Artrose: o que é, sintomas, causas, cura e tratamento

Atualizado em 24 de agosto de 2018

|

Conhecida também como osteoartrite, a artrose é uma doença degenerativa que prejudica os movimentos dos membros do paciente. Isso acontece devido a um desgaste da cartilagem, promovido por traumas ou pelo uso excessivo de uma articulação, gerando inchaço e limitação funcional.

Normalmente, a patologia atinge mãos, joelhos, coluna e quadris, por serem lugares mais propensos a movimentos constantes.

Segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia, a artrose é mais comum em mulheres, embora haja casos em ambos os sexos. Saiba mais:

Artrite e artrose: qual a diferença?

Embora apresentem sintomas semelhantes, a artrite se trata da inflamação da articulação, enquanto a artrose é uma doença crônica.

Nesse caso, artrite, se não tratada, pode evoluir para artrose e apresentar complicações ao longo da vida do paciente.

Causas

Existem duas formas de manifestação da artrose: a primária e a secundária. Cada uma delas apresenta origens distintas.

Primária

Acomete o paciente devido ao uso prolongado e repetitivo de determinada articulação ou simplesmente como uma consequência do envelhecimento natural.

Tais situações levam à degeneração do líquido sinovial — que lubrifica as cavidades articulares. Isso também pode ser consequência da prática de exercícios sem a orientação de um profissional. Como resultado, a cartilagem fica danificada e causa atrito maior entre os ossos, de modo que acabam perdendo o formato original, impedindo o paciente de executar movimentos naturalmente simples.

Secundária

Tem origem em doenças congênitas e distúrbios hormonais, como obesidade, gota, artrite reumatoide, hipertireoidismo, diabetes, entre outras.

Fatores de risco

Um estilo de vida que não seja saudável é determinante para a incidência da artrose. No entanto, já foi descoberto que alguns fatores paralelos a esse também influenciam, tais como:

  • Hereditariedade
  • Distúrbios hormonais, como o hipertireoidismo
  • Idade avançada, tendo maior frequência após os 60 anos
  • Doenças metabólicas, como a obesidade e diabetes
  • Deformidades ósseas
  • Lesões na articulação
  • Profissões que realizam movimentos repetitivos de um membro

Sinais e sintomas de artrose

 

Artrose nas mãos.

Astrid Gast/Shutterstock

A dor na hora de realizar movimentos é a principal queixa, seguida da rigidez de alguns membros. Veja estas e outras formas de manifestação:

  • Inchaço
  • Rangido nos movimentos
  • Dor na articulação que piora no final do dia
  • Rigidez
  • Imobilidade
  • Formação de nódulos enrijecidos pela calcificação
  • Formigamento
  • Dormência

Os sintomas dependem da localização do desgastes. Se for artrose na coluna, pode haver dor na lombar ou pescoço, nas mãos há nódulos duros e nos joelhos pode gerar a aparência valga — em que há aproximação do meio das pernas e afastamento dos pés.

Diagnóstico

Assim que começar a sentir dores suspeitas de artrose, o paciente deve procurar por um ortopedista ou reumatologista para avaliar a gravidade do caso e receber o correto diagnóstico — principalmente para diferi-lo de inflamação, artrite ou osteoartrite.

Além de avaliar o histórico do paciente, o profissional poderá fazer alguns exames para confirmar o diagnóstico. Sendo eles:

Complicações

A maior complicação da artrose é a limitação de movimentos. Quando há artrose nas mãos, o paciente pode apresentar dificuldade para mexer os dedos e realizar simples movimentos, como escrever ou segurar objetos.

Quando há artrose nos joelhos, a capacidade de andar é diretamente afetada, uma vez que o paciente não possuirá a mesma articulação para executar passos e se sentar.

Nesses casos, orientação e terapia com um fisioterapeuta é essencial, pois quanto mais imóvel esses membros ficarem, maiores serão as chances de aparecerem nódulos permanentes.

Tem cura?

A artrose não tem cura. Felizmente, a doença pode ser controlada com medicamentos e procedimentos cirúrgicos que amenizam e retardam os sintomas.

Tratamento para artrose

Medicamentos

O tratamento inicial inclui medicamentos, principalmente em casos de pacientes idosos que teriam dificuldade para se recuperar de procedimentos cirúrgicos.

Alguns desses remédios para artrose são analgésicos, anti-inflamatórios e narcóticos para aliviar as dores.

A ingestão pode provocar alguns efeitos colaterais, tais como náuseas, sonolência e lesões nos rins e fígado.

Fisioterapia

A prática da fisioterapia é essencial para evitar que a doença tome proporções maiores.

Exercitar e manter a regularidade controlada dos movimentos evita complicações e fortalece os músculos próximos a região lesada, compensando as sequelas.

Terapia ocupacional

A terapia ocupacional auxilia o paciente a realizar tarefas do cotidiano de forma mais fácil, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida.

Infiltrações

Há também a possibilidade de injeções que amenizam os sintomas de forma imediata, principalmente em casos mais graves. A infiltração com cortisona e ácido hialurônico oferecem alívio das dores articulares.

No entanto, vale ressaltar que essas dosagens devem ser controladas para evitar complicações maiores.

Cirurgia

Indicada em sua maioria para pacientes mais jovens ou com quadros graves, a cirurgia é uma opção que promove o aumento da melhoria de vida. Ela visa a realinhar os ossos ou substituir a articulação danificada por próteses.

Prognóstico

 

Artrose no quadril.

ChooChin/Shutterstock

É importante que o paciente não perca o ritmo dos exercícios para que a doença não se agrave e provoque complicações. Essa prática é importante também para evitar o ganho de peso, que pode prejudicar os movimentos e agravar alguns sintomas.

No entanto, é necessário ainda que haja descanso em períodos curtos ao longo do dia e que se evite passar muito tempo na mesma posição.

Medicações também podem ser ministradas para ajudar no alívio da dor.

Por fim, é válido adotar objetos que facilitam movimentos, como barras no banheiro, escovas de dentes elétricas e adaptadores de utensílios.

Prevenção

Não há maneiras muito concretas de evitar a condição, contudo a prática de atividades físicas, controle do peso e tratamento de doenças adjacentes podem ajudar a reduzir o risco de artrose.