Os perigos do sedentarismo

01 de agosto de 2017

|

POR Redação

A vida moderna exige um estilo de vida geralmente prejudicial à saúde. A maioria das pessoas trabalham em escritórios, onde passam horas na frente do computador e o estresse é extremamente comum. Isso faz com o que sedentarismo seja um pouco mais comum.

Entre as obrigações pessoais e profissionais, ter tempo para a atividade física não é fácil e acaba se tornando um grande desafio. Mas fazer esse esforço ajuda a evitar problemas potenciais, tanto de saúde quanto emocionais. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 60% da população não está ativa fisicamente e cerca de 5.3 milhões de pessoas no mundo morrem por causa do sedentarismo.

Já o jornal britânico The Lancet, publicou um estudo sobre o nível de atividade física e hábitos esportivos de pessoas com mais de 45 anos nos Estados Unidos, Europa Ocidental e Austrália – todos trabalhavam em escritórios e passavam cerca de oito horas sentados em uma cadeira, seja na frente de um computador ou fazendo outras tarefas.

Os resultados não foram muito encorajadores. A análise, feita com base em 16 relatórios, concluiu que as pessoas com vida mais sedentárias são mais propensas a sofrer uma morte prematura, ao contrário daqueles que praticam esportes.

Ficar sentado por oito ou mais horas durante o dia e ter pouca ou nenhuma atividade física aumenta 9,9% das chances de morte. Esta porcentagem é drasticamente reduzida se você ficar menos de quatro horas sentado em uma mesa e exercitar-se por 60 minutos por dia.

O membro da Federação Mexicana de Diabetes, Fernando Lavalle tem a fórmula para prevenir doenças causadas pelo estilo de vida sedentário: fazer 150 minutos de exercício moderado por semana.