Reposição hormonal para andropausa: melhora vida sexual e disposição

21 de maio de 2019

|

Antigamente, a andropausa ocorria em 5% a 10% dos homens abaixo dos 50 anos, já hoje acomete 30% a 40% dessa essa faixa etária jovem.

A andropausa é confirmada quando exames constam menos de 375 de testosterona total ou menos de 12 da testosterona livre. A boa notícia é que existe tratamento eficaz com dosagens hormonais.

Andropausa x menopausa

Diferente do que ocorre na menopausa, não existe um período da vida em que a andropausa ocorre, podendo acontecer a qualquer momento. Já cheguei a receber um paciente que, por outros motivos de saúde, entrou na andropausa aos 15 anos de idade.

A andropausa também se difere da menopausa em outro aspecto: no homem, os hormônios são reduzidos e na mulher eles são interrompidos.

Sintomas de andropausa

Os homens, em geral, confundem a andropausa com estresse. Então, vamos aos sinais:

  • Perda de ânimo: por exemplo, aquele homem que está acostumado a jogar bola com os amigos todo final de semana de repente não quer mais
  • Excesso de sono
  • Variabilidade de humor
  • Dificuldade de atenção
  • Perda de massa muscular: por exemplo, a perna dá uma afinada e a barriga aumenta.
  • Calores: afetam apenas 16% dos homens
  • Perda do apetite sexual
  • Perda da capacidade de manter ereção
  • Aumento dos níveis de colesterol

Quanto ao comportamento? Homens na andropausa ficam ariscos e irritados, além de se sentirem muito envergonhados e frustrados.

Para se ter uma ideia, o homem leva em média quatro anos para chegar ao consultório. Antes disso, ele procura um psicólogo ou toma o remédio que o amigo está tomando. A mulher tem papel bastante importante de levá-lo ao médico e iniciar o tratamento correto, em boa parte dos casos.

Existem 63 possíveis causas para diminuição da testosterona, desde cirurgias, varicoceles, tratamentos como quimioterapia, radioterapia, etc. O importante é se conscientizar da situação e procurar ajuda.

Reposição hormonal para andropausa

Não existe idade segura para reposição hormonal, mas sim tratamentos seguros que usam medicações que não produzem efeitos colaterais e mantêm a dose hormonal fisiológica. Os mais modernos são os que usam hormônios bioidênticos.

Há opção muitas formas de ministrar a reposição hormonal para andropausa: comprimidos, injeção, gel (mais comum) e adesivos. Também está para sair um chiclete para o tratamento.

Após o início do tratamento, em apenas duas semanas o homem passa a ter resultados.

Contraindicação

Só existe uma restrição para a reposição hormonal masculina, que é a próstata aumentada ou o câncer de próstata. Então, se o homem não apresentar este quadro, não há motivo para não procurar ajuda, ao contrário, se ele não se cuidar a situação vai se agravar e impedir inclusive uma vida sexual ativa.

É segura?

Muitos homens, no entanto, usam “bomba”, ou seja, tomam doses mais elevadas do que o médico recomendou, o que pode acarretar inúmeros problemas de saúde. Contudo, seguindo exatamente as orientações e utilizando a dose fisiológica, a reposição hormonal se mostra bastante segura.

Hábitos saudáveis são sempre aliados, principalmente nessa faixa da vida. Fumo, bebida e drogas devem ser evitados para quem quer viver mais e melhor.

Vale lembrar que disfunção sexual tem cura. Para isso, basta fazer todos os exames, iniciar o tratamento e colher os benefícios de uma vida normal.

Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Ativo Saúde

Lister Salgueiro

Lister Salgueiro

Médico Andrologista, Ginecologista e especialista em Medicina Reprodutiva, formado pela Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e no Centro de Ciências Médicas e Biológicas de Sorocaba. É diretor clínico e sócio-proprietário da Clínica Fértilis de Medicina Reprodutiva, em Sorocaba (SP) e autor do livro "Andropausa: Reposição Hormonal Masculina", Editora Roca.