Quais os efeitos do bullying nas crianças?

16 de outubro de 2017

|

POR Bruno Botelho dos Santos

Bullying é um dos temas do momento. Muitas pesquisas estão sendo conduzidas para entender exatamente como ele se manifesta, quais as suas principais causas e, agora, quais os efeitos do bullying na saúde mental das crianças no longo prazo.

Um novo estudo, publicado em uma revista científica norte-americana, tenta jogar luz sobre essa questão. E as descobertas, até então, são bastante animadoras. Segundo a pesquisa, crianças que sofreram bullying na escola tendem a desenvolver mais resiliência ao longo da vida, e mesmo que sejam acometidas por doenças como ansiedade e depressão, elas tendem a melhorar com o passar do tempo.

É o que explica Jean-Baptiste Pingault, o principal autor do estudo. De acordo com ele, pesquisas anteriores mostraram que crianças vítimas de bullying são mais propensas a sofrerem com problemas de saúde mental, mas apresentaram poucas evidências de que o bullying está diretamente ligado ao desenvolvimento dessas doenças.

Para o especialista, outros fatores podem contribuir para que crianças que são intimidadas na escola desenvolvam ansiedade e depressão, como fragilidades pré-existentes. Neste sentido, o bullying seria o gatilho para que os sintomas se manifestem nas crianças.

A boa notícia é que os efeitos do bullying não devem perdurar por muitos anos após o fim da infância.

Mais sobre o estudo

A pesquisa envolveu 11.108 participantes do Twins Early Development Study (TEDS), cuja sede fica na King’s College de Londres e que tem como objetivo estudar a manifestação de doenças e comportamentos diversos entre gêmeos idênticos e fraternos.

De acordo com os estudiosos, a ideia de estudar gêmeos permitiu que eles pudessem estudar de que forma os genes e o ambiente em que a criança está podem influenciar no desencadeamento de problemas de saúde mental.

Efeitos do bullying para a saúde mental

A conclusão foi de que os gêmeos que têm pré-disposição para depressão e ansiedade e que também sofreram bullying manifestaram sintomas ao longo de dois anos, mas cinco anos depois esses mesmos sintomas já haviam diminuído consideravelmente, indicando que a recuperação dos efeitos do bullying é possível ainda no médio prazo.

Para os pesquisadores, fica claro que o bullying pode desencadear, sim, problemas para a saúde mental das crianças, mas não é a única razão para que isso ocorra. Ainda assim, os resultados mostram que as crianças que sofrem de intimidação, seja na escola ou em qualquer outro ambiente, precisam de apoio contínuo para que os efeitos do bullying não perdurem por mais tempo que o normal.