Cigarro: substâncias, o que causa no organismo e como parar de fumar

Atualizado em 11 de junho de 2020

|

POR Bruno Botelho dos Santos

Cigarro é uma das maiores ameaças à saúde pública mundial, sendo responsável pela morte de mais de 8 milhões de pessoas por ano. Segundo dados da OMS em 2018, são 1,1 bilhão de fumantes no mundo todo. O tabaco causa efeitos que afetam muito a saúde e bem-estar da pessoa, por causa dos componentes químicos altamente prejudiciais presentes em sua fumaça.

Ele pode causar doenças do aparelho respiratório, doenças cardiovasculares e vários tipos de câncer, além de outros problemas de saúde, dos mais diversos. Saiba mais sobre o cigarro.

Qual a quantidade de fumantes no Brasil?

Em 2018 dados do ministério da saúde apontam queda de fumantes no país. Segundo dados do Vigitel/2018 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), o percentual total de fumantes com 18 anos ou mais no Brasil é de 9,3%, sendo 12,1 % entre homens e 6,9% entre mulheres.

De 8 milhões de mortes por ano, mais de 7 milhões são resultado do uso direto do tabaco, enquanto mais de 1,2 milhão de mortes são resultado de não-fumantes expostos ao fumo passivo.

No Brasil houve uma incidência decrescente nos últimos anos com as campanhas de publicidade e outras iniciativas anti-tabaco.

Existe algum cigarro que seja pior que os outros?

Todos os tipos de cigarro são péssimos, mas os que vem no contrabando não se sabe quais as reais substâncias envolvidas e podem ser piores que os demais.

Por que cigarro vicia?

Isso acontece, principalmente, por causa da presença da nicotina. “Ela tem o poder alto de dependência química, substituindo a dopamina no cérebro e funciona como um neurotransmissor. O efeito viciante perde apenas para heroína e cocaína, respectivamente”, explica a clínica geral Nicolle Queiroz.

As pessoas que fumam regularmente tendem a desenvolver uma tolerância aos efeitos da nicotina. Isso significa que eles precisam fumar mais tabaco para obter o mesmo efeito.

Podem se tornar dependentes da nicotina. Essa dependência pode ser psicológica, física ou ambas, achando que o uso da droga se torna muito mais importante do que outras atividades em sua vida.

Quais são as substâncias do cigarro?

Juntamente com a nicotina, as pessoas que fumam inalam por volta de outros 7 mil produtos químicos na fumaça do cigarro. Muitos desses produtos químicos provêm da queima de folhas de tabaco.

Os componentes altamente prejudiciais da fumaça do tabaco incluem:

Nicotina

Principal e mais conhecido componente do cigarro, a nicotina é um alcaloide venenoso incolor, derivado da planta do tabaco. É uma droga poderosa, que afeta o cérebro e rapidamente se torna viciante.

Alcatrão

Partículas sólidas suspensas na fumaça do tabaco. As partículas contêm produtos químicos, incluindo substâncias cancerígenas. O alcatrão é pegajoso e marrom e mancha os dentes, unhas e tecido pulmonar.

Monóxido de carbono

É um gás venenoso. É inodoro e incolor e, em grandes doses, causa rapidamente a morte porque substitui o oxigênio no sangue. Nas pessoas que fumam, o monóxido de carbono no sangue dificulta o acesso do oxigênio aos órgãos e músculos.

Produtos químicos oxidantes

São produtos químicos altamente reativos que podem danificar os músculos do coração e os vasos sanguíneos das pessoas que fumam. Eles reagem com o colesterol, levando ao acúmulo de matéria gordurosa nas paredes das artérias.

Suas ações levam a doenças cardíacas, AVC e infarto.

Metais

A fumaça do tabaco contém vários metais que causam câncer, incluindo arsênico, berílio, cádmio, cromo, cobalto, chumbo e níquel.

Compostos radioativos

O tabaco contém compostos radioativos que são conhecidos por serem cancerígenos.

Efeitos do cigarro no corpo

A inalação da fumaça do tabaco causa danos a muitos órgãos e sistemas do corpo. Alguns dos compostos presentes são quimicamente ativos e desencadeiam mudanças profundas e prejudiciais no corpo.

A fumaça do tabaco contém mais de 70 substâncias químicas causadoras de câncer conhecidas. Fumar prejudica quase todos os órgãos do corpo, causando muitas doenças e reduzindo a saúde em geral.

Sistema circulatório (cardiovascular)

Agride violentamente o endotélio (camada de tecido que envolve os vasos) deixando-o suscetível a placas de aterosclerose (colesterol), que podem causar AVC e infarto.

Os efeitos do tabagismo no sistema circulatório incluem:

  • Elevação da pressão arterial e frequência cardíaca
  • Constrição (aperto) dos vasos sanguíneos na pele, resultando em uma queda na temperatura da pele
  • Menor quantidade de oxigênio transportado pelo sangue durante o exercício
  • Dano ao revestimento das artérias, que é considerado um fator contribuinte para a aterosclerose (acúmulo de depósitos de gordura nas paredes das artérias), o que aumenta do risco cardiovascular
  • Aumento do risco de derrame e ataque cardíaco devido a bloqueios no suprimento sanguíneo

Sistema respiratório

Os efeitos da fumaça do tabaco no sistema respiratório incluem:

  • Irritação da traqueia e laringe
  • Função pulmonar reduzida
  • Falta de ar devido ao inchaço e estreitamento das vias aéreas pulmonares pelo excesso de muco nas vias aéreas
  • Comprometimento do sistema de depuração dos pulmões, levando ao acúmulo de substâncias venenosas, o que resulta em irritação e danos nos pulmões
  • Aumento do risco de infecção pulmonar e sintomas como tosse e chiado no peito

Sistema imunológico

Os efeitos da fumaça do tabaco no sistema imunológico são:

  • Maior suscetibilidade a infecções como pneumonia e gripe
  • Doenças mais graves e mais duradouras
  • Níveis mais baixos de antioxidantes protetores (como vitamina C) no sangue

Sistema reprodutivo

No sistema reprodutivo, os efeitos são:

  • Altera a qualidade do espermatozoide
  • Menor contagem de espermatozoides
  • Maior porcentagem de espermatozoides deformados
  • Dano genético ao espermatozoide
  • Impotência sexual, que pode ser devido aos efeitos do fumo no fluxo sanguíneo e danos aos vasos sanguíneos do pênis
  • Altera reserva de óvulos no ovário
  • Altera hormônios femininos, antecipando a menopausa e calcifica a placenta da gestante

Pele

Fumar reduz a quantidade de oxigênio que chega à sua pele. Isso significa que, se você fuma, sua pele envelhece mais rapidamente e fica cinza e sem brilho. As toxinas do seu corpo também causam celulite.

Fumar prematuramente envelhece sua pele entre 10 e 20 anos e aumenta três vezes mais chances de você ter rugas faciais, principalmente ao redor dos olhos e da boca.

Ou seja, o tabaco causa, principalmente, flacidez e envelhecimento precoce, pois altera a produção do colágeno.

Corpo feminino

  • Fertilidade reduzida, irregularidades do ciclo menstrual ou ausência de menstruação;
  • Menopausa precoce
  • Aumento do risco de câncer do colo do útero
  • Aumento considerável do risco de AVC e ataque cardíaco se a pessoa que fuma tiver mais de 35 anos e tomar a pílula contraceptiva oral.

Outros efeitos no corpo

  • Irritação e inflamação do estômago e intestinos
  • Aumento do risco de úlceras dolorosas ao longo do trato digestivo
  • Capacidade reduzida de olfato e paladar
  • Enrugamento prematuro da pele
  • Maior risco de cegueira

Efeitos do tabagismo materno em um bebê para nascer

  • Aumento do risco de aborto, natimorto e parto prematuro
  • Doenças pulmonares
  • Baixo peso ao nascer, o que pode ter um efeito duradouro no crescimento e desenvolvimento das crianças. O baixo peso ao nascer está associado a um risco aumentado de doença cardíaca, pressão alta e diabetes na idade adulta
  • Aumento do risco de fissura palatina e lábio leporino
  • Aumento do risco de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)

Quais são os efeitos do cigarro em fumantes passivos?

O tabagismo passivo ocorre quando uma pessoa que não está fumando respira a fumaça de pessoas que estão fumando.

O tabagismo passivo pode irritar os olhos e o nariz e causar vários problemas de saúde, como doenças cardíacas e câncer de pulmão. A fumaça do tabaco é prejudicial, principalmente, para bebês e crianças pequenas.

Em adultos, o fumo passivo provoca graves doenças cardiovasculares e respiratórias, incluindo doença coronariana e câncer de pulmão. Nos bebês, pode causar morte súbita. Já em mulheres grávidas, provoca baixo peso do bebê no nascimento.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a exposição passiva à fumaça do tabaco causa mais de 1,2 milhão de mortes prematuras por ano.

Como parar de fumar?

Quem orienta o tipo de tratamento é o médico, mas é comum a terapia medicamentosa e suporte psicológico de caso para caso.

Tratamentos comportamentais e medicamentos podem ajudar as pessoas a parar de fumar, mas a combinação de medicamentos com aconselhamento é mais eficaz do que qualquer um sozinho.

Tratamentos comportamentais

Os tratamentos comportamentais usam uma variedade de métodos para ajudar as pessoas a parar de fumar, desde materiais de autoajuda até aconselhamento.

Esses tratamentos ensinam as pessoas a reconhecer situações de alto risco e a desenvolver estratégias para lidar com elas. Por exemplo, pessoas que saem com outras pessoas que fumam têm mais probabilidade de fumar e menos probabilidade de parar.

Terapias de reposição de nicotina

As terapias de reposição de nicotina (TRNs) são uso de medicamentos para uso na cessação do tabagismo.

Os produtos TRN incluem goma de mascar, adesivo transdérmico, sprays nasais, inaladores e pastilhas. Eles fornecem uma dose controlada de nicotina para aliviar os sintomas de abstinência enquanto a pessoa tenta parar.

Vale a pena usar adesivo de nicotina?

Os adesivos de nicotina substituem parte da nicotina fornecida pelo cigarro, que é rapidamente absorvida pela pele, diminuindo os sintomas de abstinência, o que leva à diminuição e consequente ao abandono do hábito de fumar.

Porém, vale lembrar que o produto não é uma cura, mas uma ajuda para largar o tabaco aliado ao tratamento médico e suporte psicológico.

Vale a pena trocar o cigarro pelo vaporizador ou cigarro eletrônico?

“Não vale a pena, o monóxido de carbono que vem da fumaça leva a alterações do parênquima pulmonar podendo levar até o câncer”, explica Nicolle Queiroz.

Após parar de fumar, os efeitos da nicotina duram quanto tempo?

Apenas um ano depois de parar de fumar, o risco de problemas cardiovasculares, como um ataque cardíaco, diminui acentuadamente.

Dentro de 2 a 5 anos após deixar de fumar, o risco de derrame pode reduzir para aproximadamente o de um não-fumante. Se parar de fumar, os riscos de câncer de boca, garganta, esôfago e bexiga caem pela metade em cinco anos.

Dez anos após parar de fumar, o risco de morrer de câncer de pulmão cai pela metade. Em torno de 15 anos que a pessoa já pode estar livre dos efeitos da nicotina no corpo sem problemas.

 

Fontes

Clínica geral Nicolle Queiroz, membro do corpo clínico do Hospital São Camilo e do Hospital São Luiz – CRM 151348

Otorrinolaringologista Thiago Zago, do Hospital São Francisco de Mogi Guaçu – CRM-SP 162.723