Congelamento de gorduras? Saiba mais sobre a criolipólise

Atualizado em 12 de junho de 2018

|

A criolipólise é um tratamento que utiliza o método de congelamento de gorduras para acabar com pneuzinhos ou acúmulos de gordura indesejados em algumas partes do corpo.

Segundo a dermatologista Christiane Gonzaga, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), “trata-se de um procedimento estético capaz de eliminar células de gorduras que permaneceram mesmo com uma alimentação regrada e a prática de atividades físicas”.

Como a criolipólise funciona

Desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, a técnica usa temperaturas abaixo de zero para congelar e destruir as células de gordura.

Funciona assim: nossas células são submetidas a temperaturas negativas a partir de um aparelho que é acoplado na superfície da pele e realiza uma sucção na área a ser trabalhada.

E assim ele permanece até que as células de gordura se rompam e sejam expulsas do corpo. Isso acontece porque quando elas estouram, o organismo não as reconhece mais como uma parte dele e as joga para fora.

De acordo com Christiane, o tratamento não dói. Algumas pessoas são mais sensíveis que outras e podem sentir um desconforto no momento da sucção ou na retirada do aparelho. “Mas o que geralmente ocorre é que, após o congelamento da gordura, a área fica anestesiada”, aponta ela.

As dores são mais comuns no dia seguinte ao procedimento. Neste caso, a especialista indica um analgésico de preferência do paciente para aliviar os sintomas.

Resultados do congelamento de gorduras

Segundo a dermatologista, o processo costuma levar em torno de uma hora para terminar e consegue eliminar cerca de 25% a 30% da gordura.

Os resultados da criolipólise já costumam aparecer após uma ou duas sessões. A partir do 10º dia, a quebra de gordura já pode ser mais visível. Mas, ainda de acordo com a Christiane, o efeito máximo acontece cerca de 60 dias após a última sessão do tratamento.<

Indicações e contraindicações

A criolipólise é mais indicada em casos de gordura localizada nas regiões do abdômen, coxas, flancos e costas — e geralmente em pessoas que estão incomodadas com a própria aparência, mas que mantém uma rotina saudável (dieta balanceada em conjunto com exercícios).

Mas atenção: é importante ressaltar que esse não é um tratamento para sobrepeso ou obesidade. “Ele é apenas para as gordurinhas que não saem com dieta e exercício”, alerta a especialista.

Também é preciso ficar atento porque nem todo mundo pode ou deve realizar o procedimento. Ele não é indicado para pessoas com muita sensibilidade ao frio, que estejam com hérnias no local da aplicação ou infecções na pele, para gestantes e nem para quem passou por alguma cirurgia recentemente.

Onde fazer e quais os riscos

A dermatologista Christiane explica que o principal risco é fazer o procedimento em lugares duvidosos, como salões de beleza, centros de estética não credenciados ou com profissionais com pouca experiência.

Nesses casos, a paciente corre risco de sofrer queimaduras pelo frio devido ao tempo excessivo de exposição da pele a baixas temperaturas. “Sempre procure clínicas credenciadas e com profissionais com experiência em criolipólise”, aconselha.

Preço da criolipólise

O congelamento de gorduras não é um procedimento estético barato. Em média, cada sessão custa cerca de 500 a 700 reais, mas é possível encontrar locais que cobrem mais ou menos.

Porém, é sempre bom desconfiar de preços muito baixos e, ao mesmo tempo, ficar de olho em valores abusivos. Na dúvida, procure um esteticista de confiança ou pesquise o preço em locais conhecidos e que alguém que você conheça já tenha ido antes.