Prefeito Bruno Covas está com câncer digestivo e descobriu por acaso

Atualizado em 28 de outubro de 2019

|

Após ser hospitalizado para tratar um quadro erisipela, infecção de pele causada por bactérias, o prefeito de São Paulo Bruno Covas foi diagnosticado com câncer no trato digestivo. Boletim do Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista, em que está internado desde quarta-feira (23), revelou que o político também apresenta trombose venosa pulmonar e das veias da perna.

Prefeito de São Paulo está com câncer

Bruno Covas foi atendido no pronto-socorro do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, no sábado (19), após sentir mal-estar. Foram-lhe prescritos antibióticos, cujo resultado não foi satisfatório, o que levou o prefeito a buscar atendimento com o infectologista do Hospital Sírio-Libanês, David Uip, na quarta-feira (23). Covas foi diagnosticado com erisipela, que é uma infecção de pele bacteriana que gera manchas avermelhadas e doloridas, e internado sob recomendação de Uip.

Já na sexta-feira (25), ainda no hospital, o político descobriu o quadro de trombose nas veias fibulares – formação de coágulo sanguíneo em uma veia profunda – e tromboembolismo nos dois pulmões, o que gerou curiosidade por parte da equipe médica, visto que Covas não se encaixa no grupo de risco para trombose, o qual inclui mulheres, tabagistas e usuárias de anticoncepcionais hormonais.

No sábado (26), foram realizados exames para investigar o diagnóstico incomum, entre eles o pet scan, que revelou um tumor digestivo.

Uma laparoscopia diagnóstica com biópsia revelou que o tumor é maligno e está localizado na região da cárdia, porção entre o esôfago e o estômago, com metástase no fígado. O prefeito passará por quimioterapia.

Ainda não há previsão de alta ou definição sobre afastamento de Covas do cargo de prefeito.

Tumor digestivo: entenda a doença

Os tumores gastrointestinais são anormalidades que se desenvolvem no esôfago, no estômago ou no intestino. A maioria ocorre em pessoas acima dos 50 anos e é fruto de mutação do gene que controla o crescimento e a reprodução das células.

Os sintomas de tumor digestivo dependem do órgão acometido, mas geralmente incluem dor abdominal, sangramento, má digestão, perda de peso, alteração da saciedade, náusea e vômito.

Se o tumor não tiver se disseminado para outros órgãos, pode ser removido cirurgicamente. Todavia, casos de metástase costumam ter prognóstico pior e quase sempre envolvem tratamento quimioterápico.

Diagnóstico precoce

A chance de cura é maior quando o diagnóstico ocorre ainda nos estágios iniciais do tumor, porém isso nem sempre é possível, visto que os sintomas costumam se apresentar somente nas fases avançadas. Ainda sim, como no caso de Bruno Covas, é possível descobrir a doença por meio de exames de rotina ou que visam a investigação de outros quadros.