O que são xenobióticos e como interferem na saúde e fertilidade?

22 de outubro de 2018

|

Xenobióticos são substâncias estranhas ao organismo, capazes de alterar o mecanismo funcional do sistema neuro-endócrino e também a toxicidade genética. Essas substâncias se dissolvem em gordura e formam depósitos tóxicos capazes de aumentar a inflamação do corpo, alterar funções endócrinas e liberar radicais livres. São representados pelos agrotóxicos, pesticidas, plásticos, metais pesados, etc.

Todo alimento muito processado também é considerado xenobiótico, assim são os carboidratos simples como as farinhas brancas, o açúcar refinado, os enlatados, as frituras em geral, as margarinas etc.

Riscos

Diversos estudos demonstram uma relação importante entre o aumento da exposição a xenobióticos e a incidência de muitas doenças, como infertilidade, endometriose, menopausa precoce, câncer, etc. Por isso, todo cuidado deve ser prestados à origem dos alimentos consumidos.

Um recente estudo demonstrou que até mesmo os salmões oriundos da piscicultura, apresentavam dezesseis vezes mais contaminantes do que os de origem selvagem, dos mares profundos, por serem alimentados com ração de má procedência.

Outro trabalho relaciona a incidência de aumento de câncer de próstata, infertilidade e redução no tamanho do pênis em jacarés da região americana de Everglades, atualmente bastante contaminada, demonstrando a grande devastação ambiental que trazem estes poluentes.

Os poluentes podem ser encontrados em todo sistema reprodutor masculino e feminino, pois adentram nas células germinativas e interferem na produção de energia pelas mitocôndrias e, inclusive, no trabalho genético adequado dessas células.

Como se proteger dos xenobióticos?

Nosso organismo apresenta meios específicos de proteção e combate aos xenobióticos: as chamadas substâncias antioxidantes, presentes em frutas, legumes e folhas orgânicas, sementes, óleos vegetais (como canola e azeite), aves e peixes de boa procedência.

Também é possível se livrar dos xenobióticos por meio do bom funcionamento dos rins, fígado, intestinos e até da pele (pelo suor). Por isso, hábitos que promovam a saúde desses sistemas – como hidratação abundante, consumo de alimentos ricos em fibras, consumo de vegetais coloridos e a prática de atividade física – são fundamentais para prolongar a saúde e evitar doenças.

A união de atividade física e uma dieta adequada é a melhor intervenção que existe para prevenção de doenças e melhora geral da saúde, conforme estudos publicados, como Crossignani em Milão, em 2003, e Moran, em 2006.

A seguir, listamos os hábitos mais valiosos a sua saúde:

  • Aumente a ingestão de água, porém longe das refeições para não diluir o suco gástrico;
  • Consuma mais fibras e cereais integrais;
  • Use a regra do 80:20, isto é, reserve excessos para os fins de semana, mas tenha uma alimentação exemplar durante a semana;
  • Reduza a quantidade de carnes vermelhas, leites e derivados;
  • Pratique atividades físicas com regularidade e sem exageros;
  • Aumente a ingestão de peixes de águas frias e profundas;
  • Capriche nas frutas, verduras e grãos;
  • Reduza o uso do micro-ondas;
  • Evite o uso de papel alumínio;
  • Faça pequenas refeições a cada 4 horas;
  • Não usar amalgama nas restaurações dos dentes;
  • Coma e mastigue lentamente para aumentar a absorção das moléculas nutritivas.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Renata Camargo Menezes

Renata Camargo Menezes

Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Sociedade Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia e Especialista em Medicina Reprodutiva pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Título em Reprodução Assistida pela SBRA. Tem fellowship no Jackson Memorial Hospital, Miami, E.U.A, e no Hôpital Saint Phillibert, Lille, França. É ultrassonografista formada pelo Centro de Treinamento em Ultra-Som. Membro do Comitê de Mortalidade Materno-Infantil do município de Barueri.