Como tirar estrias? Entenda o problema de pele e livre-se dele

Atualizado em 15 de agosto de 2018

|

POR Lucas Coelho

As estrias são lesões também chamadas de atrofia tegumentar. Elas aparecem quando ocorre o rompimento das fibras elásticas e colágenas da pele, geralmente sendo resultado de um crescimento abrupto ou distensão excessiva. Por mais que seja um assunto mais comum entre as mulheres, as estrias também afetas homens e até crianças.

Aqui, você vai saber mais sobre as causas, tipos, métodos de prevenir e aprender também como tirar estrias.

O que causa as estrias?

As estrias podem ser causadas por uma série de razões, mas seu princípio é o mesmo em todos: a pele sofreu um estiramento rápido e intenso demais, sem tempo para se adaptar.

Por isso, não é difícil imaginar situações que causam estrias. Podemos citar como exemplos a gravidez, obesidade, aumento dos músculos num curto período de tempo em decorrência de exercícios físicos e o crescimento rápido na puberdade.

Operações plásticas que colocam alguma prótese sob a pele, como silicone, também podem causar estrias.

Há ainda outras causas menos óbvias, como o uso prolongado de corticoides orais ou tópicos, especialmente no local da aplicação.

As estrias também são recorrentes em pessoas que sofrem de anorexia nervosa, doenças do fígado e outros problemas que afetem a saúde da pele, deixando-a mais susceptível às lesões.

Tipos de estrias

De acordo com Adriano Loyola, assessor do Departamento de Cosmiatria da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), existem três tipos de estrias:

  • Vermelhas, ou arroxeadas;
  • Brancas mais superficiais e estreitas;
  • Brancas mais profundas e largas.

“Associar as técnicas de acordo com a cor e o aspecto das estrias é o que garante a eliminação de até 80% delas”, garante o especialista.

Como tirar estrias?

Segundo Loyola, as estrias vermelhas são as mais fáceis de tratar, pois a cor indica que são recentes e que o tecido não foi completamente comprometido, já que ainda há sangue circulando no local.

O branqueamento acontece ao longo do tempo, e lidar com as estrias nessa fase requer um tratamento mais intenso. “É preciso provocar uma ‘agressão’ na pele para que ela reaja e passe a produzir mais colágeno e elastina, que farão a cicatrização interna das estrias”, explica ele.

Caso as estrias já estejam na sua terceira fase, largas e profundas, o métodos são mais invasivos ainda, pois é preciso estimular ainda mais o tecido e o preenchimento das linhas de dentro para fora.

Todo o tratamento também depende bastante de fatores genéticos, hormonais, idade, alimentação e nível de atividades físicas. Desta forma, os resultados são sempre muito variados.

As técnicas para se alcançar os resultados, aliás, são diversas. Como conta Loyola, pode-se usar lasers, indução percutânea de colágeno, radiofrequências com microagulhamento, peelings, subcisão ou microdermaoabrasão — os nomes dos procedimentos variam bastante.

“Se o tratamento não for feito por um dermatologista especialista em cada tipo de tratamento, podem acontecer danos graves como queimaduras, manchas, cicatrizes e atrofias”, atenta ele.

Onde costumam aparecer estrias?

Obviamente, onde houver pele podem aparecer as estrias, mas há partes do corpo que são mais propensas, como o abdômen, coxas, nádegas, quadris, peitos e braços.

Como prevenir?

Muitas vezes, não há muito como evitar. Por exemplo, uma mulher grávida certamente irá ver seus seios e barriga crescerem rapidamente, o que pode ocasionar as estrias.

Há, no entanto, formas de tentar deixar o corpo — e mais especificamente a pele — saudáveis o suficiente para não apresentarem o problema.

Manter seu peso ideal é a primeira ordem. Uma dieta balanceada também ajuda com adição de nutrientes, como a vitamina C, que é um importante antioxidante e ajuda na formação das proteínas da pele.

Evitar o sedentarismo, ingerir água regularmente também são medidas fundamentais. Existem também os cremes hidratantes e óleos que fornecem vitaminas e podem ser usados. Na dúvida de qual escolher, consulte um dermatologista de sua confiança.

Estrias durante a gravidez

As mulheres grávidas podem usar os cremes desde o início da gestação, já que eles não oferecem qualquer risco para os bebês — especialmente nas regiões dos seios, da barriga e das coxas.

Massagens também ajudam a melhorar a elasticidade da pele, porque ativam a circulação sanguínea do local massageado.

É importante também prestar atenção nas vestimentas. Roupas íntimas que segurem bem a barriga e os seios reduzem a chance do aparecimento de estrias, ao mesmo tempo em que o restante das roupas pode ser mais largo e de algodão, evitando apertar o corpo e prejudicar a circulação.

Estrias em crianças

Durante a fase de crescimento, os jovens também podem sofrer com as estrias. Segundo Jandrei Markus, do Departamento Científico de Dermatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, elas costumam surgir de maneira natural geralmente em crianças entre 9 e 16 anos de idade. “Elas acontecem em aproximadamente 15% dos meninos e 35% das meninas”, diz ele.

Como o corpo está crescendo por inteiro, e muitas vezes rapidamente, as estrias podem surgir em diversas regiões, até mesmo nos ombros, especialmente se forem relacionadas à obesidade.