Mycoplasma Genitalium: transmissão, sintomas e tratamentos

23 de novembro de 2018

|

POR Bruno Botelho dos Santos

Mycoplasma genitalium (MG) é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) pouco conhecida no Brasil devido a sua pouca prevalência no País, sendo mais comum na Europa. Por gerar sintomas semelhantes a outras condições, como clamídiagonorreia, muitas vezes seu diagnóstico leva tempo. Saiba mais:

Causas

 

bactérias de mycoplasma

Dr_Microbe/iStock

Mycoplasma genitalium pode ser adquirida por relações sexuais desprotegidas com uma pessoa infectada por essa bactéria.

Ela pode ser transmitida por via sexual, tanto por penetração vaginal e anal quanto por sexo oral.

Fatores de risco

A atividade sexual sem preservativos é o principal fator de risco, sendo recomendado seu uso em qualquer tipo de contato com genitais.

Ela ainda acrescenta que, por se tratar de uma infecção muitas vezes silenciosa, a falta de acesso ao diagnóstico impede o tratamento correto e proporciona perpetuação da transmissão.

Sintomas de Mycoplasma genitalium

Mycoplasma genitalium pode ser uma infecção assintomática, mas nos casos em que provoca sintomas pode haver:

  • Febre
  • Ardor e/ou dor ao urinar
  • Corrimento vaginal
  • Secreção uretral em homens
  • Dores pélvicas constantes
  • Dor durante relações sexuais
  • Abortos e até infertilidade, em casos mais graves

O sintomas dependem, basicamente, de cada organismo.

Nos homens, causa apenas uma uretrite, que é a inflamação na uretra, que pode ter como sintoma saída de secreção do pênis e dor na hora de urinar.

Já nas mulheres, começa com corrimento de odor e aspecto sem características especiais e pode evoluir para doença inflamatória pélvica aguda, ou seja, inflamação dos órgãos reprodutivos internos que pode evoluir com dor, febre e sangramento.

Diagnóstico

O diagnóstico preciso da infecção por MG é feito por meio do exame de Reação em Cadeia da Polimerase (PCR), que consegue identificar o DNA da bactéria no material coletado da vagina ou do pênis.

Por isso, é importante que o paciente seja rastreado para essa bactéria periodicamente, mesmo sem a presença e sintomas, o que possibilita o tratamento e a quebra da cadeia de transmissão.

Qual profissional procurar?

Os especialistas responsáveis por tratar Mycoplasma genitalium são urologista e ginecologista.

Tem cura?

 

antibioticos

amphotora/iStock

Mycoplasma genitalium tem cura. Para isso, é preciso que o diagnóstico e tratamento da IST sejam feitos o quanto antes e da maneira correta.

Tratamentos

O tratamento é feito com antibióticos. A primeira escolha são tetraciclinas, especialmente uma chamada doxiciclina.

Se a bactéria desenvolver resistência a esse remédio, a segunda linha a ser utilizada é uma classe de antibióticos chamada de macrolídeos, especialmente a azitromicina. É um tratamento similar ao utilizado na clamídia, mas que também tem encontrado certa resistência.

As quinolonas, que são outra classe de antibióticos, foram inicialmente usadas nestes microrganismos resistentes ao macrolídeos, mas não tiveram bons resultados.

Novas drogas estão sendo desenvolvidas, como a jozamicina e a pristimaricina, para organismos multirresistentes, mas ainda não há dados epidemiológicos e estatísticos suficientes para se comprovar a eficácia.

Convivendo com o problema

Um mês após o tratamento, é preciso realizar outro teste para ter certeza de que a infecção desapareceu. Caso a doença persista, será necessário passar por mais terapias.

Os parceiros sexuais também devem passar pelo teste e tratamento para que não haja risco de infectar outras pessoas.

Complicações

Mycoplasma genitalium pode causar algumas complicações, tanto para os homens quanto para as mulheres.

Homens

Para os homens, os riscos podem ser:

  • Uretrite crônica, que é uma infecção no canal da uretra
  • Infertilidade
  • Epididimite, no epidídimo, que é onde estão armazenados os espermatozoides
  • Artrite e conjuntivite (ambos são raros

Mulheres

Para as mulheres, as consequências de mycoplasma genitalium podem ser mais desagradáveis. A bactéria pode causar:

  • Aborto e infertilidade
  • Doença inflamatória pélvica crônica
  • Trabalho de parto prematuro, em casos de gestação
  • Pode ocorrer (raramente) casos de artrite e conjuntivite

Prevenção

 

camisinha

bagi1998/iStock

A melhor, e mais eficiente forma de prevenção de mycoplasma genitalium é a utilização de preservativos em todas as relações sexuais.

Além disso, é importante que periodicamente todos sejam submetidos a exames médicos, independente de apresentar ou não qualquer sintoma, e, quando necessário, a testes de detecção específicos.

 

Fontes

Ginecologista e obstetra Renata de Camargo Menezes, da Clínica Engravide e membro das Sociedade Brasileira de Reprodução Humana e de Reprodução Assistida – CRM/SP 99227

Mastologista Rogério Fenile, da Amil Saúde e membro titular da Sociedade Brasileira de Mastologia – CRM 83573

WebMD Medical Reference. What Is Mycoplasma Genitalium? Disponível em: www.webmd.com/sexual-conditions/mycoplasma-genitalium#1