Acne: causas, prevenção e como eliminar as temidas espinhas

03 de julho de 2018

|

POR Vinícius De Vita

A acne, também conhecida como espinha, é uma condição muito comum que é caracterizada pelo surgimento de erupções avermelhadas na pele – principalmente no rosto, costas, ombros e peito.

As espinhas são provocadas por um processo inflamatório das glândulas sebáceas e dos folículos pilossebáceos. São muito comuns na adolescência, quando o aumento dos níveis hormonais intensifica a produção de sebo, mas podem aparecer em qualquer fase da vida.

O que causa acne?

 

Designua/Shutterstock

Como já mencionamos, as espinhas são provocadas por uma inflamação nas glândulas sebáceas, as quais estão presentes por todo o corpo e são responsáveis por fabricar uma espécie de óleo que é muito importante para a saúde da pele.

Naturalmente, essa secreção gordurosa é produzida pelas glândulas, atravessa os folículos pilosos (que são os orifícios por onde saem os pelos) e é eliminada juntamente com células mortas também presentes na pele. No entanto, quando a produção do sebo é excessiva, parte dele fica retida e acaba entupindo os poros.

O acúmulo de gordura atrai bactérias, sendo a mais comum delas a Proprionibacterium acnes, que liberam substâncias que irritam a pele.

Em consequência, há uma reação imunológica que “convoca” as células de defesa para combater o micro-organismo e, com isso, inicia-se uma reação inflamatória que resulta nas erupções avermelhadas que vemos no espelho. Os cravos, por sua vez, são resultado do mesmo processo inflamatório, só que menos intenso.

Fatores de risco

Muito se fala por aí que espinha é “coisa de adolescente” e que comer chocolate pode facilitar o surgimento de acnes. Mas será que isso é mesmo verdade? Entenda quais são os fatores de risco e suas explicações:

  • Puberdade: o aumento dos níveis de hormônios sexuais nesta fase da vida, que ocorre geralmente a partir dos 13 anos, faz com que as glândulas sebáceas trabalhem com mais intensidade. Assim, as chances de haver entupimento dos poros são muito maiores;
  • Período menstrual: também em razão da forte variação hormonal, a menstruação costuma levar ao surgimento de espinhas até mesmo em mulheres adultas;
  • Pele oleosa: as peles com mais oleosidade têm mais propensão à inflamação das glândulas sebáceas;
  • Síndrome do ovário policístico: a doença feminina também altera a produção hormonal e pode facilitar o surgimento de acnes;
  • Distúrbios da tireoide: problemas com a glândula que regula a produção de diversos hormônios facilitam o desenvolvimento de espinhas;
  • Estresse: níveis muito elevados de ansiedade e estresse podem desregular a produção de oleosidade e gerar o problema;
  • Uso de alguns medicamentos: o uso de corticoides pode facilitar o surgimento de espinhas;
  • Alimentos gordurosos: aqui pode entrar o chocolate, mas perceba que não é exatamente ele o responsável pelo problema, e sim os alimentos com teor muito alto de gorduras;
  • Exposição exagerada ao sol: ficar muito tempo tomando sol pode desregular o funcionamento das glândulas sebáceas;
  • Sudorese excessiva: transpirar demais pode contribuir para o entupimento dos poros da pele;
  • Muita maquiagem ou cremes faciais: o uso exagerado ou inadequado – como dormir sem adequada limpeza – de cosméticos para o rosto pode prejudicar a saúde da pele e propiciar o surgimento de acnes e cravos;
  • Predisposição genética: apesar de ser um problema comum e que afeta literalmente qualquer pessoa, ter certa predisposição às espinhas pode facilitar o processo infeccioso da pele.

Como prevenir espinhas?

 

Visão das costas de uma mulher com espinhas.

Africa Studio/Shutterstock

Em alguns casos, acabar com as espinhas é uma tarefa muito difícil, já que elas são um processo natural do corpo e raramente podem levar a complicações mais grave na saúde. No entanto, sabe-se que essas lesões afetam muito a autoestima, principalmente durante a adolescência.

Por isso, existem algumas dicas que você pode seguir para prevenir espinhas. Veja:

Cuidado com o sol

Evite permanecer no sol por muito tempo. Apesar de os raios ultravioletas terem um efeito antibacteriano sobre a pele, é importante não exagerar para não estimular a oleosidade.
Aposte na higiene

Lave o rosto com água e sabão ao menos duas vezes por dia.

Usar sabonetes que combatem a oleosidade pode ser interessante para eliminar espinhas, mas cuidado para não exagerar no uso pois a retirada demasiada do óleo pode gerar um efeito rebote que piora as espinhas. O mesmo vale para o uso de esfoliantes.

Retire a maquiagem antes de dormir

Se você tem o hábito de usar maquiagem, é importante removê-la completamente antes de dormir para evitar o entupimento dos poros.

Adote uma alimentação balanceada

Chocolate não está proibido, mas é bom evitar exageros não só dele como de qualquer outro alimento que seja rico em gorduras.

Como tratar acne?

Outra dúvida muito comum de quem sofre com o problema é em relação às formas de tratamento da acne.

As mesmas medidas de prevenção são excelentes para tratar as espinhas. Mas pode ser necessário apostar em cremes faciais e outros medicamentos tópicos ou orais sob orientação médica.

Os mais comuns são:

  • Antibióticos tópicos;
  • Retinoides tópicos;
  • Ácido azeláico;
  • Peróxilo de benzoíla.

Além disso, terapias hormonais, como uso de anticoncepcionais, e peelings também podem ser indicados para tratar e eliminar espinhas definitivamente.