Vacinação infantil: por que alguns pais não querem vacinar?

Atualizado em 26 de julho de 2019

|

POR Gabriela Simionato

Seja por medo de desenvolver doenças ou até pela sensação de que aquela prevenção é desnecessária, muitos pais ignoram a vacinação infantil e optam por não vacinar seus filhos pequenos.

A escolha, no entanto, pode ser arriscada, especialmente ao considerarmos a importância da vacinação para a saúde infantil. Ouvimos diversas especialistas no assunto para entendermos ao certo o que leva alguns pais a não vacinarem os filhos e desvendarmos de uma vez por todas os mitos que cercam a vacinação infantil.

Por que a vacinação infantil é importante?

“A falta de vacinação pode expor a criança a diversos vírus que causam problemas à saúde, além da possibilidade de trazer de volta doenças erradicadas após anos de campanhas”, analisa Thamyres Lourenço das Neves, pediatra da rede de centros médicos Dr. Consulta.

Jacyr Pasternak, infectologista do Hospital Israelita Albert Einstein, concorda. “Não há nenhum motivo para não vacinar uma criança. Essas doenças não só podem matar a criança não vacinada como outras crianças com as quais ela tem contato, especialmente as muito pequenas, abaixo dos quatro meses, que não têm vacinação completa.”

Muitos pais justificam a escolha da não vacinação por acreditarem que as vacinas podem facilitar o surgimento de doenças autoimunes, por exemplo.

“Existem muitos mitos que envolvem as vacinas e isso compromete a confiança dos pais. É o que ocorreu com a vacina do sarampo, que foi erroneamente relacionada ao desenvolvimento de autismo, algo que foi comprovado cientificamente que não era verdadeiro”, afirma Deborah Ascar Requena Perez, pediatra do Hospital Assunção, da Rede D’Or São Luiz.

“O que é possível de se garantir é que independente de qual seja o efeito colateral da vacina é sempre menos grave do que a ocorrência da doença”, completa.

Os efeitos colaterais

Algumas vacinas podem, sim, causar efeitos colaterais. Eles estão relacionados ao fato de haver um processo inflamatório após a criança ser vacinada.

Febre, inchaço e vermelhidão no local da aplicação são comuns. Os efeitos colaterais que se parecem com a doença para qual se visa prevenir acontecem na aplicação de vacinas chamadas vivas atenuadas (compostas de microrganismos vivos atenuados em laboratório), como a de sarampo. Ao mesmo tempo, elas são as com melhor resposta imune, que precisam de menos doses para garantir a imunidade”, explica Thamyres.

Apesar de haver uma preocupação com os efeitos das vacinas, é importante ressaltar que, na maior parte dos casos, não é uma prática opcional. Pais devem buscar uma forma de prevenir seus filhos de doenças e seguir os calendários de vacinação, que podem ser conferidos em postos de saúde.

Vacinas obrigatórias

Para os recém-nascidos

Para crianças a partir de 2 meses

Fontes
André Ricardo Araújo, médico infectologista do Prontobaby – Hospital da Criança, e Deborah Ascar Requena Perez, pediatra do Hospital Assunção, da Rede D’Or São Luiz.