O que você precisa saber sobre a fertilização in vitro

Atualizado em 05 de setembro de 2018

|

POR Marina Zyrianoff

Também conhecida como FIV, a fertilização in vitro é uma das técnicas de reprodução laboratorial mais conhecidas no mundo, e consiste em inserir espermatozoides próximos aos ovários, a fim de obter pré-embriões que, posteriormente, são transferidos para o útero.

Dela nasceu o primeiro “bebê de proveta”, no Reino Unido, em 1978, iniciando uma nova era na medicina reprodutiva. Desde então, com a evolução da tecnologia, seu sucesso é progressivo e garante o sonho de muita gente: ter filho. Hoje em dia é uma das técnicas realizadas com mais frequência porque garante mais resultado.

Durante o processo, o cultivo dos espermatozoides e dos ovários é realizado totalmente em laboratório a fim de acompanhar o correto desenvolvimento dos embriões.

A técnica é indicada para pessoas:

  • Com problemas nas trompas;
  • Com problemas nos ovários;
  • Com endometriose;
  • Fator masculino severo, com fracasso de fecundação anterior comprovado – segundo a Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), cerca de 30% dos casos de infertilidade do casal têm origem masculina.

Diagnóstico

Antes de pensar na fertilização in vitro, é fundamental realizar um diagnóstico, a fim de entender qual a técnica mais indicada. 

FIV é considerada quando o casal não engravida após tratamentos com medicamento, cirurgia, mudança de hábito e até mesmo a inseminação artificial.

Cuidados gerais

Tanto a mulher quanto o homem devem ter cuidados básicos para manter a saúde reprodutiva e assim, tentar evitar a utilização da técnica. Segundo sugestões da SBRA, os cuidados devem ser:

  • Manter uma dieta balanceada;
  • Realizar exercícios físicos moderados e regulares, como prevenção da obesidade;
  • Excluir alguns hábitos não saudáveis como tabagismo, alcoolismo, uso de drogas de abuso e anabolizantes.

Tecnologia ICSI

A injeção intracitoplasmática de espermatozoides é a introdução de um espermatozoide no óvulo durante um tratamento de FIV. Ela é indicada, exclusivamente, aos casais cujo homem possui alterações seminais graves ou até mesmo para pacientes que passaram por vasectomia ou por cirurgia de retirada de próstata.

Antes, a opção era a utilização de um doador de sêmen.

Atenção com a fertilização in vitro

Para a realização da FIV, a mulher se submete à estimulação hormonal, a fim de produzir múltiplos óvulos para fertilização. Segundo especialistas, a mulher é capaz de utilizar a fertilização in vitro com seus próprios óvulos até os 43 anos de idade, porém a informação é variável de acordo com cada organismo.

Porém, é preciso estar atento: a técnica pode trazer alguns riscos, como:

  • Síndrome da hiperestimulação ovariana;
  • Complicações do procedimento de retirada de óvulo;
  • Complicações na gravidez.

Por isso, antes de tomar qualquer decisão sobre realizar ou não a técnica, consulte um médico e esclareça todas as suas dúvidas – somente alguém especializado no assunto poderá indicar o melhor tratamento para você.