Você sabe o que é afta? Conheça as causas e tratamentos dessa ferida na boca

Atualizado em 31 de outubro de 2019

|

POR Bruno Botelho dos Santos

Sabe aquelas feridas na boca que incomodam bastante e ardem? São as famosas aftas, um dos problemas de saúde bucal mais comuns que existem e que podem dificultar a ingestão de alimentos e até mesmo a fala.

Elas aparecem muitas vezes em quem tem o costume de escovar os dentes excessivamente, mas podem ter diversas outras causas. E apesar de ser bem comum, muita gente não sabe exatamente o que é afta e nem o que pode provocá-la.

A boa notícia é que afta quase nunca é um problema grave, mas é bom ficar atento. Em geral, ela dói e pode incomodar por alguns dias ou até semanas, dependendo da extensão da ferida e da sua causa.

Abaixo, você fica sabendo tudo sobre a afta e conhece dicas para evitá-las e tratá-las sempre que aparecerem. Confira!

O que é afta?

As aftas, também conhecidas como estomatite aftosa recorrente, é uma resposta autoimune, caracterizada pela formação de úlceras na mucosa interna da boca, e que são benignas e não contagiosas.

Elas costumam aparecer no céu da boca, nos lábios, nas gengivas, na língua e até mesmo na garganta (que são casos mais raros). Possuem uma coloração branca ou amarelada no centro (topo da ferida) e contorno avermelhado.

A afta é uma ferida normalmente dolorosa e bastante incômoda, que costuma se desenvolver a partir de pequenas lesões que já existiam na área afetada.

Assim, nada mais são do que uma resposta do próprio organismo a uma lesão pré-existente. As nossas células de defesa tentam resolver o problema e causam uma reação inflamatória exagerada, que se torna a afta.

A dor provocada pela afta geralmente dura de uma a duas semanas, e durante esta etapa é importante manter uma boa higiene bucal e evitar alimentos ácidos ou picantes, que podem acabar agravando as dores e prejudicando a cicatrização.

Existe mais de um tipo de afta?

Sim. A afta na boca pode apresentar diferentes tipos de acordo com sua forma e tamanho, manifestações clínicas e localização dentro da boca. Conheça e diferencie os três tipos de aftas existentes:

  • Aftas menores (aftas minor): são pequenas úlceras, por volta de 2 a 8 milímetros, que normalmente se localizam nas zonas moles da mucosa oral. É o tipo de afta mais frequente, ocorrendo em cerca de 80 a 90% dos casos, e costuma durar entre 6 dias a 2 semanas.
  • Aftas maiores (aftas major): essas costumam aparecer em áreas mais isoladas, como nos lábios, língua, faringe, palato e na zona interna das bochechas. O tamanho delas costuma ser de 1 centímetro, sendo mais profundas do que as aftas menores. São menos frequentes, por volta de 5% a 10% dos casos, e duram mais tempo para sair, cerca de 6 semanas a 2 meses.
  • Herpetiformes (agrupadas): costumam aparecer múltiplas lesões (entre 10 e 100 lesões) por toda a boca. Em geral, têm 3 milímetros e podem eventualmente se juntar e formar úlceras maiores. Como as maiores, este tipo também é pouco frequente, podendo representar de 5 a 10% dos casos.

Possíveis causas e sintomas

As causas específicas para a afta ainda não são conhecidas, mas podem ser atribuídas a diversos fatores. Além disso, sabe-se que ela não é contagiosa.

Uma causa bastante comum é a imunidade baixa, mas não é a única. Confira outros fatores que podem causar afta:

  • Traumas locais, como mordidas acidentais;
  • Estresse psicológico;
  • Acidez excessiva na boca;
  • Problemas no sono, como poucas horas de descanso;
  • Helicobacter pylori, a mesma bactéria que causa úlcera gástrica;
  • Propriedade de algumas pastas de dentes que contenham sódio-lauril-sulfato;
  • Alguns alimentos, como café, chocolate e refrigerantes;
  • Consumo de cigarros (tabagismo);
  • Fatores hormonais, como alterações durante o ciclo menstrual;
  • Problemas gastrintestinais, como doença Celíaca, doença de Crohn ou Síndrome de Behçet e refluxo gastroesofágico;
  • Deficiência de algumas vitaminas e minerais, como vitaminas do complexo B (B6, B9 e B12, principalmente), vitamina C, ferro e zinco;
  • Uso de alguns medicamentos, como anti-inflamatórios, rapamicina, metotrexato, atenolol e aspirina.

Sinais e sintomas da afta

O principal sintoma de afta é a presença de uma ferida dolorosa e incômoda na boca, podendo atrapalhar a alimentação e a fala.

Mas outros sintomas que podem aparecer por causa do problema, principalmente em casos mais graves. Por isso, é bom ficar atento aos sinais.

Mas não se esqueça: alguns dos sintomas descritos abaixo, quando acompanhados das feridas, não necessariamente indicam um problema grave de saúde. Se tiver dúvidas ou suspeitas de algo mais sério, é fundamental consultar um médico antes de tomar qualquer medida:

  • Febre e dores (na boca ou rosto);
  • Ardência e coceiras na região da ferida;
  • Formigamento dentro da boca ou vermelhidão excessiva e aparente;
  • Inchaço nos linfonodos;
  • Pequenas feridas abertas no interior da boca;
  • Sangramentos quando há lesão na área afetada;
  • Perda do paladar e ressecamento na parte lateral da boca;
  • Indisposição frequente;
  • No caso de bebês ainda em fase de amamentação, irritação e choro quando estão no peito.

Saiba identificar uma afta

As características da afta são: aspecto circular ou oval com pequenas crateras, fundo de coloração branca/cinzenta ou amarelada no centro (topo da ferida) e vermelhidão ao redor da região.

Existe tratamento?

As aftas mais comuns (que são as menores) geralmente não precisam de tratamento específico, já que elas desaparecem espontaneamente em até duas semanas.

Caso a pessoa esteja com muita dor ou dificuldade para ingerir alimentos ou falar, pode-se recorrer a algumas formas específicas de tratamento, que ajudam a aliviar o problema, como:

  • Bochechos (enxágues bucais);
  • Uso de medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos (devidamente prescritos por um dentista);
  • Aplicação de pomadas ou medicamentos para reduzir a acidez do estômago (se as aftas tiverem a ver com algum problema gastrointestinal).

Outras dicas

Você ainda pode adotar outras medidas terapêuticas para auxiliar na recuperação da afta. Uma delas é evitar alimentos ácidos ou muito condimentados (já podem causar irritação na mucosa da boca).

Outra é passar a escovar os dentes mais suavemente, uma vez que  intensidade excessiva na escovação pode agravar o problema.

Os casos de afta que demoram mais tempo para passar, geralmente ultrapassando 2 semanas, ou que forem recorrentes, podem ser sinais de problemas mais graves específicas. Então, neste caso, o mais indicado é procurar um médico/dentista e investigar o que realmente pode estar provocando as aftas.