Canela-de-velho: para que serve e riscos da planta “milagrosa”

27 de novembro de 2018

|

POR Mariana Amorim

No mundo vegetal, muitas plantas podem beneficiar o organismo, como a chamada canela-de-velho. Seu nome científico é Miconia albicans e seu uso está associado a tratamentos naturais “milagrosos” contra dores nas articulações.

A seguir, saiba mais sobre a planta, quando e como usá-la:

O que é canela-de-velho?

Trata-se de uma planta medicinal proveniente de um arbusto comum em alguns países da América Latina, como o México, o Paraguai e o próprio Brasil.

Por aqui, a canela-de-velho é mais frequente no cerrado e na vegetação do litoral, é considerada por muitos uma arma poderosa contra doenças nas articulações.

Para que serve?

 

Dor no joelho.

busracavus/IStock

Alívio de dores nas articulações

Embora ainda não existam muitos estudos acerca de seus benefícios, a canela-de-velho é considerada uma verdadeira arma contra incômodos de doenças das articulações, como artrose e artrite.

A teoria é que o chá ou, até mesmo, a pomada da canela-de-velho possam aliviar essas dores. Isso porque as folhas da planta teriam fitoquímicos anti-inflamatórios e analgésicos.

Antioxidantes

A canela-de-velho também é rica em flavonoides, compostos ricos em antioxidantes que, por sua vez, combatem os radicais livres, moléculas que, em excesso, favorecem o envelhecimento precoce e até mesmo o aparecimento de doenças.

Engorda? Emagrece?

A nutricionista e fitoterapeuta Vanderli Marchiori, presidente da Associação Paulista de Fitoterapia, explica que não há indícios de que o consumo da canela-de-velho influencie o peso corporal, seja para mais ou menos peso.

“Até agora, somente o benefício anti-inflamatório é comprovado. Por isso, não é recomendado seu uso para a perda de peso”, comenta.

Faz mal?

Consumir de forma exagerada o chá de canela-de-velho pode afetar a saúde do sistema digestório. Em excesso, os fitoquímicos podem causar, ainda, lesões nas células do fígado.

Inclusive, a nutricionista Vanderli Marchiori alerta que, embora seja um ingrediente comum na medicina natural, ainda há poucos indícios científicos sobre seus benefícios e malefícios.

“É preciso pontuar que são poucos os ensaios pré-clínicos, de caráter botânico, fitoquímico, toxicológico e farmacológico sobre a Miconia albicans”, conta a especialista, que fala ainda sobre resultados conflitantes sobre seu efeito analgésico e anti-inflamatório.

Dessa forma, não há a citação em literatura sobre a reconhecida existência em sistemas médicos tradicionais e reconhecidos.

Para ela, especialista em fitoterapia, trata-se de uma espécie que requer maior e melhor investigação para seu uso de forma segura. “Até então, os compostos que mais se destacam nesta planta, e que apresentam resultados promissores, são o ácido ursólico e o ácido oleanólico, com potencial anti-inflamatório”, fiz Vanderli.

Outro ponto importante antes do consumo da planta canela-de-velho é a qualidade dos produtos que são comercializados no Brasil para o preparo dos chás. “Será que realmente é esta espécie que está sendo comercializada? Não temos como saber, por isso, é preciso estar alerta”, diz a nutricionista, que considera ser cedo para adotar a planta para qualquer fim medicinal.

Quem não deve usar?

Plantas medicinais só devem ser usadas quando indicadas por um profissional de saúde capacitado em fitoterapia.

Dessa forma, qualquer pessoa sem supervisão médica deve evitar a canela-de-velho.

Como aproveitar?

Como ainda faltam estudos conclusivos, a quantidade segura é de até meio litro de chá por dia. Lembrando que o consumo de chás não deve substituir a quantidade diária de água a ser ingerida.

Chá de canela-de-velho

Para preparar o chá, é preciso usar uma colher de sopa das folhas secas da planta para cada litro de água. Deixe a planta ferver em água por até cinco minutos e sirva em seguida.

Pomada

A pomada de canela-de-velho tem uso tópico, ou seja, precisa ser aplicada diretamente no local da dor.

Onde encontrar?

Produtos que têm canela-de-velho em sua composição, como chás e pomadas, podem ser encontrados em sites de produtos naturais ou farmácias de manipulação especializadas em fitoterapia.