Esses dez fatores ameaçam sua saúde em 2019, segundo a OMS

21 de janeiro de 2019

|

POR Ligia Lotério

A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um relatório das 10 ameaças ligadas à saúde que o mundo enfrentará em 2019, o qual engloba doenças evitáveis até aquelas que são agravadas por mudanças climáticas ou resistência a medicamentos.

O documento tem como objetivo servir de base para um plano de ação estratégico de cinco anos que visa garantir que 1 bilhão a mais de pessoas tenham acesso à cobertura universal de saúde, estejam protegidas de emergências e desfrutem de mais qualidade de vida e bem-estar.

Confira as principais questões que demandarão atenção no campo da saúde em 2019:

10 principais ameaças à saúde em 2019

1. Poluição do ar e mudança climática

De acordo com a OMS, nove em cada dez pessoas respiram ar poluído todos os dias, sendo este o maior risco ambiental para a saúde em 2019.

Os poluentes podem carregar micro-organismos e tóxicos capazes de afetar os sistemas respiratório e circulatório, aumentando o risco prematuro de doenças como câncer, AVC e doença pulmonar obstrutiva crônica.

Além disso, de 2030 a 2050 espera-se que a mudança climática cause 250 mil mortes por ano, seja por doenças proporcionadas por ela ou pelo próprio estresse por calor.

2. Doenças não transmissíveis

Diabetes, câncer, problemas de saúde mental e condições cardíacas são responsáveis ​​por mais de 70% de todas as mortes no mundo, muitas delas prematuras.

Mais de 85% dos falecimentos decorrentes destas condições não transmissíveis ocorrem em países de baixa e média renda, onde há fatores de risco em ascensão, como uso de tabaco, sedentarismo, uso nocivo do álcool, dietas pouco saudáveis ​​e poluição do ar.

3. Gripe

A OMS afirma que haverá outra pandemia de gripe, mas ainda não se sabe quando. A Organização monitora locas de risco e as novas cepas do vírus.

4. Ambientes vulneráveis

Aproximadamente 22% da população mundial vive em locais propícios para crises de saúde. Estas áreas combinam diversos fatores de risco, como seca, pobreza, fome e guerras.

5. Resistência a medicamentos

Resistência a medicamentos é a capacidade de bactérias, parasitas, vírus e fungos resistirem aos princípios ativos que deveriam destruí-los. O problema é causado pelo uso excessivo e incorreto de medicamentos pela população.

É cada vez mais comum ver isto acontecer, a exemplo da sífilis, da tuberculose e da gonorreia.

O risco é que doenças simples deixem de ser controláveis, o que aumenta a chance de crises graves na saúde.

6. Ebola e outros patógenos de alta ameaça

Epidemias de agentes patogênicos de alta ameaça, como o Ebola, continuam afetando o mundo, especialmente a África. O risco em 2019 é que tais doenças se espalhem para outras áreas ou se agravem.

7. Falta de cuidados de saúde primários

A atenção primária é o primeiro contato que pessoas têm com o sistema de saúde e, se for precária, pode afetar o paciente ao longo da vida. Assim, locais com cuidados de fracos apresentam um grave risco à população.

8. Falta de vacinação

movimento antivacina atrapalha campanhas de todo o mundo e ameaça reverter o progresso feito no combate a doenças evitáveis. O sarampo, por exemplo, registrou aumento de 30% nos casos em todo o mundo.

As razões pelas quais as pessoas escolhem não vacinar incluem complacência, falta de acesso e desconfiança.

9. Dengue

Doença transmitida por mosquitos que causa sintomas semelhantes aos da gripe, a dengue se consolida como uma ameaça de décadas e que pode ser letal.

A OMS registra aumento do número de mortes em países com prevalência da doença, como Bangladesh e Índia, e presença atípica em nações menos tropicais.

10. HIV e AIDS

Embora o HIV pareça estar muito menos prevalente do que antigamente, sua epidemia continua a se alastrar, gerando quase um milhão de vítimas fatais a cada ano, apesar dos métodos preventivos e de diagnóstico precoce.