas tendem a passar mais tempo em lugares fechados e até mal ventilados, o que facilita a transmissão.

Tratamento

Os remédios para combater a gripe são, em regra, apenas sintomáticos. Eles amenizam os sintomas da doença porque ela é autolimitada, ou seja, irá embora naturalmente após cumprir seu ciclo. São utilizados analgésicos e antitérmicos, além da ingestão de líquidos para se manter hidratado.

Com a expansão da H1N1 no território brasileiro, o Ministério da Saúde passou a recomendar a utilização do remédio antiviral Oseltamivir, vendido com o nome comercial de Tamiflu. Trata-se, no entanto, de algo específico para casos mais graves e requer a apresentação da receita médica.