Cancro mole: sintomas, como tratar, prevenção e mais sobre a IST

23 de novembro de 2018

|

POR Bruno Botelho dos Santos

Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) são doenças causadas por vírus, bactérias ou outros micro-organismos e transmitidas, principalmente, pelo contato sexual com uma pessoa infectada. Um desses problemas é o cancro mole. Também conhecido como cancroide, úlcera mole venérea ou “cavalo”, é  caracterizado por feridas na região genital. Entenda:

O que é cancro mole?

Cancro mole se trata de uma infecção altamente contagiosa causada pela bactéria Haemophilus ducreyi, que é liberada por meio de secreção, expelida por feridas abertas ou úlceras da pessoa infectada, que penetra a pele de outra pessoa através de microlesões causadas pelo atrito sexual.

Fatores de risco

Gênero

A prevalência no sexo masculino é superior em comparação ao feminino, na proporção de 20 homens para cada mulher.

Saneamento básico e higiene

O cancro mole é mais comum em zonas tropicais, principalmente em regiões mais pobres e com maus hábitos de higiene.

Quem mora ou costuma viajar para países que carecem de saneamento básico tem mais risco de desenvolver essa e outras doenças.

Sexo desprotegido

Pessoas que têm relações sexuais desprotegidas apresentam mais chance de contrair essa e outras IST’s.

Sexo anal

Práticas sexuais de maior risco, como sexo anal, sem o devido uso do preservativo também agregam maior risco.

Infecção por HIV

AIDS aumenta o risco de ter cancro mole por prejudicar a imunidade, deixando o organismo mais vulnerável a micro-organismos maléficos.

Sintomas de cancro mole

 

cancro mole no pênis

Dr_Microbe/iStock

Os sintomas de cancro mole podem variar em homens e mulheres, mas normalmente surgem de 4 a 7 dias após a exposição à bactéria.

Inicialmente, pode haver sintomas gerais – como dor de cabeça, febre e fraqueza –, seguidos pelo aparecimento de lesões tipo úlceras de 1 a 2 cm, normalmente dolorosas, cobertas por secreção amarelada e que sagram facilmente quando tocadas. Essas lesões são parecidas com aftas e concentram-se em uma região avermelhada.

“Em 30 a 50% dos casos, principalmente nos homens, há o desenvolvimento do ‘bubão’, que é uma íngua na região da virilha, normalmente unilateral, que pode ficar grande, avermelhada, dolorosa e até apresentar saída de pus”, conta Andréia Gozzi, ginecologista do Instituto Lerner.

Os sintomas podem ser:

  • Úlceras
  • Dor no sexo
  • Dor ao urinar
  • Inchaço na virilha

No homem

Os sintomas de cancro mole em homens podem surgir em qualquer área dos genitais, mas costumam ser mais comuns no pênis (normalmente na glande) e no saco escrotal.

Eles se caracterizam por uma pequena protuberância vermelha nos genitais que pode evoluir para uma ferida aberta em alguns dias.

Na mulher

A infecção é menos comum em mulheres e, neste gênero, pode não apresentar sintomas. Quando eles aparecem, se localizam na entrada da vagina, na parte interna dos grandes lábios ou nos pequenos lábios.

Ainda podem haver lesões discretas no colo uterino e na parede vaginal.

Por fim, feridas fora dos genitais não são frequentes, mas há casos de aparecimento entre os lábios, no ânus ou nas coxas.

Diagnóstico

Ao notar qualquer lesão genital é importante procurar um médico para investigar o problema, principalmente porque ele pode ser confundido com outras doenças, como herpes e sífilis.

O diagnóstico de cancro mole é obtido por meio de exames como:

  • Exames de sangue para descartar a possibilidade de outras doenças
  • Teste molecular
  • Pesquisa de DNA
  • Esfregaço para análise do conteúdo da úlcera

Qual profissional devo procurar?

É importante consultar um especialista para que o diagnóstico e o tratamento de cancro mole sejam bem-sucedidos. Os mais indicados são:

  • Urologista
  • Infectologista
  • Clínico geral
  • Ginecologista

Tem cura?

O cancro mole tem cura desde que os tratamentos sejam realizados corretamente.

Caso a doença não receba o tratamento adequado, pode causar problemas permanentes. Nos homens pode gerar cicatrizes no órgão genital, enquanto nas mulheres pode causar infecções graves.

Tratamentos para cancro mole

 

Antibióticos

South_agency/iStock

Cancro mole pode ser tratado com com medicação ou cirurgia.

Remédios

Os medicamentos utilizados são os antibióticos, que matam bactérias que causam as úlceras. Esses remédios só devem ser tomados com prescrição do médico. Eles podem ser:

  • Azitromicina
  • Ceftriaxone
  • Ciprofloxacino
  • Sulfametoxazol-trimetropim
  • Eritromicina
  • Analgésicos e anti-inflamatórios também podem ser utilizados para ajudar no controle dos sintomas

Drenagem ou cirurgia

Nos casos graves, com lesões maiores e dolorosas, é possível drenar as úlceras com uma agulha ou ao realizar um procedimento cirúrgico para tal.

Isso proporciona redução do inchaço e da dor. Esses métodos também trazem a cura para o cancro mole, mas podem deixar algumas cicatrizes leves no local.

Convivendo com o problema

Durante o tratamento, é preciso tomar algumas medidas para evitar que o quadro piore e acelerar a cura:

  • Manter boa higiene local
  • Manter abstinência sexual até que a infecção esteja curada
  • Beber bastante água
  • Se alimentar de maneira saudável
  • Pedir para que os parceiros sexuais também façam os exames para o cancro mole, mesmo que os sintomas não se manifestem

Complicações 

A presença de uma infecção sexualmente transmissível aumenta o risco de contrair outras IST’s e, neste caso, é muito comum a associação com a sífilis.

Prevenção

A melhor forma de prevenção – não só de cancro mole, mas de todas as ISTs – é o uso de preservativos em todas as relações sexuais.

A ginecologista ressalta que a camisinha deve ser usada durante todo o ato sexual, pois mesmo sem a ejaculação há riscos de transmissão de micro-organismos patológicos.

 

Fontes

Urologista Paulo Egydio, diretor da Clínica Dr. Paulo Egydio – CRM 67482

Ginecologista Andréia Gozzi, do Instituto Lerner – CRM 153790