Arteriosclerose: pular o café da manhã dobra o risco da doença

06 de outubro de 2017

|

POR Bruno Botelho dos Santos

Você é do tipo que acorda de manhã e não sente fome? Se pular o café da manhã é um hábito comum do seu dia a dia, é melhor ficar atento. Cientistas norte-americanos descobriram recentemente que não se alimentar ou se alimentar mal no período da manhã pode dobrar as chances de uma pessoa desenvolver arteriosclerose — doença cardiovascular caracterizada pelo endurecimento das artérias.

O estudo foi publicado na revista-médica Journal of the American College of Cardiology e apresentou resultados que alarmaram os especialistas: além de favorecer arteriosclerose, pular o café da manhã também pode aumentar as chances de obesidade e hipertensão.

As doenças cardiovasculares são causa dos maiores números de mortes no mundo. Cerca de 17,5 milhões de pessoas morreram, a cada ano, vítimas de problemas cardíacos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) — o que corresponde a uma morte a cada 40 segundos.

O que é arteriosclerose?

Cuidado para não confundir: arteriosclerose é uma coisa, aterosclerose é outra.

Arteriosclerose é o processo de endurecimento das paredes das artérias causado por hipertensão e que leva a um bloqueio na circulação sanguínea. Já aterosclerose é uma forma de arteriosclerose, mas provocada pela presença de placas de gordura na parede das artérias.

Se não for devidamente tratada, a arteriosclerose pode levar a complicações gravíssimas de saúde, como acidentes vasculares cerebrais (AVCs) e infartos.

Seus sintomas mais comuns são dores no peito, cãibras, fadiga muscular, paralisias e apertos nos membros inferiores. Mas atenção: manifestar estes sintomas não significa que você esteja com arteriosclerose. Em todo caso, os sintomas persistirem, procure um médico para investigar as possíveis causas.

Se a alimentação inadequada pela manhã pode facilitar o desenvolvimento da doença, outros fatores também podem contribuir para a arteriosclerose. Eles são:

  • Obesidade e sedentarismo
  • Diabetes e colesterol alto
  • Tabagismo
  • Histórico familiar de problemas cardíacos e idade avançada

Estudo fundamental para o combate à arteriosclerose

A pesquisa norte-americana foi feita com 4.052 participantes do sexo masculino e feminino e livres de doenças cardiovasculares. Eles receberam um questionário para responder com seus hábitos diários e o que comem no café da manhã.

Depois, os cientistas analisaram as respostas dos questionários e os classificaram em três grupos distintos:

  • Pessoas que ignoram o café da manhã e tomam apenas um suco, café e afins, adquirem menos de 5% de seu consumo total de energia durante o café da manhã. Ao todo, 2,9% dos participantes se encaixaram neste perfil;
  • Pessoas que comem pouco no café da manhã e adquirem entre 5 e 20% do total de seu consumo diário de energia na primeira refeição do dia. Estes representavam 69,4% dos participantes;
  • Pessoas que se alimentam bem pela amanhã e adquirem mais de 20% do seu consumo total de energia somente no café da manhã. Estes correspondiam aos 27,7% restantes.

Utilizando tecnologia de ultrassom para identificar possíveis acúmulos de gordura nas artérias, os especialistas descobriram que aqueles que se alimentam pouco ou que não se alimentam de manhã têm, em média, duas vezes mais gordura acumulada do que pessoas que comem bem depois que acordam.

Também percebeu-se que essas mesmas pessoas que têm mais acúmulo de gordura também apresentam maior índice de massa corporal, maior circunferência na cintura, pressão arterial elevada, níveis muito baixos de glicose no sangue e quantidade de lipídios na corrente sanguínea acima do normal.