O que é corrimento vaginal? Ele é sempre sinal de doença? Descubra

Atualizado em 10 de abril de 2019

|

POR Amanda Grecco

O corrimento vaginal é resultado de um desequilíbrio na vagina, caracterizado por um fluxo vaginal, volume, coloração e consistência diferentes do comum. Ele pode ou não vir acompanhado por um cheiro desagradável, além de provocar irritação, coceira ou ardência na vagina ou na vulva e vontade de urinar com mais frequência.

Muitas mulheres associam imediatamente o corrimento a algum problema de saúde, mas nem sempre é o caso. Na maioria das vezes, ele é somente uma reação natural que o aparelho sexual da mulher produz quando se sente atacado ou protegido.

Mesmo o corrimento com mau cheiro não indica necessariamente que há algo de errado. No entanto, é sempre bom ficar atenta a outros sinais que podem vir acompanhados do odor desagradável.

Abaixo, colocamos algumas informações úteis sobre o que é corrimento vaginal para você entender exatamente quando a presença dele é normal e quando talvez seja o momento de procurar um ginecologista. Confira!

Quais problemas de saúde podem acometer a vagina?

Normalmente, qualquer infecção ou inflamação vaginal é denominada pelo diagnóstico médico como “vaginite”. Isso não quer dizer muita coisa, além de que não está tudo 100% bem.

Quando o problema não é vaginite, costuma ser uma vulvite ou cervicite — a primeira é uma inflamação da vulva e a segunda, do colo do útero.

Entretanto, tampouco é motivo para se desesperar, pois quase todas as mulheres do mundo sofrem dessas desordens com certa regularidade. No entanto, é natural também que elas provoquem alguns sintomas desagradáveis. E isso acontece por diversos motivos que têm nada a ver com falta de higiene na grande maioria dos casos.

Às vezes, inclusive, estes sinais podem ser provocados justamente pelo uso de sabonetes farmacêuticos na região da vulva, que alteram o pH e destroem toda a proteção natural da vagina. Sim, pode ser que a própria higienização ajude a provocar esse desequilíbrio.

Vagina não é suja

De todo modo, é importante que toda mulher saiba que a vagina não é suja, muito pelo contrário: a vagina é um ambiente extremamente limpo e cheio de micro-organismos que se responsabilizam pela manutenção do equilíbrio deste ambiente.

Lembra que você sempre ouviu falar que yakult faz bem por ter lactobacillus vivos? Eles nada mais são do que micro-organismos que beneficiam a saúde do nosso intestino. Da mesma forma ocorre com a vagina.

Além disso, nosso corpo precisa de micro-organismos ativos para que ele permaneça vivo. Caso falte equilíbrio nessa riquíssima diversidade que nos habita, problemas podem vir à tona — dentre eles, as vaginites que normalmente são acompanhadas pelo tão famoso corrimento.

Junto dele, também podem aparecer outros sintomas, como cheiro anormal, coceira, ardência e vermelhidão, entre outros.

O que é corrimento vaginal?

Como já mencionado, o corrimento vaginal é um muco que o aparelho sexual feminino produz quando se sente atacado ou desprotegido. Na grande maioria das vezes, está tudo bem. Por isso, lembre-se: calcinha molhada não é necessariamente sinal de doença.

“Corrimentos são diferentes da secreção vaginal normal diária, mas não é motivo para desespero”, explica a obstetriz Ellen Vieira. “A secreção de todos os dias apresenta pouco volume, costuma ser esbranquiçada, sem cheiro e sem provocar irritações de qualquer tipo”.

Ellen explica, porém, que é muito normal que as mulheres confundam a lubrificação normal da vagina com corrimento e cheguem ao consultório alegando “ter corrimento desde nova”.

A obstetriz esclarece que corrimento não é uma problema crônico, sendo que muitas vezes realmente surgem pequenas alterações na flora vaginal que podem causar uma secreção diferente, porém passageira.

Como driblar os incômodos do corrimento?

Se o corrimento não for provocado por nenhum problema de saúde específico, na maioria das vezes ele pode ser resolvido sem tratamento, apenas com o fortalecimento da imunidade da mulher e por meio de algumas mudanças de hábitos simples, como:

  • Trocar o tipo de tecido de roupas íntimas e priorizar calcinhas de algodão, por exemplo;
  • Permanecer o maior tempo possível sem calcinha;
  • Evitar o uso de roupas apertadas e/ou sintéticas;
  • Não permanecer muito tempo com roupas molhadas;
  • Evitar o uso de sabonetes íntimos com bactericidas.

Corrimento depende do momento do ciclo

Também é preciso observar que o muco natural da vagina sofre alterações conforme o ciclo feminino. No período infértil, por exemplo, ele costuma ser branco e seco, semelhante a uma cola líquida.

Já no período ovulatório, ele costuma ser mais abundante, claro e elástico.

Na gestação, por outro lado, é extremamente normal que a quantidade de muco aumente, mas isso tampouco significa alguma coisa grave.

“Ter muco na vagina é saudável e não deve ser tratado. A vagina é formada também por um tecido de mucosa, portanto, tem umidade e muco. O que existem são algumas medidas que ajudam a aliviar sintomas que venham acompanhados deste corrimento”, explica Ellen.

Portanto, muco branco ou transparente que não esteja acompanhado de outros sintomas não é corrimento, e sim a secreção vaginal de todos os dias.

No entanto, se você notar coloração anormal, secreção abundante, cheiro forte ou outros desconfortos, este é o momento para dar atenção à vagina e entender o que pode estar acontecendo.