Quando crise de asma pode matar, como ocorreu com Fernanda Young?

Atualizado em 26 de agosto de 2019

|

A atriz, apresentadora, escritora e roteirista Fernanda Young morreu nesse domingo (25), vítima de uma crise de asma seguida de parada cardíaca. A artista de 49 anos estava no sítio da família em Gonçalves, Minas Gerais, e chegou a ser levada para um hospital da cidade vizinha, mas não resistiu.

A morte precoce gerou dúvidas sobre a periculosidade da doença asma, que, de acordo com a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, acomete 20 milhões de brasileiros.

Fernanda Young morre após crise de asma

Embora Fernanda Young convivesse com a asma desde a infância, a amiga da escritora, Rosário Gondim, contou ao jornal O GLOBO que sua última crise foi mais forte que o normal. Ela começou a sentir falta de ar no fim da tarde de sábado (24) e tomou um remédio que fez com que melhorasse num primeiro momento.

Horas depois, acabou passando mal novamente e acabou aspirando seu próprio vômito, o que causou a morte.

Quando asma pode ser perigosa?

Asma é uma doença das vias aéreas, que causa estreitamento dos bronquíolos – pequenos canais pelos quais o ar circula dentro dos pulmões –, o que diminui a passagem de ar. As crises geralmente são fruto do contato com alérgenos, como mofo, ácaros, pelos de animais, pólen e produtos químicos.

“Se a crise é intensa, o oxigênio diminui e o coração pode ter uma parada, tanto cardíaca quanto respiratória”, explica o otorrinolaringologista Jamal Azzam.

A tosse pode ser grave e, assim como no caso de Fernanda, seguida de vômito que quando inalado para dentro das vias respiratórias pode levar à morte. Geralmente a inalação ocorre quando o paciente está sedado ou desacordado.

Além disso, medicamentos contra crises de asma podem agravar a descompensação da insuficiência cardíaca, visto que agem de maneira semelhante à adrenalina, criando arritmia, taquicardia e até parada cardiorrespiratória.

O que fazer perante uma crise de asma?

Em primeiro lugar, a pessoa que tem asma deve manter acompanhamento em longo prazo para prevenir as crises e receber indicação sobre quais medicações usar perante elas.

Ao presenciar ou sofrer uma crise de asma, é importante manter a calma. Sente-se ou coloque o paciente sentado e inclinado para frente e lhe ofereça inalações, xaropes e bombinhas, a depender da orientação médica prévia.

Em casos de crises com falta de ar muito intensas, caracterizadas por arroxeamento das pontas dos dedos e lábios e cansaço intenso, deve-se procurar um médico imediatamente.

Fontes

Cardiologista Nicolle Queiroz, do Hospital São Camilo, membro do corpo clínico do Hospital Albert Einstein e do Hospital São Luiz – CRM 151348

Otorrinolaringologista Jamal Azzam, da Clinica JAMAL – CRM 57245