Condromalácia: causas, sintomas e tratamento do desgaste no joelho

Atualizado em 10 de outubro de 2019

|

POR Manuela Sampaio

Condromalácia ou condropatia patelar é uma doença que acomete a cartilagem localizada no joelho, mais especificamente entre a patela e o fêmur. Ela pode evoluir desde o amolecimento da cartilagem até o dano grave que chega ao osso. O principal sintoma é dor, que pode limitar algumas atividades da vida diária.

O tratamento principal para o desgaste no joelho é feito por meio de fisioterapia, mas medicamentos também ajudam, já a cirurgia é indicada em casos mais graves. Saiba tudo sobre condromalácia patelar a seguir.

O que é condromalácia?

Também chamada de síndrome da dor patelo-femoral, condromalácia é uma alteração caracterizada pela desgaste da cartilagem que recobre as extremidades dos ossos do corpo.

Ela pode acometer qualquer articulação do organismo, mas o mais comum é que atinja a patela, um pequeno osso de formato levemente circular que está localizado na face anterior do joelho e se articula com o fêmur. Antigamente, a patela era chamada de rótula.

Tipos

A condropatia é classificada de acordo com o grau de desgaste e degeneração da cartilagem:

Grau I: é marcado por um amolecimento da cartilagem.

Grau II:  a alteração atinge a cartilagem hialina.

Grau III: é caracterizado pela fissura da cartilagem articular até o nível do osso subcondral (abaixo da cartilagem).

Grau IV: grau mais severo, é marcado pelo desgaste ósseo e pela ausência de cartilagem articular.

Causas

Diversas lesões e desordens podem causar a condromalácia patelar. Algumas delas são:

  • Desequilíbrios musculares (quando alguns músculos na região do joelho são mais fracos ou encurtados que os outros)
  • Traumas (como fraturas e deslocamentos)
  • Deformidades anatômicas dos membros inferiores
  • Uso excessivo (principalmente durante práticas esportivas)
  • Artrite reumatoide ou artrose (osteoartrite)
  • Aplicação articular de medicações esteroidais em excesso

Fatores de risco

A condromalácia é mais comum em mulheres do que em homens por causa da angulação do quadril em relação ao joelho específica da anatomia feminina.

Atletas de esportes que envolvem impacto (como balé, corrida e futebol, por exemplo) também apresentam maior risco de ter desgaste no joelho.

Sinais e sintomas

A condromalácia é caracterizada por uma dor anterior no joelho que piora com atividades diárias, como subir e descer escadas e se levantar depois de longo período sentado (ao dirigir ou ficar muito tempo na posição no teatro ou cinema, por exemplo).

Além desses sintomas, o joelho pode fazer ruídos e estalar ao se mover, porém vale lembrar que essas manifestações nem sempre estão relacionados à condromalácia patelar.

Diagnóstico

O exame físico é o primeiro passo no diagnóstico da condromalácia da cartilagem do joelho e deve levar em conta tanto o relato de dor do paciente quanto a avaliação da forma e da anatomia dos membros inferiores.

No entanto, a confirmação do diagnóstico da lesão da cartilagem da patela só pode ser confirmado após um exame de ressonância magnética.

Qual profissional procurar?

Procure um ortopedista caso sinta dores no joelho ou desconfie de um quadro de condromalácia no joelho.

Condromalacia patelar tem cura?

A lesão da cartilagem não tem cura, mas existe tratamento para aliviar os sintomas e atrasar a progressão da doença.

Tratamentos

 

Homem fazendo fisioterapia para dor no joelho.

Microgen/Shutterstock

Fisioterapia

O tratamento principal na maioria dos casos é a fisioterapia, em especial o fortalecimento dos músculos responsáveis pela estabilização dos joelhos, como quadríceps e glúteos. Essa terapia ainda ajuda a amenizar o processo inflamatório e a dor no auge da crise por meio da aplicação de técnicas analgésicas, como transcutaneous electrical nerve stimulation (TENS) e luz infravermelha.

Depois disso, é feito o trabalho de fortalecimento e treinamento neuromotor. Diversas técnicas entram em cena com esse objetivo, entre elas um programa de exercícios terapêuticos, eletroestimulação, bandagens, entre outros.

Medicações e injeções

Diferentes medicamentos podem ser utilizados para tratar a condromalácia patelar, a depender do grau de desgaste da cartilagem e das características de cada paciente. Entre eles, estão:

  • Remédios condroprotetores (à base de colágeno, condroitina e glicosamina, por exemplo), que ajudam o corpo a produzir e preservar os componentes da cartilagem;
  • Infiltração intra-articular com ácido hialurônico, chamada de viscossuplementação;
  • Anti-inflamatórios;
  • Analgésicos.

Condroplastia

A cirurgia é indicada em raros casos nos quais não há respostas satisfatórias aos tratamentos conservadores.

Na maior parte dos casos, o joelho acometido é tratado com cirurgias vídeo artroscópicas minimamente invasivas que retiram a cartilagem danificada, uniformizam a superfície articular e estimulam a síntese de colágeno.

Em raríssimos casos, são indicadas cirurgias mais complexas, como quando o paciente tem deformidade da anatomia óssea.

Outros tratamentos

A acupuntura é um método complementar que ajuda a aliviar a dor, assim como a bandagem feita pelo fisioterapeuta e a aplicação de compressas de gelo.

Cuidados caseiros

Em casa ou no trabalho e em outras atividades do dia a dia, é importante tomar medidas para evitar posturas que causem dor, como permanecer muito tempo sentado. Além disso, com orientação do fisioterapeuta ou do médico, podem ser indicadas medidas caseiras, como aplicação de gelo no joelho.

Complicações

A complicações relacionadas à condromalácia patelar estão diretamente relacionadas à dor limitante ou que não melhora após o tratamento conservador.

Há ainda as complicações relacionadas a procedimentos cirúrgicos, como infecções.

Prognóstico

Na maioria dos casos, ocorre melhora após ao menos de três meses realizando as sessões de fisioterapia e os exercícios de fortalecimento específicos. As medicações orais condroprotetoras e a infiltração com ácido hialurônico podem potencializar as terapias do quadro.

Prevenção

Para evitar a condromalácia é importante manter a musculatura dos membros inferiores forte, alinhada e bem equilibrada, isso vale especialmente para atletas, que estão no grupo de maior risco para condromalácia.

Também é indicado evitar longos períodos na mesma posição e manter hábitos de vida saudáveis, como a prática de exercícios de fortalecimento e alimentação adequada.

 

Fontes
Ortopedista e traumatologista Gustavo Asmar, especialista em cirurgias vídeoartroscópicas e reconstrução articular do quadril e do joelho – CRM: 793663/RJ

Harvard Health Publishing. Chondromalacia. Disponível em: www.health.harvard.edu/a_to_z/chondromalacia-a-to-z

Dye SF. The pathophysiology of patellofemoral pain: a tissue homeostasis perspective. Clin. Orthop. Relat. Res. 2005 Jul;(436):100-10. Disponível em: www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15995427