Zumba queima até mil calorias por aula e tonifica músculos

28 de setembro de 2017

|

POR Gabriela Simionato

Misturar exercícios físicos e música é uma ótimo maneira de estimular o cérebro e o corpo. Além de ajudar a manter a forma, alguns tipos de aula vão além das necessidades de combater o sedentarismo e acabam trazendo aquela sensação de alegria e autoconfiança que tanto colabora para o bem-estar emocional. É o caso das aulas de zumba, ideal para quem quer fugir dos treinos tradicionais.

“A dança é uma opção divertida e acaba sendo um ‘exercício disfarçado’”, analisa Camila Belluomine, instrutora da rede de academias Bio Ritmo.

Em média, uma aula de zumba pode ajudar a queimar até 1.000 calorias. “Além de ser uma ótima opção para quem quer emagrecer, ajuda a melhorar a coordenação motora, definir músculos e a liberar hormônios do prazer”, analisa Rodrigo Costa, educador físico e instrutor de zumba.

A mistura de ritmos latinos com dança lenta ajuda a equilibrar tanto o lado emocional quanto corporal, sendo muito recomendada principalmente para quem anda precisando relaxar.

“Quando tratamos de melhorias na qualidade de vida, a zumba é uma ótima opção de atividade física”, garante.

Alguns dos benefícios são condicionados ao grande repertório de elementos que são realizados durante a execução dos exercícios, como a alta queima de calorias, aceleração do metabolismo, melhora do humor, integração e melhora na autoconfiança, condicionamento físico e coordenação motora, entre outros”, explica Fabio Kao, professor de Educação Física do Eniac.

Para os que não se identificam com treinos de academia ou esportes em equipe, a zumba pode ser uma ótima prática.

“As aulas são divididas em alguns programas de treinamento. É ideal também para pessoas iniciantes, que terão bons resultados sem sobrecarregar seu corpo e sempre dentro de suas condições físicas”, analisa Fabio.

Cuidados para praticar zumba

Como todos os exercícios, é preciso uma avaliação física antes de começar. Dançar zumba dentro de casa, sem a supervisão de um instrutor, pode ter resultados, mas é preciso saber quais músculos trabalhar e quais suas atuais condições físicas e cardíacas.

“O indivíduo pode desenvolver alguns problemas físicos ou musculares – manifestações que podem aparecer durante ou após a prática”, alerta Fabio.

Para Camilla, é importante estudar o espaço em que fará a dança. “Utilize um tênis com amortecedor e tome cuidado com chão liso ou piso escorregadio”, alerta.

Fora isso, a instrutora lembra que é preciso ficar atento a qualquer sinal de dor. “Joelho, tornozelo, quadril e ombros, principalmente.

O participante deve estar bem quanto às questões cardíacas, apto a realizar exercícios físicos e manter sempre em mente que é preciso se hidratar durante as aulas”.

Para melhores resultados, além de uma dieta balanceada, a zumba pode ainda ser combinada com a musculação.

“Esses exercícios deixam o corpo e as articulações mais fortes e preparadas para as aulas. Sessões de alongamento trarão bem-estar após as aulas e também melhoria na mobilidade articular para que haja maior desenvolvimento ao dançar”, explica Camila.

Por fim, a dica essencial é se divertir com os passos de dança e deixar a alegria tomar conta na hora da malhação.