Lipocavitação: o que é, como funciona, antes e depois e mais

Atualizado em 29 de março de 2019

|

Lipocavitação é um famoso procedimento estético conhecido popularmente como lipo sem cirurgia, já que, de forma indolor, promete eliminar gordura localizada de partes estratégicas do corpo por meio de um aparelho de ultrassom.

É possível aplicar a técnica em diversas partes do corpo, como na barriga, nas coxas, nos flancos, na gordurinha do sutiã e nas costas.

A seguir, veja as principais indicações e cuidados da lipocavitação.

O que é lipocavitação?

Lipocavitação, popularmente chamada de “lipo sem cortes”, é um tratamento estético que usa um aparelho de ultrassom de alta potência, de 40khz, para atingir camadas profundas de gordura da pele.

Segundo explica a cosmetóloga e esteticista Vivi Afecto, da Clínica Vivi Afecto Estética Avançada, essa potência atinge a camada adiposa com tanta profundidade que causa a lipólise, que é a quebra da gordura, que a transforma em ácidos graxos para o organismo, principalmente o fígado, metabolizar.

Quem pode fazer?

Este tratamento estético é indicado para homens e mulheres que queiram reduzir medidas e eliminar gordura subcutânea localizada, mas que estejam com a saúde em dia.

Lembrando que o procedimento não trata gordura visceral, que é a depositada entre os órgãos e que causa doenças no organismo.

Como é feita?

Preparo

Não é necessário nenhum preparo especial para realizar a lipocavitação, apenas uma boa avaliação com o especialista que irá atendê-lo.

O procedimento pode ser feito em clínica estética, consultório de um fisioterapeuta dermato-funcional ou ou dermatologista.

Antes da sessão, o paciente deve passar por anamnese, que consiste em uma série de perguntas feitas pelo profissional de saúde para checar o estado do indivíduo.

Há especialistas que pedem exames de colesterol, pois o procedimento pode aumentar a taxa devido à gordura que se desloca para a corrente sanguínea. Ainda pode ser necessária medição da prega da gordura e circunferência local.

Procedimento

No dia do procedimento, o cliente deverá usar apenas roupa íntima e terá a região a ser tratada higienizada.

Em seguida, um gel neutro será aplicado para a condução do aparelho.

Quando o equipamento for ligado e estiver em contato com a pele, será preciso movimentos circulares durante todo procedimento.

Cada sessão dura, em média, por região do corpo, 40 minutos.

Recuperação

O uso isolado da lipocavitação não garante efeitos benéficos. Isso porque, de fato, o aparelho pode quebras as células de gordura localizada, mas elas precisam ser metabolizadas para a eliminação.

“Por isso, é tão importante que o cliente faça a parte dele logo após a sessão”, alerta Vivi, que sugere exercícios aeróbios, beber bastante água e ter uma alimentação equilibrada.

Quem quiser e tiver condições, pode também apostar em massagens modeladoras e drenagens linfáticas. Quem não puder fazer exercícios precisará associar outros tratamentos que façam este papel, caso da radiofrequência, da eletroestimulação ou da plataforma vibratória.

Dói?

A sessão é completamente indolor, o único incômodo são os zumbidos no ouvido causados pelo aparelho durante o procedimento, capazes de causar grande desconforto em pessoas que têm labirintite.

Quantas sessões são necessárias?

O número de sessões vai variar de acordo com os objetivos, região a ser tratada e avaliação de cada cliente. No entanto, a média varia entre 4 a 8 encontros, com intervalos semanais.

Antes e depois da lipocavitação

A lipocavitação funciona e seus resultados são vistos logo após a primeira sessão.

“Quando o cliente levanta da maca, é possível perceber alguns efeitos, que continuam progredindo por até dois dias. Se ele continuar praticando os hábitos indicados pelo profissional, irá ter ainda mais resultados”, aponta a esteticista.

Ao final do tratamento, a ideia é ter redução significativa da gordura local.

Resultados duram quanto tempo?

Os primeiros resultados são imediatos, a gordura que foi eliminada não retorna.

No entanto, é preciso lembrar que se o paciente não buscar mudar hábitos, o corpo irá produzir novas células de gordura e formar novos depósitos, como acontece com qualquer tratamento para a gordura, inclusive a lipoaspiração.

Riscos e efeitos colaterais

Pela quebra de gordura no organismo há risco de o colesterol aumentar. Por isso, quem tem problemas com essa condição é melhor conversar com um médico antes.

No mais, trata-se de um procedimento seguro e que não apresenta grandes efeitos colaterais, desde que seja aplicado por profissionais qualificados e os pacientes não façam parte do grupo de contraindicações.

Contraindicações

Estão na lista de pessoas que não devem fazer esse procedimento estético:

  • Gestantes
  • Diabéticos
  • Hipertensos
  • Pessoas com colesterol alto
  • Portadores de problemas renais
  • Portadores de paralisias
  • Indivíduos com epilepsia
  • Cardiopatas
  • Pacientes com placas e/ou parafusos
  • Mulheres com DIU
  • Pacientes com cirrose

Preço da lipocavitação

O preço varia de acordo com a área a ser tratada e a quantidade de sessões necessárias. O valor pode variar também de acordo com o tamanho da área e outras associações utilizadas, em uma média de R$ 200 e R$ 800.

Lipocavitação ou criopólise: qual é melhor?

São procedimentos com ações e indicações muito diferentes.

A lipocavitação trabalha a lipólise da gordura, que precisa de um mecanismo externo para sua metabolização.

Já a criolipólise faz o congelamento da célula de gordura e a elimina por meio da apoptose, a morte programada da célula de gordura. É um procedimento um pouco dolorido e que demora até três meses para o resultado final.

Ambas as tecnologias são eficazes e podem, inclusive, ser combinadas entre si. Somente uma avaliação com um profissional capacitado, com todo histórico de hábitos do paciente, examinando o corpo e a gordura a ser tratada, poderá indicar o melhor para cada indivíduo.