César Filho é internado com diverticulite: doença grave gera 8 sintomas

Atualizado em 07 de novembro de 2019

|

O jornalista César Filho, de 59 anos, está internado com diverticulite, doença caracterizada por inflamação no intestino e sintomas como sangramento e dor intensa. O apresentador revelou no stories do Instagram, que seu estado de saúde se agravou por não seguir ordens médicas. Saiba mais.

César Filho está com diverticulite 

O apresentador do programa Hoje em Dia, da Record, revelou no Instagram que contrariou as ordens médicas de manter repouso devido a um quadro de diverticulite e foi trabalhar por dois dias. Seu estado de saúde piorou, o que o levou a ir ao hospital na última terça-feira (5) para se submeter a exames. “Saiu a tomografia e a minha diverticulite é pior do que nós imaginávamos. Por isso, eu vou ter que ficar internado aqui”, contou na rede social.

Segundo ele, seu intestino apresenta microperfuração, complicação que causa vazamento de gases e espalha bactérias para a bexiga e o fígado. Como tratamento, foi necessário entrar imediatamente com antibióticos, além de remédios para aliviar as dores abdominais.

O que causa diverticulite?

A presença de pontos mais fracos no cólon associada ao aumento da pressão abdominal gera divertículos, que são pequenas bolsas e cistos fixados ao revestimento intestinal. O quadro não causa nenhum problema ou sintoma e é denominado diverticulose. Todavia, sua inflamação é conhecida como diverticulite.

Mais grave, a doença pode ser aguda – com um ou mais ataques inflamatórios – ou crônica – com estado de inflamação constante.

Seus sintomas incluem:

  • Dor do lado esquerdo do abdômen, que pode ser constante e persistir por vários dias
  • Alteração do hábito intestinal
  • Sangramentos intestinais
  • Febre
  • Náuseas 
  • Constipação
  • Diarreia
  • Queda do estado geral

Tratamento

A diverticulite aguda pode ser tratada com repouso, alterações na dieta e uso de medicamentos, enquanto a crônica exige cirurgia. Em ambos os quadros, é necessária dieta líquida enquanto o intestino se recupera, a qual é seguida do consumo de fibras – presentes em frutas, vegetais, legumes e grãos – que ajudam o órgão a evitar crises.

Em casos graves, como formação de abcessos, perfurações ou obstruções intestinais, é indicada cirurgia emergencial para retirar a parte inflamada do intestino.

Dependendo da porção removida, pode ser necessário a colocação de uma bolsa de colostomia que acopla as fezes saídas naturalmente do intestino.

 

Fontes

Cirurgião Rafael Cauê Katayama, do Centro Médico Consulta Aqui. CRM 133873/SP