Pílula do dia seguinte: como funciona, contraindicações e efeitos colaterais

16 de novembro de 2017 ● POR Marina Zyrianoff

Pílula do dia seguinte é o nome popular que se deu para a pílula contraceptiva de emergência — uma forma de prevenir a gravidez depois que o ato sexual desprotegido foi consumado.

Se a pílula for usada em até 72 horas após a relação, as chances da gestação ser impedida são de aproximadamente 75%, em média, podendo variar de acordo com o tipo e com o tempo decorrido após a relação.

Também conhecido como PDS, o remédio é vendido popularmente nas farmácias sem necessidade de prescrição médica.

Como a pílula do dia seguinte funciona?

Dose única versus dose fracionada

É possível encontrar dois tipos de pílulas do dia seguinte: embalagens com um comprimido único de 1500 mcg ou embalagens com dois comprimidos de 750 mcg, que são tomadas em duas doses.

Quando se opta pela PDS em duas doses, o primeiro comprimido precisa ser ingerido, no máximo, 72 horas após a relação sexual desprotegida, e o segundo comprimido deve ser tomado 12 horas após a administração da primeira dose.

Se optar pela pílula de dose única, o comprimido deve ser ingerido no máximo até 72 horas após a relação desprotegida — o que pode ser uma boa opção pela facilidade de administração, afinal você não corre o risco de esquecer de tomar a segunda dose.

Efeitos colaterais da pílula

Por ser um remédio com muitos hormônios, cerca de 1 hora após tomar o comprimido é possível notar alguns efeitos indesejáveis, como náuseas, dores de cabeça, dores na mama e, no longo prazo, irregularidades na menstruação.

Para aquelas que tomam a pílula regularmente — o que não é correto — há efeitos psicológicos, como irritabilidade elevada, sensação de culpa acentuada e também sinais do excesso de hormônios no organismo, como o surgimento mais frequente de acnes, oleosidade no cabelo e acúmulo maior de gordura.

Além disso, apesar de ser um método interessante e comprovadamente eficaz, sua eficácia é reduzida em função do tempo. Ou seja, quanto mais se demora para utilizar a pílula, maior a chance de ela falhar.

Gravidez fora do útero

A pílula do dia seguinte diminui o movimento natural das trompas, atividade que faz com que o óvulo fecundado seja enviado ao útero para se desenvolver.

Quando isso acontece, o óvulo pode ficar parada nas trompas, sem chegar ao útero, mas desenvolver o feto mesmo assim. Estes casos são chamados de “gravidez fora do útero”, ou gravidez ectópica.

É importante ressaltar, porém, que a causa mais comum deste tipo de gestação, que ocorre no lugar errado do sistema reprodutivo da mulher, é alteração da trompa por infecções e inflamações pélvicas.

A gravidez ectópica é perigosa, porque se a trompa se romper com o crescimento do feto pode haver hemorragia interna, colocando em risco não somente o desenvolvimento do futuro bebê como a vida da mãe também.

Há contraindicações?

Se você tem histórico ou risco acrescido de trombose, fique atenta. Todas as contraindicações existentes para a pílula anticoncepcional servem também para a pílula do dia seguinte, até porque uma dose da PDS contém o equivalente à metade de uma cartela inteira de pílulas anticoncepcionais tradicionais.

A pílula do dia seguinte deve ser sempre considerada um método emergencial e nunca deve ser utilizada como método anticoncepcional de rotina. Além disso, antes de ingerir qualquer medicamento, é importante procurar um médico e ler sempre a bula.

Por que a pílula do dia seguinte foi inventada?

Ela foi inventada num cenário em que uma parcela considerável das mulheres que ficam grávidas, na realidade, não queriam engravidar. E muito se engana quem pensa que isso é uma realidade mais frequente em países mais pobres.

Para se ter uma ideia, segundo um estudo conduzido por pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos de 2012, apesar do número de gestações ser menor em números absolutos, a taxa de gravidezes indesejadas é maior na Europa do que na África. Veja abaixo a média de gestações não intencionais por região:

  • África: 35%
  • Ásia: 38%
  • Europa: 45%
  • América Latina e Caribe: 56%
  • América do Norte: 51%
  • Oceania: 37%

Segundo números ainda mais recentes, só nos Estados Unidos 45% das 6,1 milhões de novas gestações que ocorrem todos os anos são indesejadas. Na França, 1/3 das gravidezes também são não intencionais, enquanto que na Inglaterra este número representa 1/5 do total.

Por essa razão, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a pílula do dia seguinte uma excelente alternativa para reduzir os danos da ausência ou do não uso de métodos contraceptivos tradicionais — camisinha masculina, camisinha feminina, pílula anticoncepcional, entre outros.

Ainda segundo a entidade máxima da saúde internacional, a verdade é que mesmo que todos esses métodos de prevenção da gravidez fossem usados corretamente, ainda assim ocorreriam 5 milhões de gestações indesejadas.