Lesão que vitimou Lady Francisco é comum em idosos: como evitar?

15 de maio de 2019

|

POR Bruno Botelho dos Santos

A atriz Leyde Cauquer Francisco, conhecida como Lady Francisco, morreu no último sábado (25) após complicações de uma cirurgia no hospital Unimed Barra, no Rio de Janeiro. A artista de 84 anos fraturou o fêmur durante uma queda no dia 28 de abril.

Entenda mais sobre o quadro que vitimou a artista.

Causa da morte de Lady Francisco

De acordo com a filha da atriz, Andrea Frank, Lady sofreu uma queda que resultou na fratura do fêmur.

Segundo boletim médico do Hospital Unimed-Rio, ela precisou passar por cirurgia para correção de fêmur, mas desenvolveu complicações respiratórias no pós-operatório.

Desde 1972 na televisão, a atriz teve destaque na novela “Jerônimo: o herói do sertão” (1972) – da extinta TV Tupi – e em “Barriga de aluguel” (1990), da Rede Globo. A última vez na qual atuou na telinha TV foi em “Malhação – Vidas brasileiras”, exibida até abril deste ano na Globo.

Fratura do fêmur

O fêmur é maior osso do corpo humano. Ele localiza-se na coxa e liga a bacia até o joelho.

Como ocorre?

A fratura do fêmur é causada por trauma direto, que pode ser causado por:

  • Quedas
  • Golpes fortes na região
  • Acidentes automobilísticos
  • Torções graves

É comum em idosos?

A fratura no fêmur é mais comum a partir dos 50 anos, período no qual a osteoporose – doença que gera perda de massa e enfraquecimento ósseo – costuma estar mais presente.

Assim, a partir dessa faixa etária, qualquer queda ou trauma apresenta risco aumentado de fratura.

Como é o tratamento?

Praticamente todos os casos de fratura no fêmur necessitam de tratamento cirúrgico. No procedimento, é colocada uma placa metálica para consolidação do osso. Ainda é possível haver a necessidade de prótese de fêmur.

Devido às tecnologias avançadas envolvidas na cirurgia, na maioria dos casos os pacientes conseguem sentar no dia seguinte à cirurgia e andam com auxílio de andador em uma semana.

Em média, são necessários seis meses para a recuperação total, embora o prazo dependa das condições e disposição do paciente. Algumas atividades, como andar bastante, podem promover uma recuperação precoce.

O procedimento cirúrgico só não é realizado em pessoas que não tenham condições de saúde para tal, como portadores de doenças que prejudicam a circulação ou afetam o coração.

Qual a chance de morte?

Dependendo do grau de ruptura do osso do fêmur, pode ocorrer sangramento grave e até mesmo embolia gordurosa, mas nenhuma dessas complicações leva à morte.

O risco existe quando o paciente não aguenta a cirurgia, que exige anestesia geral e uma longa incisão, embora ela seja imprescindível para a continuidade da vida.

As complicações, mais comuns em idosos, não surgem da fratura do fêmur, mas sim do procedimento cirúrgico. Normalmente, são pulmonares.

Há como prevenir?

Não há um modo de prevenção 100% eficaz para a fratura. As únicas medidas recomendadas são evitar os traumas e quedas, o que pode ser feito em idosos com uso de andador e bengala.

Rastrear e controlar a osteoporose também é recomendado, o que deve ocorrer a partir dos 40 anos por meio da realização do exame de densitometria óssea a cada dois ou três anos. Caso a doença seja identificada, deve ser tratada com medicamentos para melhor a massa óssea.

Fontes

Ortopedista Agnaldo de Oliveira, do Hospital Edmundo Vasconcelos.