Albumina: saiba o que é, seus benefícios e como consumir

11 de junho de 2018

|

POR Lucas Coelho

Suplemento de bastante sucesso entre os adeptos do mundo fitness, a albumina muitas vezes é consumida sem a pessoa saber realmente do que se trata e como ela age no corpo. Apesar de ser uma aliada interessante para quem deseja ganhar massa muscular, existem diversos cuidados que precisam ser levados em conta. O primeiro deles: nunca consuma albumina sem consultar um nutricionista!

O Ativo Saúde traz algumas informações para quem já faz uso da albumina ou tem curiosidade sobre este suplemento. Confira!

O que é a albumina?

Como já foi dito, a albumina nada mais é do que uma proteína. Ela é extremamente importante para o nosso organismo, estando presente no plasma sanguíneo. Quando está nesse meio, ela é chamada de seroalbumina.

Produzida em nosso fígado, ela dá viscosidade ao sangue, ajudando na manutenção do pH e no transporte de nutrientes, como cálcio, magnésio e gorduras. Além disso, auxilia também a condução a bilirrubina  – que é um pigmento da bile de coloração amarelada  –, resultado de alguns processos dentro do organismo, e que permanece no plasma sanguíneo até ser excretada através da urina.

Ela também é encontrada em abundância na clara do ovo, quando é chamada de ovoalbumina, e no leite, quando é chamada de lactoalbumina.

Relação com o ovo

A albumina é a principal proteína presente na clara do ovo, na forma de ovoalbumina. A clara do ovo é basicamente formada por água e proteínas, sem gorduras e sem carboidratos.

Assim, os suplementos que são comercializados em loja, geralmente são produzidos através da clara do ovo que é desidratada e pasteurizada. Desta forma, estes compostos apresentam uma elevada concentração de proteínas. Isso pode ser positivo ou negativo, depende muito de como a pessoa administra sua alimentação.

Benefícios do suplemento

“Uma das principais funções da albumina no corpo humano é de participar da construção muscular”, conta a nutricionista Tania Rodrigues, da Câmara Técnica do CRN-3. Isso explica seu sucesso entre os que pretendem ganhar massa muscular.

“É uma proteína de alto valor biológico, pois contém os nove aminoácidos essenciais. Estes são os aminoácidos que nosso corpo não consegue produzir: leucina, lisina, isoleucina, metionina, fenilalanina, treonina, valina, triptofano e histidina”, cita a Dra. Rodrigues.

Portanto, o consumo bem acompanhado do suplemento auxilia no transporte e no fornecimento de aminoácidos para todos os tecidos do nosso organismo. Além disso, atua junto de outras proteínas dentro do corpo, como as do sistema imunológico e da formação de hormônios.

De maneira geral, os benefícios podem ser listados da seguinte maneira:

  • Têm papel importante na reestruturação muscular após os treinos;
  • É rica em vitaminas e minerais como o ferro, fósforo, potássio e vitaminas do complexo B;
  • É importante no processo de cicatrização (por isso, muitas vezes é administrada por médicos em pessoas vítimas de queimaduras e com hemorragias sérias).

Quem deve tomar?

Conforme explica Tania, o consumo de albumina é mais frequente em atletas de alto rendimento e vegetarianos ou pessoas com dietas que não conseguem atingir as quantidades necessárias de proteína.

“Para os indivíduos que praticam exercícios físicos sem maiores preocupações com o desempenho, uma dieta balanceada, que atenda às recomendações dadas à população em geral, já é suficiente para a manutenção da saúde e possibilitar bom desempenho físico”, diz a nutricionista.

No entanto, sabemos que muitos buscam a albumina com o objetivo de ganhar massa muscular. É importante ter em mente que as necessidades energéticas e calóricas são individuais. Mesmo com essa meta estabelecida, apenas um nutricionista pode elaborar um plano alimentar mais adequado e saudável, incluindo a suplementação ou não.

Como consumir?

Diversos estudos recomendam que o uso dos suplementos proteicos, como a albumina da clara do ovo, deve estar de acordo com a ingestão proteica total. Conforme alerta Tania Rodrigues, “o consumo adicional desses suplementos proteicos acima das necessidades diárias (1,2 g a 2,0 g/kg de peso/dia) não determina ganho de massa muscular adicional, nem promove aumento do desempenho.”

Esse é um engano que muitas pessoas fazem, esperando que o consumo de um suplemento garanta o crescimento muscular. O aumento da massa muscular ocorre como consequência do treinamento. Assim, a demanda proteica aumenta de acordo com o treino. Isso quer dizer que o consumo da albumina é o segundo passo a se tomar, e nunca o primeiro.

“A dose mínima recomendada é de 10g de proteínas com 20g de carboidratos. Lembrando sempre que esse consumo deve estar de acordo com a ingestão proteica e calórica total”, reforça a Dra. Rodrigues.

“Caso a opção seja mesmo por consumir a albumina”, explica ela, “junto de um especialista será preciso calcular a necessidade diária de proteínas e proteínas e subtrair 20 a 30 gramas do total, para que esta seja a dose do suplemento em pó”.

A albumina em pó pasteurizada é bastante prática e seu consumo é bem simples, podendo ser adicionada em sucos, sopas ou outras formas de alimento.

Consumir no pré-treino ou no pós-treino?

Qualquer ingestão proteica é sempre mais adequada após o exercício físico de hipertrofia, como a musculação, pois desta forma ela favorece o aumento da massa muscular, quando bem combinada com a ingestão de carboidratos reduz a degradação proteica.

Por ser uma proteína de lenta digestão é ainda menos recomendada no pré-treino, pois pode atrapalhar a absorção de carboidratos e da água, que são processos necessários durante a prática de exercícios físicos.

Consumo em excesso pode engordar?

“A albumina, como qualquer outra proteína, fornece 4 quilocalorias por grama”, conta Tania. “Quando inserida numa dieta desequilibrada, pode contribuir para o ganho de peso, mas não podemos atribuir apenas a albumina um possível ganho de gordura corporal.”

Quais os efeitos colaterais?

Vale a pena ficar atento a alguns efeitos colaterais que podem acontecer devido ao seu consumo:

  • Distensão abdominal (inchaço na região da barriga);
  • Aumento de gases devido à fermentação;
  • Diarreia;
  • Problemas renais quando o consumo estiver em excesso ou se houver intolerância ao produto.

Há contraindicações?

Em condições normais de saúde, não há contraindicações para o uso da suplementação, mas existem condições que impedem seu consumo.

Sua ingestão é contraindicada nos seguintes casos:

  • Pessoas que apresentam alergia a ovo;
  • Pessoas com doenças hepáticas, pancreatite, doenças renais, hemofílicos ou com doenças cardíacas;
  • Grávidas, lactentes, idosos ou crianças;
  • Alérgicos aos componentes da fórmula.

Logo, fica claro o porquê de não ser recomendado o consumo deste suplemento sem a prescrição de um profissional.

Onde comprar?

Albumina como suplemento deve ser vendida em lojas específicas para atletas. Dê preferência a lojas físicas, onde você pode inspecionar o produto e suas condições de armazenamento. Ela não deve ter um cheio muito forte nem variação de cor.

Seu preço médio varia de R$ 30 a R$ 50 por meio quilo, ou 500g, de suplemento.