Gordura marrom combate doenças causadas por excesso de BCAA

Atualizado em 22 de agosto de 2019

|

Um estudo da Universidade Estadual de Nova Jérsei, nos Estados Unidos, descobriu que nem toda gordura corporal é ruim: existe um tipo capaz de combater obesidade e diabetes. A polêmica gordura marrom pode, inclusive, ser o ponto de partida para a produção de novos medicamentos. Entenda:

Gordura marrom e BCAA

Publicado na revista Nature, o estudo feita por cientistas da Universidade de Nova Jérsei e de outras instituições teve como objetivo analisar as funções da gordura marrom, um tecido adiposo responsável pelo armazenamento de energia e mantimento do calor corporal.

Já era sabido que esse tecido usa glicose e gordura para gerar calor no corpo perante baixas temperaturas, mas a novidade é que ele ajudar a filtrar e remover aminoácidos de cadeia ramificada (BCAAs) do sangue – que são encontrados em ovos, carne, peixe, frango e leite, além de estarem presentes em suplementos para aumento de massa muscular.

Em concentrações normais no sangue, esses aminoácidos fazem bem à saúde, mas seu excesso está ligado ao diabetes e à obesidade.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas com pouca ou nenhuma gordura marrom, como idosos, obesos e diabéticos, apresentam capacidade menor de eliminar os BCAAs do sangue, o que pode levar ao desenvolvimento das doenças citadas acima.

Portanto, suplementos de BCAAs podem potencialmente beneficiar pessoas com gordura marrom ativa, mas prejudicam as outras.